siso_

PBP - UFC - blades X lewis

Recommended Posts

Algo que vi o Robert Drysdale defendendo em um vídeo que achei muito interessante foi a penalização de quem puxasse para a guarda. Puxou pra guarda, -1 ponto.  

Share this post


Link to post
Share on other sites
42 minutes ago, João P said:

Perfeito. O investimento vale, ampliou muito a minha visão. Quero ir numa do Pinduka, só de ter acesso a um faixa vermelha...O Rolls era um baita visionário, foi uma enorme perda a morte precoce dele. Simplesmente Alliance e Gracie Barra são diretas da origem dele...não tem nem o que discutir sobre o legado dele.

Rolls foi um cara de outro nível no Jiu-Jitsu fico pensando no que o Jiu-Jitsu seria se esse cara ainda fosse vivo.

Share this post


Link to post
Share on other sites
41 minutes ago, Daniel Mendoza said:

Algo que vi o Robert Drysdale defendendo em um vídeo que achei muito interessante foi a penalização de quem puxasse para a guarda. Puxou pra guarda, -1 ponto.  

Na minha academia a galera pega no pé de quem puxa pra guarda e muito rola começa em pé ou no meio da porradaria no chão a galera costuma levantar pra tentar quedar ou ficar por cima, a ênfase de dominar é muito grande.

Share this post


Link to post
Share on other sites
10 horas atrás, Daniel Mendoza disse:

Algo que vi o Robert Drysdale defendendo em um vídeo que achei muito interessante foi a penalização de quem puxasse para a guarda. Puxou pra guarda, -1 ponto.  

Apoio 100%. Numa briga vc vai puxar pra guarda? Cair no chão duro e levar porrada? Guarda é um recurso importantíssimo caso o plano principal não der certo. Jiu Jitsu é queda, passagem, joelho na barriga, montada ou costas e finalização, não necessariamente nesta ordem mas em uma progressão pra pegar sem se expor, princípio de mínimo esforço com o máximo de eficiência. Esta era a busca dos samurais pq a vida deles dependia disto.

Share this post


Link to post
Share on other sites
10 horas atrás, oxeboxing disse:

Na minha academia a galera pega no pé de quem puxa pra guarda e muito rola começa em pé ou no meio da porradaria no chão a galera costuma levantar pra tentar quedar ou ficar por cima, a ênfase de dominar é muito grande.

Na luta eu acredito no que eu coloquei no post acima mas no treino tem que ponderar pq se vc tiver esta mentalidade a tendência é vc não desenvolver a guarda, o jogo por baixo, e ficar incompleto. Falo por mim mesmo, sempre tive esta mentalidade, até por vir do Muay Thai, (sempre foi o meu forte e sempre pensei em jj como jogar por cima) e meu jogo por baixo é uma merda. Tem que achar um equilibrio, de repente ter bastante treinos específicos e no rola deixar o bicho pegar como uma luta...

Share this post


Link to post
Share on other sites
23 minutos atrás, João P disse:

Na luta eu acredito no que eu coloquei no post acima mas no treino tem que ponderar pq se vc tiver esta mentalidade a tendência é vc não desenvolver a guarda, o jogo por baixo, e ficar incompleto. Falo por mim mesmo, sempre tive esta mentalidade, até por vir do Muay Thai, (sempre foi o meu forte e sempre pensei em jj como jogar por cima) e meu jogo por baixo é uma merda. Tem que achar um equilibrio, de repente ter bastante treinos específicos e no rola deixar o bicho pegar como uma luta...

Engraçado eu sempreme preocupei em jogar por baixo o pouco que acho aue stricker  precisa de una boa guarda uma hora vai cair e inspiração  no Anderson Silva que fazia guarda .

A irmão  esvazia  sua caixa de mensagens 

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, João P disse:

Apoio 100%. Numa briga vc vai puxar pra guarda? Cair no chão duro e levar porrada? Guarda é um recurso importantíssimo caso o plano principal não der certo. Jiu Jitsu é queda, passagem, joelho na barriga, montada ou costas e finalização, não necessariamente nesta ordem mas em uma progressão pra pegar sem se expor, princípio de mínimo esforço com o máximo de eficiência. Esta era a busca dos samurais pq a vida deles dependia disto.

Sem entrar na complexidade das questões questão histórica e mitológicas por trás da arte, eu penso que o jiu-jitsu brasileiro nunca pode esquecer a sua relação com o vale-tudo. E em um contexto de vale-tudo, em especial em um contexto onde não existe mais bobo no chão, puxar pra guarda no início de uma luta é algo que deveria ser condenável. A não ser que o cara seja MUITO bom fazendo guarda, aí se ele se garante, puxa, perde um ponto e depois recupera. E não tem jeito, as regras fazem a ênfase no treino, enquanto for lucrativo puxar pra guarda, a maioria não vai treinar muito queda, pq sabe que pode puxar ou que será puxado pra guarda.
 

12 horas atrás, oxeboxing disse:

Na minha academia a galera pega no pé de quem puxa pra guarda e muito rola começa em pé ou no meio da porradaria no chão a galera costuma levantar pra tentar quedar ou ficar por cima, a ênfase de dominar é muito grande.

Acho que os dois são tão importantes quantos, saber lutar por cima e por baixo muito bem, dominar independente de onde estiver, tem que haver esse equilíbrio. Mas acho que no início de uma luta, puxar pra guarda tem que ser a estratégia de emergência, não o plano A como é nas competições. Pelo que eu já vi algumas pessoas falando sobre o desenvolvimento da arte, os japoneses começam a desenvolver mais esse puxar pra guarda quando passaram a não conseguir quedar os ocidentais, mais fortes e mais pesados, com base de wrestling. É inegável que em uma luta, a melhor estratégia, a mais segura, é derrubar e ficar por cima. O jiu-jitsu brasileiro tinha que ter maior foco nisso, e as regras tem que incentivar a treinar queda, se não, não vão. Isso é um fato. O mesmo vale para o ataque nas pernas. Se não, vai acabar como o judô, capando a efetividade da arte por causa das regras.      

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 horas atrás, NEGO DÁGUA disse:

Engraçado eu sempreme preocupei em jogar por baixo o pouco que acho aue stricker  precisa de una boa guarda uma hora vai cair e inspiração  no Anderson Silva que fazia guarda .

A irmão  esvazia  sua caixa de mensagens 

Bom pensamento, eu pensava o contrário e pago por isto ate hoje em todo treino de chão que eu dou. Esvaziei já a caixa de entrada, obrigado por avisar.

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, Daniel Mendoza disse:

Sem entrar na complexidade das questões questão histórica e mitológicas por trás da arte, eu penso que o jiu-jitsu brasileiro nunca pode esquecer a sua relação com o vale-tudo. E em um contexto de vale-tudo, em especial em um contexto onde não existe mais bobo no chão, puxar pra guarda no início de uma luta é algo que deveria ser condenável. A não ser que o cara seja MUITO bom fazendo guarda, aí se ele se garante, puxa, perde um ponto e depois recupera. E não tem jeito, as regras fazem a ênfase no treino, enquanto for lucrativo puxar pra guarda, a maioria não vai treinar muito queda, pq sabe que pode puxar ou que será puxado pra guarda.
 

Acho que os dois são tão importantes quantos, saber lutar por cima e por baixo muito bem, dominar independente de onde estiver, tem que haver esse equilíbrio. Mas acho que no início de uma luta, puxar pra guarda tem que ser a estratégia de emergência, não o plano A como é nas competições. Pelo que eu já vi algumas pessoas falando sobre o desenvolvimento da arte, os japoneses começam a desenvolver mais esse puxar pra guarda quando passaram a não conseguir quedar os ocidentais, mais fortes e mais pesados, com base de wrestling. É inegável que em uma luta, a melhor estratégia, a mais segura, é derrubar e ficar por cima. O jiu-jitsu brasileiro tinha que ter maior foco nisso, e as regras tem que incentivar a treinar queda, se não, não vão. Isso é um fato. O mesmo vale para o ataque nas pernas. Se não, vai acabar como o judô, capando a efetividade da arte por causa das regras.      

Perfeito.

Share this post


Link to post
Share on other sites
10 minutos atrás, João P disse:

Bom pensamento, eu pensava o contrário e pago por isto ate hoje em todo treino de chão que eu dou. Esvaziei já a caixa de entrada, obrigado por avisar.

Eu sempre quis jogar na guarda  mas sou branca mas sempre treinei sem quimono .

Eu me botaba na guarda justamente  pensando  em tenho que me virar por baixo  sempre vi o Anderson  sendo guardeiro..a não  ser que vc defenda muita queda mas uma hora vc vai cair  ao meu ver  ,viu o Aldo quando caiu  guarda  zero..

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, Daniel Mendoza disse:

Sem entrar na complexidade das questões questão histórica e mitológicas por trás da arte, eu penso que o jiu-jitsu brasileiro nunca pode esquecer a sua relação com o vale-tudo. E em um contexto de vale-tudo, em especial em um contexto onde não existe mais bobo no chão, puxar pra guarda no início de uma luta é algo que deveria ser condenável. A não ser que o cara seja MUITO bom fazendo guarda, aí se ele se garante, puxa, perde um ponto e depois recupera. E não tem jeito, as regras fazem a ênfase no treino, enquanto for lucrativo puxar pra guarda, a maioria não vai treinar muito queda, pq sabe que pode puxar ou que será puxado pra guarda.
 

Acho que os dois são tão importantes quantos, saber lutar por cima e por baixo muito bem, dominar independente de onde estiver, tem que haver esse equilíbrio. Mas acho que no início de uma luta, puxar pra guarda tem que ser a estratégia de emergência, não o plano A como é nas competições. Pelo que eu já vi algumas pessoas falando sobre o desenvolvimento da arte, os japoneses começam a desenvolver mais esse puxar pra guarda quando passaram a não conseguir quedar os ocidentais, mais fortes e mais pesados, com base de wrestling. É inegável que em uma luta, a melhor estratégia, a mais segura, é derrubar e ficar por cima. O jiu-jitsu brasileiro tinha que ter maior foco nisso, e as regras tem que incentivar a treinar queda, se não, não vão. Isso é um fato. O mesmo vale para o ataque nas pernas. Se não, vai acabar como o judô, capando a efetividade da arte por causa das regras.      

Como vc citou vi uma entrevista do Rickson  bem antiga aonde ele falava sobre a guarda e que isso faz diferença  entre o jiu jitsu do pai dele e o japonês. 

Ele disse  meu pai era leve 62 quilos e lutava  contra  homens fortes e pesados e na guarda  ele se sentia  confortável..

Vc tem que ver o contexto  histórico  e deu um certo comodismo  dos brasileiros em tudo.

Em 98 um cara doo wrestling  foi btt quanto tempo isso   e não  temps wrestling  no pais são  nada demais  dou o exemplo  do kickboxing  o Brasil  não  tinha respaldo  Internacional  hj vc ver vários  tops  a nível  mundial. 

Pq houve investimento no boxe também  amador hj somos tops só  investir  .

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, NEGO DÁGUA disse:

Como vc citou vi uma entrevista do Rickson  bem antiga aonde ele falava sobre a guarda e que isso faz diferença  entre o jiu jitsu do pai dele e o japonês. 

Ele disse  meu pai era leve 62 quilos e lutava  contra  homens fortes e pesados e na guarda  ele se sentia  confortável..

Vc tem que ver o contexto  histórico  e deu um certo comodismo  dos brasileiros em tudo.

Em 98 um cara doo wrestling  foi btt quanto tempo isso   e não  temps wrestling  no pais são  nada demais  dou o exemplo  do kickboxing  o Brasil  não  tinha respaldo  Internacional  hj vc ver vários  tops  a nível  mundial. 

Pq houve investimento no boxe também  amador hj somos tops só  investir  .

 

 

o ponto é ser completo. Se os dois tem mais ou menos o mesmo peso, a mesma força, a mentalidade tem que ser cair por cima, no caso de ter a diferença de força, como tinha na época e pode acontecer na rua a guarda vai ser fundamental...mas não se puxa pra guarda valendo porrada e no chão duro muito menos mas a tendência neste caso é cair por baixo e ai é ter todo o arsenal pra se defender e finalizar/raspar. tem que ser completo, esta era a mentalidade dos samurais que treinavam o ju jitsu (ou jutsu), a vida deles defendia desta busca pela perfeição, seja no manejo da espada ou no combate corpo a corpo e esta mentalidade pra mim é o que falta com todo este desenrolar do jiu jitsu esportivo. Os Gracie das antigas tinham isto na essência.

Share this post


Link to post
Share on other sites
17 minutos atrás, João P disse:

o ponto é ser completo. Se os dois tem mais ou menos o mesmo peso, a mesma força, a mentalidade tem que ser cair por cima, no caso de ter a diferença de força, como tinha na época e pode acontecer na rua a guarda vai ser fundamental...mas não se puxa pra guarda valendo porrada e no chão duro muito menos mas a tendência neste caso é cair por baixo e ai é ter todo o arsenal pra se defender e finalizar/raspar. tem que ser completo, esta era a mentalidade dos samurais que treinavam o ju jitsu (ou jutsu), a vida deles defendia desta busca pela perfeição, seja no manejo da espada ou no combate corpo a corpo e esta mentalidade pra mim é o que falta com todo este desenrolar do jiu jitsu esportivo. Os Gracie das antigas tinham isto na essência.

Vc viu ufc 1 de 1993 cara sou muito fã  do Hélio  vc viu ele chorando  o cara não  chorava por não  demonstar fraqueza  que dizia que não  amava pq o amor era ser fraco,que somente era fanático  pelo seu trabalho e que queria ter mais 10 filhos para seu legado e cada um deles tivessem mais 10.

Mentalidade ate procriar  de samurai e ele chorou  viu toda sua"loucura" a nível  mundial se realizar. 

Eu digo  não  tinha nada certo  a família  tava ali pra coisa apertasse pro Royce era na teoria menos preparado  e provou a teoria que um homem fraco  venceria  gigantes sem atletismo,sem grandes habilidades.

Royce dentro  das limitações  trocou em pé  não  foi tão  fácil  fechar  a distância  havia preocupação afinal o gordão  do sumo tomou um pau federal do karateca.

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
5 hours ago, João P said:

Na luta eu acredito no que eu coloquei no post acima mas no treino tem que ponderar pq se vc tiver esta mentalidade a tendência é vc não desenvolver a guarda, o jogo por baixo, e ficar incompleto. Falo por mim mesmo, sempre tive esta mentalidade, até por vir do Muay Thai, (sempre foi o meu forte e sempre pensei em jj como jogar por cima) e meu jogo por baixo é uma merda. Tem que achar um equilibrio, de repente ter bastante treinos específicos e no rola deixar o bicho pegar como uma luta...

Concordo, lá no meu caso eu vejo isso muito com menos graduados, os mais graduados tem um jogo mais completo, inclusive os rolas dos graduados e pretas lá são muito bonitos de se ver, enrolação 0, pressão o tempo todo.

Share this post


Link to post
Share on other sites
3 hours ago, Daniel Mendoza said:

Acho que os dois são tão importantes quantos, saber lutar por cima e por baixo muito bem, dominar independente de onde estiver, tem que haver esse equilíbrio. Mas acho que no início de uma luta, puxar pra guarda tem que ser a estratégia de emergência, não o plano A como é nas competições. Pelo que eu já vi algumas pessoas falando sobre o desenvolvimento da arte, os japoneses começam a desenvolver mais esse puxar pra guarda quando passaram a não conseguir quedar os ocidentais, mais fortes e mais pesados, com base de wrestling. É inegável que em uma luta, a melhor estratégia, a mais segura, é derrubar e ficar por cima. O jiu-jitsu brasileiro tinha que ter maior foco nisso, e as regras tem que incentivar a treinar queda, se não, não vão. Isso é um fato. O mesmo vale para o ataque nas pernas. Se não, vai acabar como o judô, capando a efetividade da arte por causa das regras.  

Eu acho que um Jiu-Jitsu com um bom jogo de quedas absorvendo muita coisa do judô seria algo muito bom de se assistir, vejo em campeonatos de Jiu-Jitsu que caras que tem raíz no Judô se saem muito bem com um jogo de quedas muito forte.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now