Luiz Melo

Membros
  • Content Count

    1166
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

0 Neutra

About Luiz Melo

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. Esse cara é bem veloz em pé, além de grande. N sei o gás nem a defesa de quedas, mas em pé acho que tem material pra engrossar o caldo: mão rápidas, bate seco e encaixado. N acho que seja um cara de ocasião. Mas vamos ver aí... vai que é só mais uma vítima. Boto uma fezinha nele.
  2. Eu penso diferente. Vejo vantagem em todos os domínios, n importando muito se derivam de altura ou envergadura. Vc pode n ser tão alto em relação à média da divisão, e, ainda assim, estar em vantagem. É o comparativo entre o Woodley e o Magny. O primeiro é que tem vantagem sobre o segundo. Eu acho que a maior das vantagens, é a da velocidade, explosão, força e gás. Que era o que o Aldo possuia mesmo não sendo alto. Ele era muito mais violento que os demais. E a grande vantagem do Max, pra mim, é a velocidade. Pq a altura n faz dele menos acertável: ele sempre é atingido. Tbm n há desnível de punch, já que ele nem é pegador- vai destruindo o cara aos poucos. Tanto é que ele subiu pra encarar um leve mais baixo, que tbm havia sido pena, e ficou visível a desproporção de pegada entre os dois. Pra mim, o que explica o Max, é combo composto por: velocidade + queixo sinistro + gás + trocação - que é bem particular : um cara que é muito móvel e leve no cage. Um altão que se desloca muito bem, veloz e que tem várias sacadas de boxe. Não acho que o Aldo perdeu por ser mais baixo ou menos físico. Perdeu pq o jogo em pé n casou bem. Antes casava, mas com ele n rolou. Normal.
  3. Tbm vejo assim. Foi a luta mais comedida dele. Não se soltou, n derrubou um cara que tava tropeçando e caindo sozinho. Encurralava e n fazia nada. E n foi pq sentiu a mão pq em nenhum momento balançou. O Marreta , q n tinha nada a ver com isso, fez o dele, e acho até que venceu a luta. Mas que foi a pior luta do Jones, isso foi. Com o Adesanya eu n sei qual seria. O Marreta é bem mais violento, mas o nigeriano é bem mais técnico e preciso. O brasileiro é e muito explosivo e o nigeriano tem um tronco extremamente ágil, e reflexos absurdos. Eu tinha a ideia de que Whitaker era rápido e cara n achou o Adesanya no cage. Uma mão do Marreta dobraria o Adesanya, com certeza. Eu tendo a ir de Adesanya: difícil de achar no cage e de acertar em cheio e na cartopa traz contragolpes mortais.
  4. Veja o outro post, eu rabato isso. N necessariamente vc n enfrenta os melhores. E tbm ocorre do campeão n pegar jogos desfavoráveis. Claro que defender é pior pela pressão da coisa. Eu n discordo. Mas o Ferguson quase varreu a divisão, khabib tbm. N é todo mundo que tem a sequência do Page ou do Charles. N é bem por aí.
  5. Na verdade eu respondi outra parte kkk. Foi relacionado ao lance da dívida histórica e privilégios q vc falou lá no início. Existem problemas nesse sentido: desequilíbrios, assimetrias, pontos de partida diferentes, td isso aí, mas acaba sendo impraticável operar mudanças sem que efeitos colaterais catastróficos apareçam. A busca extrema de igualdade, a tentaiva de correção dos problemas da humanidade através da política sempre gerou problemas. Falei nesse sentido. Por último eu falei que seria muito poder dado a um grupo e que isso entra em conflito com a natureza do homem que é egoísta e corrupta. Vc enche essas pessoas de poderes acreditando que elas vão resolver as questões da sociedade, mas, as primeiras questões dos políticos sempre serão seus próprios interesses. Então, acaba sendo uma visão inocente de nossa natureza, achar que existe uma cúpula de ungidos, pessoas elevadas e desapegadas, que são mais preocupadas com os outros do que com elas. Então, essa política engajada, a ideia do social, e a consequente hipertrofia do estado, sempre conduz à corrupção. Sempre. Foi isso que eu quis dizer. O lance de cortar as pernas do Jones, foi uma comparação que fiz em defesa da meritocracia. Ela existe e os que q questionam n entendem sua natureza. Os lutadores lutam em categorias iguais mas dispõem de valências físicas diferentes, né isso ? Mas o mínimo de isonomia alcançavel existe : que é o limite de peso. Se um vence sempre mesmo jogando nas mesmas condições... n tem o que fazer, as pessoas são desiguais e n teríamos como cortar os braços do Jones por nos ressentirmos com o fato dele sempre ganhar e de lutar em vantagem. A mesma coisa é a sociedade : negros tiveram um histórico mais difícil ? Sim. Tem o lance do cara que nunca precisou trabalhar quando jovem e só deu andamento às posses da famílias ? Sim. Mas n se modifica isso. O máximo de igualdade de condições que é exequível já está em andamento, que é a ideia de isonomia, a mesma leia aplicada a todos, a n existência de distinções legais etc. É o máximo que se pode fazer. Os privilégios que vc fala são acidentais e aleatórios: n dá pra alterá-losz - seria como tentar arrancar uma perna do Boult pq ele trve o privilégio dr nascer mais rápido que os outros. Tentar corrigir essas coisas na marra gera efeitos severos.
  6. Eu não falei isso aí. Vc extrapolou a conclusão. O que que eu quis dizer, é que, em alguns casos, quem escala a categoria, fatalmente pega os melhores da divisão, e, no final das contas, acaba ficando elas por elas. Vc faz parecer que numa sequência de 10 vitórias o cara só pega frango ou lutadores intermediários. Agora, diz aí: e o Khabib ? Bateu vários tops da divisão antes de se tornar campeão: rda, barbosa, Jhonson, etc. Como campeão tem apenas duas defesas. Ou seja, sua chegada no título foi bem tardia e ele deu uma boa limpada na categoria até chegar lá. Só restam duas lutas pra varrer divisão(Gaethje e Ferguson.) O mesmo vale pra o Ferguson, que só n lutou com o Khabib, com o Poirier, e com o Gaethje. Então, o Ferguson vindo a ser campeão e defendendo a cinta três vezes: tbm seria uma heresia compará-lo ao Aldo? Manter-se como campeão é mais difícil. Concordo. Mas muitas vezes, no trajeto até o cinturão, o lutador acaba lidando com jogos q n encaixam e tendo a vida dificultada. Por ex, dos piores jogos pra o khabib, em teoria, seria o Lee, que muito provavelmente n disputará o cinturão. Então, no final das contas, tendo uma sequência longa até o cinturão, o lutador será exposto da mesma forma. Veja o Jacaré, que por pouco perdeu o timing de disputar o título, era posto como o campeão moral da divisão, e de tanto ter sua chance postergada, acabou perdendo. E a prova cabal de que a sequência do Holloway até chegar à cinta tem grande valor, é o fato de q, na condição de campeão, ele continua atropelando a galera. Vc leva a discussão pra um lugar estranho, faz parecer que essa linha de pensamento minimiza a importância do brasileiro ou que o reduz à merda. N exagera. Aldo continua maior. Mas sequências de caras como Ferguson e Max tbm merecem muito crédito.
  7. O ponto n chega a ser esse. Imaagine que o Anderson tivesse que ter escalado a divisão até chegar ao título - algo semelhante ao q rolou com o Max , Khabib, e Ferguson. Aí imagine que só lá pela décima primeira luta ele pegasse a cinta. Teria umas 5 ou 6 defesas a menos. Seus feitos seriam menores ? Agora pegue o Adesanya que nunca perdeu, e imagine que ele fizesse a primeira luta no evento e ja fosse pra o cinturão. Quantas defesas teria ? Ele seria muito maior por ter defendido mais ? N é o caso em questão aqui. Só estou querendo mostrar que há um complicador na parada. O Aldo fez 3 lutas e foi pra o cinturão, salvo engano - n me chame de desonesto caso eu trnha me equivocado, estou falando de cabeça kkk- e o Max precisou fazer uma caralhada. E se, em sua sequência, que é das maiores da história, já na terceira ele fosse campeão e seguisse defendendo até agora, o peso seria outro ? Então, esse critério de defesas de cinturão posto como o resolvedor da questão, pra mim, n é terminante - a depender do contexto.
  8. Songa, seu raciocínio identifica o problema mas desconsidera o que é primordial: o que de fato é exequível nisso tudo. Pq, veja só : É certo que pessoas partem de pontos diferentes, que a história é ingrata pra uns, e que o precedente conduz a certos resultados- n chega a haver fatalismo, mas há forte correlação. Isso é incontestável. Ocorre que esse tipo de reajuste é incompatível com a capacidade efetiva de ação do homem. E extrapola o poder da política - que acaba sendo tratada como uma versão secularizada da boa nova cristã. Não se operaria tamanha mudança sem que consequências brutais surgissem, que poriam em perigo a própria existência da sociedade. A História é testemunha disso. Pegue a Revolução Francesa, Russa, o Comunismo Soviético etc.... todos partiram da mesma premissa altruísta, do paraíso levado a efeito pela política, e os resultados foram catastróficos. O que vc taxa de privilégios, infelizmente, faz parte do que podemos chamar de privilégios acidentais: Existem, mas são componentes impassíveis de mudança. Seria como exigir que cortassem as pernas e braços do Jon Jones pq ele é muito maior que os outros e pq sempre vence. Imagine que lhe dessem algo pra limitar o gás e a força, na tentativa de equilibrar a desproporção que existe. Bizarro, não ? O máximo que se pode exigir em termos de igualdade, é o respeito dos limites de peso da categoria. Os potenciais físicos de cada um n entram. E aí fazemos um paralelo com a sociedade: sendo impraticável a ideia de reparação histórica, ou de reconfiguração das relações sociais com base nas abstrações de igualdade, o que pode ser feito é criar um ambiente de respeito às leis e isonomia. Por último, vc desconsidera a ideia de insuficiência humana, do egoísmo innstrínceso e nosso pendor corrupto. Emprrender mudanças dessa escala demandaria a entrega de muito poder a pessoas. E, enquanto humanos, somos instáveis, egoístas e potencialmente corruptos - dispondo de tanto poder, não tenha dúvidas de que a satisfação dos próprios interesses sobreporia os da coletividade. Sempre assim. Por isso que a ideia é conter a hipertrofia e os arroubos totalitários do Estado, o que é invariavelmente conducente à corrupção, e deixar que o jogo seja jogado.
  9. Meu Deus, que bíblia ?????
  10. Não vejo por aí. Acho que essa ideia determinista de sucesso relacionado à altura acaba enganando a gente. Pq, veja: Se fosse assim, o Vick seria campeão- ou o Hooker. Temos o Magny, Cowboy brasileiro e tantos outros caras grandes que nunca serão campeões. Por ex, o Holloway perdeu pra caras mais baixos. Acho que adotamos uma noção apenas " vertical" de superioridade, desprezando valências q são bem mais importantes do que a altura sozinha: explosão, velocidade, força, gás. Por ex, Woodley era mais baixo que o Thompson, mas superior em todos esses aspectos( exceto no gás) Paralelo q tbm pode ser feito com o Till. Quem entrou com a vantagem física neses dois casos ? Então, n acho que a coisa se restrinja à altura. Khabib nem é tão alto, mas parece que engoliu um casco de tartaruga: o cara é muito largo e parrudo pra divisão, e essa desnivelamento de físicos se manifesta na luta: parece um meio médio lutando com um leve. É flagrante o desequilíbrio de força. Indo mais além, o próprio Demian, em algum nível, acaba se valendo da superioridade de força pra empregar seu jogo: além de ser alto pra divisão, tem muita força naquele peso já que é um médio que desceu. Pra mim, Aldo sempre foi o mais fisico da divisão, o mais arisco, explosivo e violento. E nem falo isso tentando minimizar os feitos - até pq isso tbm se aplica ao Jones e a todos os caras dominantes. Aldo ainda é muito forte pra divisão - tanto é q os wrestlers mais sinistros da divisão n chegaram e continuam n chegando perto de derrubá-lo( sim, tem dedo de força e explosão nas defesas de queda desses caras que n caem de jeito nenhum. Veja o tamanho do Aldo em relação ao Faber. Teve o Florian q era mais alto, mas q era bem mais lento. Aldo tava maior( na musculatura) que o Stephens que era leve. Veja o estado em que ele bate o peso. Enfim... Vc pega o outro cara, o Anderson, e nota que até hj ele é grande pra divisão. Mas, pra os padrões de hj, pela idade que tem, e pela evolução natural da divisão, é lento, daí as derrotas. GSP entrava na luta parecendo um fisiculturista: imparável nas quedas. Se continuasse lutando hj, ainda seria dos mais físicos da divisão. Eu acho que toda superioridade que é contínua- a desses caras que reinam- , se assenta na vantagem fisica. São coisas insepráveis. Os maiores foram o q foram exatamente pq dispuseram de um aparato físico acima da média: Tyson tinha uma explosão descomunal, mesmo sendo baixo - então, era ele que entrava tendo vantagem. Floyd nunca foi dos mais altos, mas era incrívelmente veloz( o mais veloz da época.) Pacquiao n é alto, a envergadura é péssima, mas compensa sendo muito mais rápido que os demais. Então, no fim das contas, esse nosso desejo de igualdade é meio que irreal. Se formos reparar bem, os mais físicos de hj surgem pra substituir os mais físicos de ontem. Essa é a dinâmica da coisa. O que eu acho que acontece, na verdade, é um aumento de valências físicas como um todo na divisão. O cara que ta reinando há muito tempo, fatalmente pegará a mudança de nível, que as vezes acontece do nada .Veja o caso do Bendo, que passou de um dos maiores leves de todos os tempos a um cara comum e n tão grande pra divisão. Pior ainda o caso do Edgar. Com o Anderson demorou, mas quando veio... Ah, e sobre o Conor: historicamente ele sempre foi pena. Tinha feito dos lutas nos leves em 12, se n me engano. Concordo q ele é um pena gigante, mas um leve normal. Ele bateu 76 kg contra o Diaz, e na pesagem tava meio bochechudinho e retido. Um cara que é gigante n bateria 76 kg com sinais de músculo cheio. O própro Max qd subiu,mesmo na pesagem, tava mais bochechudo- sinal de uma desidratação n tão severa, o q significa q o peso natural do cara n está tão distante do limite da categoria. Então, eu n vejo essa superioridade física do Max em relação ao Aldo. Vejo mais um desalinho de jogos, de gás e de absorção, principalmente - o que a galera n aguentava do Aldo, o Max suportou de boas.
  11. Tbm acho. Ele devia ter uma abordagem menks dependente do golpe perfeito. Ter uma pegada Masvidal, pelo menos um pouco. Pq a tendência é que a mão seja cantada pela galera, e q na ausência do golpe certo ele vá se frustrando e apanhando. Por ex, o Thompson, é igualmente sinistro, sem o toque da morte e a precisão, mas é ofensor e contragolpeador. N tem essa com ele. Mão muito ativa. Vários combos. Se n rolar o golpe certo, ele vai lutando na manha e conectando seus golpes sem se frustrar.
  12. Pra terminar: resposta final que talvez iniba discussões futuras. Nunca se é plenamente imparcial. Eu sou parcial mesmo. Todos somos. O que tento, é dar sentido às minhas simpatias pra q o gosto n seja injustificado(ou apenas justificado pela nacionalidade, ou por algum outro coletivismo) , e pra q eu n acabe seguindo a correnteza, abraçando consensos de maneira acritíca enquanto me desapego de minha autonomia de julgamento. N tem nada de ser do contra nisso daí. A ideia de que a nacionalidade condiciona minhas simpatias me incomoda mesmo. Eu sigo firme nas minhas preferências. Se o estilo dos brasileiros n se encaixam nos meus gostos, n vou admirar os brasileiros pq pega bem pra galera. N falo nem penso em nome da nação, nem em nome de quem venceu o Pride ou o WEC. Em relação ao Aldo, n está entre os meus preferidos, pelo estilo- escola de striking. Isso significa dizer que ele é ruim ? Seria uma heresia. O cara é sinistro. N é o q mais me enche os olhos mas é dos melhores- tanto é que n perco uma luta sua. Os feitos são inquestionáveis. Com certeza está entre os 5 ou 6 maiores da história. Mas, mais uma vez: eu n uso a matemática ou a nacionalidade pra direcionar minha percepção de talento. Thomspon, por ex, pra mim, é muito mais talentoso, distinto, técnico que o Shogun. N entro no mérito do que ganhou cada um ganhou; pq um defendeu a cinta 300 vezes, logo é muito mais talentoso. N tenho uma visão determinista de talento. No fim das contas, o que vc acha que é antipatia, oposição aos brasileiros por birra ou pra soar diferentão, na verdade, é uma n simpatia pelo estilo de luta prevalente entre os nossos. Apenas isso. Adoraria que surgisse por aqui outro Anderson, um Adesanya da vida... Da minha parte, discussão ta encerrada.
  13. Ja começou errado. Eu falei do UFC e vc de novo invocando o WEC. Meu argumento se atém ao UFC, comparo o comportamento e as performances de ambos no UFC. E o Max leva a melhor. Meu paralelo diz respeito à burocarcia-parcial do Aldo- parcial pq em algumas lutas ele apertou o passo - vs incisividade do Hollway. E aí, qualquer q seja a proporção, falando em nocautes, sequência, e performances( no UFC) o Aldo estará atrás. E outra, ta se equivocando novamente: por má fé, pelo ímpeto de discordar; mal estar por estarem falando de seu querido: sabe-se lá o motivo. Eu apenas lembre que eu iniciei o primeiro post dizendo que Aldo ainda era maior - no outro post, endossei já prevendo que a minha posição seria recebida assim. Dito e certo: vc me vem com essa fala boba e irratadiça só pq alguém ousou falar algo sobre seu ídolo, algo q n se conforma a sua visão de " meu ídolo é o melhor ". Ando xingando e depreciando o atleta o tempo todo, né ? Esse papo de hater n cola, cara.
  14. Excelente. Pq isso n deveria contar ou ter menor valor? Como vc levantou : ter 7 defesas de cinturão e 4 derrotas torna a pessoa muito maior que alguém com 17 vitórias 4 derrotas três defesas de cinturão ?