beta

Membros
  • Content Count

    91
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

0 Neutra

1 Follower

About beta

  1. COM CERTEZA ELE MERECE MAIS UMA CHANCE SIM ,GRANDE ATLETA MAIS TODO MUNDO SABE QUE NA LUTA CONTRA O BEICAO FOI O MAIOR GARFO NO GP DO EVENTO WORLD SERIES NA HOLANDA, ATE O SITE DO SHERDOG NOTIFICOU ISSO , MAIS NAO DEIXA DE MERECER OUTRA CHANCE NO UFC
  2. ontem fui ao evento do wocs e infelizmente nao teve a luta principal por falta de profissionalismo de gugu besouro http://www.tatame.com.br/luiz-henrique-klb-derrota-danilo-souza-na-luta-principal-do-wocs-35-no-rio-de-janeiro/ http://www.tatame.com.br/gugu-besouro-nao-bate-peso-para-encarar-luis-beicao-e-luta-pelo-titulo-e-cancelada/ me senti lesionado pelo evento
  3. conversando com luis beicao fui informado que ele foi cortado do ufc ,e que tera volta dps de algumas vitorias ,ele falou comigo que ja sabia que poderia ser cortado ,mais ficou um pouco chateado com as lutas ,a primeira nao teve tempo de nada ,e a segunda com mudanca de adversario quase em cima da hora e seu treinamento ,mais que faz parte desejo toda a sorte do mundo a ele ,gente super humilde ,e uma excelente pessoa
  4. Inicialmente preparado para encarar Matt Riddle, em dezembro de 2011, Luis Ramos “Beição” teve sua luta cancelada devido a uma lesão do seu adversário. Agora, o atleta brasileiro vai enfrentar Matt Brown, dia 22 de junho, no UFC on FX 4. O peso meio médio, em entrevista à TATAME, confidenciou como anda sua preparação para o combate diante do americano, garantido estar treinando como nunca fez na vida. “Estava me preparando para o Matt Riddle, só que não sei o que aconteceu com ele. Ele teve uma lesão e saiu, foi o que me passaram, não falaram mais nada. Mas, não estou nem me importando com quem eles colocaram. Tipo assim, você se importa pra ver se muda alguma coisa da tática ou não. Botaram o Matt Brown, que é um cara que está vindo aí. Minha preparação está sendo ótima. Estou fazendo uma preparação que eu nunca fiz”. Ao ser perguntado se conhecia Beição, Matt Brown revelou que não sabia quem era o seu adversário. Questionado sobre essa declaração, o brasileiro fugiu da polêmica. “Na verdade, ele não me conhece, mas não tiro nem por um lado pessoal. Estou chegando agora no Ultimate e ele é um cara bem mais rodado, não é nada demais, mas é um veterano do UFC e faz boas apresentações. Analisando de fora, eu entendo o que ele está falando: ele realmente não me conhece. Eu sou ex-campeão mundial do Shooto, estou vindo de eventos menores, em comparação ao Ultimate. Agora eles me deram uma oportunidade maior porque eu pude treinar bastante. Tudo bem, não diretamente para o Matt Brown, mas para eu estar treinado comigo mesmo. Ele falou que não me conhece, mas realmente agora ele vai me conhecer”. Sobre sua estratégia para a peleja, Beição garantiu que sua prioridade é tentar um nocaute ou uma finalização, já que não pretende deixar a decisão nas mãos dos juízes, que ultimamente têm cometidos erros e já receberam um puxão de orelha do chefão do UFC, Dana White. “A minha estratégia é tentar buscar o nocaute. Estou treinando bastante pra isso. Mas às vezes a gente quer buscar uma coisa, mas pode sair outra. Você está em busca de um resultado, mas de repente pode sair uma finalização ou por pontos. Eu não quero deixar nada nas mãos dos juízes, isso já está na minha cabeça. O Dedé monta a minha estratégia e está focado nisso. Como vou lutar na América, os juízes de lá são malucos. Quero ficar bem no evento, então meu foco é só buscar nocaute ou finalização e o principal: fazer uma boa luta”. Mostrando bom humor ao falar do seu plano de jogo, Luis Ramos garantiu que não vai ser suicida, mas que pretende mostrar agressividade. “Lógico que a minha tática não é suicida, mas, pra perder de meia bomba, perde logo de outra forma. Estou treinando bastante Boxe, Muay Thai pra buscar esse nocaute de toda forma. No Jiu-Jitsu, estou muito bem assessorado. Agora é finalização. Se eu botar pra baixo e pegar, é a finalização. Se ficar em pé, vou buscar o nocaute (risos)”. Vindo de derrota na sua estreia do Ultimate para Erick Silva, no UFC Rio, o meio médio sabe da importância que uma vitória tem para se manter na organização. Dessa maneira, o brasileiro confidenciou que vem se privando de um dos seus maiores prazeres na vida: ficar os fins de semana com sua filha. “A gente está treinando, se dedicando, estou abdicando de várias coisas da minha vida. Uma das principais é abrir mão de ficar os fins de semana com a minha filha, que pra mim não tem coisa mais gratificante do que ficar com ela, e na hora o Brown vai ver isso. Ele vai conhecer o Beição no Ultimate. Estou focado, a minha meta está traçada. Domingo agora eu viajo e a minha cabeça está só voltada para ele e para a luta”. Tatame sera uma boa luta esperamos ,boa sorte
  5. http://sportv.globo.com/platb/sensei/2012/02/11/beicao-faz-campanha-para-encarar-matt-riddle-no-ufc/comment-page-0/#comment-11553 tomara que role essa luta msm na torcida do beicao oooooooooosssssssssssssssssssssssssssssssss
  6. Luis Beição diz que derrota aumenta sua gana segunda-feira, 29 de agosto de 2011 - 17:27:58 Por Marcelo Barone Foto Guilherme Cruz Luis Beição, assim como grande parte dos lutadores de MMA, sonhava em fazer parte do cast de atletas do UFC. Convidado às pressas para substituir Mike Swick, adversário de Erick Silva, no UFC Rio, aceitou o desafio faltando 20 dias para o evento. Com menos de um minuto de combate, foi atropelado pelo compatriota, mas, em entrevista à TATAME, afirmou que o duelo já faz parte do passado. "Comecei bem a luta. Ele conectou um bom golpe, certinho. Não tem o que falar, parabéns a ele. Como foi nocaute técnico fico suspenso automaticamente por 45 dias. Estou ‘benzão’, não me machuquei e dormi com a minha filhinha. A próxima luta vai ser diferente. Consegui realizar o meu sonho, mas não da forma que queria. Estou com a cabeça boa, para frente. Na próxima luta, que ainda não tem data para acontecer, espero fazer um showzão, com tempo hábil para estar em forma. A derrota não me desanimou nem um pouco. Ela dá mais força para que eu vá com mais gana", afirmou o casca-grossa, que elegeu a polêmica derrota para Roan Jucão e a para Pedro Iriê como mais amargas que a do Ultimate. Apesar de dar os méritos da vitória para o capixaba Erick Silva, o atleta da Nova União acredita que o pouco tempo que teve para treinar o atrapalhou. Mesmo assim, ressalta que não se arrepende. "Fiquei sabendo da luta 20 dias antes do evento. Tive que focar mais em perder peso do que no treinamento. Foram quatro dias fazendo exames médicos para o Ultimate. O tempo restante corri atrás para melhorar. O importante é que tentei. Faria tudo de novo. Se fosse outro evento não aceitaria o convite, mas meu sonho era estar no UFC e ainda estou, não tinha como negar. Agora com certeza vou ter mais tempo para treinar e me focar", frisou Beição, que tem mais um combate previsto em seu contrato com a franquia. O atleta do Rio de Janeiro revelou ainda o que disse ao juiz logo após ser nocauteado. "O golpe pegou, mas não me apagou. Fiquei meio tonto mesmo, mas falei ao árbitro que ele poderia ter continuado a luta. O juiz achou melhor parar, então tem que respeitar e ponto. Eu falar aqui é uma coisa, mas cada pessoa tem a sua visão. A vontade do lutador é de sempre querer continuar, mas faz parte, não me abalei. Na hora fiquei muito triste, mas domingo minha cabeça já estava mudada. Agora é bola para frente".
  7. Beição vence dois na mesma noite e fatura GP do WOCS Gleidson Venga - de Campo Grande (MS) Luis Beição foi o grande destaque da 11ª edição do WOCS, realizada nesta sexta-feira, em Campo Grande (MS). O lutador da Nova União passou por dois adversários e faturou o título do torneio até 77kg do show, que empolgou o público que assistiu o evento ao vivo na capital sul-matogrossense ou pela tevê, através do canal Combate. GP até 77kg coroa Luis Beição Luis Beição contra Tico Pedroso e Mauro Xuxa contra André Chatuba. Após sorteados os confrontos, na pesagem oficial dos atletas, era difícil prever um favorito. O mais perto disso, talvez, era apontar os cabeças de chaves do torneio, Beição e Chatuba, com ligeira vantagem. Mas não foi exatamente isso que aconteceu. Beição abriu a noite enfrentando o striker curitibano Tico Pedroso, e começou aceitando a troca franca. O atleta da Nova União, porém, garantiu a vitória levando a luta para o chão, aumentando seu domínio e vencendo na decisão dos jurados. Já Chatuba foi surpreendido pelo excelente Mauro Xuxa. Logo no início da luta, Chatuba conseguiu derrubar seu adversário e dava a impressão de que levaria vantagem na disputa, mas, logo no minuto inicial, ao tentar atacar Xuxa de dentro da guarda, acabou sendo pego em um perfeito armlock, obrigando-o a desistir do combate com 1m29s. Na final, após descansarem durante as seis lutas casadas que faziam parte do evento, Beição e Xuxa fizeram o aguardado combate pelo título. E não decepcionaram. Desde o início, Beição imprimiu um ritmo melhor, encaixando os melhores golpes, aplicando boas quedas e dominando a luta de solo. Xuxa passou a sentir o gás e, exausto, não conseguiu voltar para o terceiro round, desistindo do combate. Campeão, Beição comemorou. “Sabia que só iria ter luta dura neste evento, por isso treinei muito. Estou muito feliz com esse título
  8. Desde a sua criação em 1985, Shooto forneceu um relato abrangente e desportivas das artes marciais mistas. No entanto, a reputação eo legado são parte de um debate de bastidores aquecida circundando o mundo do Shooto. Recentemente, o ex-campeão do Shooto mundo Noboru Asahi levou a carga em sacudir o regime Shooto. Uma petição recente de Asahi - assinada e apoiada por vários combatentes Shooto e líderes de ginásio - investiga as operações financeiras do Shooto japonês Associação Internacional Shooto Comissão eo papel de um dos seus principais membros, Taro Wakabayashi, nos assuntos . De acordo com a Asahi, a necessidade desta petição surgiu devido a preocupações de controlo oficial Wakabayashi é autocrático sobre a associação e as suas finanças não-públicas. Com um sistema de multi-camadas amadores e profissionais em vigor, tanto no Japão e no mundo, Shooto sempre se orgulhou em construir caças a partir do zero. É um sentimento inerente aos dois caracteres kanji que compõem o nome do Shooto si, ou seja, "aprender o combate." Seus responsáveis, lutadores e fãs Shooto vista não como uma promoção, mas como seu próprio esporte. Shooto é, portanto, regido pelas associações regionais e uma comissão de supervisão internacional composto por pioneiros Shooto e os funcionários que operam o seu circuito amador, licença de amador e lutadores profissionais e cooperar com promotores independentes para realizar eventos sancionados Shooto. Seu objetivo é dar transparência profissional em nome do desporto. O Asahi dirigido e opinativo conseguiu o apoio para trazer grandes mudanças para Shooto e seu corpo diretivo. Líder do ginásio Tokyo Yellow Mans e treinador dos dois alum UFC Yoshiyuki Yoshida Shooto e veterano Hiroshi Nakamura, Asahi foi um defensor activo no Shooto Japão, apesar de não ser uma parte oficial do que nos últimos sete anos. Asahi foi retirado do Shooto japonês Association (ACC) em agosto de 2003, devido ao que ele alega eram suas opiniões fortes que Shooto necessários para co-promoção com promoções companheiros de base, tais como Pancrase e profunda; Shooto tinha uma rivalidade de longa data com a antiga até 2009, devido às suas origens no wrestling profissional e questões sobre a legitimidade de algumas das séries iniciais do Pancrase. Até recentemente, a ACC sustentou que qualquer Shootor licenciados que competiu no Pancrase teria sua licença revogada, enquanto Pancrase forçado concorrentes que treinaram fora das instalações oficiais Shooto usar pseudônimos para suas academias no material oficial de imprensa do Pancrase. Familiarizados com a política Shooto, Asahi já se adiantou para desafiar Wakabayashi e investigar livros Shooto de equilíbrio. "Estive fora da associação há quase oito anos, mas estou de pé agora, porque os outros no Shooto têm vindo a mim por anos, contando-me sobre os problemas e pedindo ajuda", disse ele. "Eles me dizem que eu sou o único que pode falar com Wakabayashi sobre isso." alegação principal da petição é a fraude financeira por parte de Wakabayashi. Até janeiro, a posição oficial Wakabayashi na Associação Shooto foi como "presidente para a disseminação do sistema [shooto] amador." Não é uma posição executiva do projeto, nem uma posição projetada para lidar com as finanças do Shooto. No entanto, líderes de ginásio Shooto que participaram em reuniões de associações distinguir Wakabayashi como sendo responsável por todas as facetas das operações Shooto, incluindo a gestão do dinheiro do Shooto. "Na tentativa de justificar a conversão dos fundos da associação em propriedade privada, Wakabayashi fechou as vozes daqueles que o cercam", afirmou Yoshihiko rodagem Ginásio Hakkei de Watanabe. "Temos solicitado, principalmente através de Asahi, que Wakabayashi explicar estas questões para nós, mas Wakabayashi tem permanecido em silêncio do começo ao fim. Temos, assim, o dispensou da associação. " Em 1992, um Wakabayashi 27 anos, deixou seu trabalho na publicidade japonesa Dentsu empresa Tec para se tornar um membro do pessoal dos Anéis Akira Maeda Fighting Network e, posteriormente, K-1 em sua infância. Em 1994, ele entrou no mundo do Shooto como casamenteiro e passou a se tornar a força motriz por trás de seu sistema global de amador, bem como servir como um árbitro e um juiz. pedidos Sherdog.com 's para comentário de Wakabayashi ficaram sem resposta, como as tentativas de funcionários do Shooto para manter contato com ele. No entanto, um de seus amigos íntimos, a lenda Shooto e ex-154-pound campeão mundial de Yuki Nakai, continuou a falar em seu nome. "Em primeiro lugar, a suposição de que Wakabayashi foi desviar fundos para seu uso pessoal é actualmente ainda não comprovados", disse Nakai. De acordo com Nakai, com base em consulta com o escritório do Japão fiscais nacionais, a Associação Shooto japonês não é um órgão formal e legalmente reconhecida corporativos pelo governo japonês. Como resultado, não tem legalmente reconhecido, estatuto social ou estatutos, deixando assim a responsabilidade financeira e aos direitos de seu líder nominal. Por padrão, o que o líder durante a última década tem sido Wakabayashi, o título de chefe Shooto amador, não obstante. Assim, ou não Wakabayashi apropriou dos fundos do salário Shooto, Nakai afirma a administração fiscal nacional só se preocupa com a devida comunicação destas receitas que ele pode recolher seus impostos, independentemente de quem afirma que a receita. "A administração fiscal nacional exige que quem recebeu dinheiro para relatar suas receitas de negócios nos próximos cinco anos. Há uma possibilidade de que isso possa ter sido feito ", disse Nakai. Embora a lei não se preocupa com onde vai o dinheiro, desde que recolhe seus impostos, a noção de que Wakabayashi pode ter maltratado fundos Shooto continua a ser um ponto de discórdia para a comunidade Shooto. Além disso, se Wakabayashi legalmente poderia actividade financeira máscara Shooto é inconteste também destaca uma outra questão polêmica: o que é suposto ser a sua autoridade total sobre o que é, em teoria, uma empresa da comunidade. Este ponto foi um tema quente entre a comunidade tight-knit Japão de Shootors na região de Kanto. Kanto é o lar de diversas prefeituras e da capital Tóquio, onde grande parte do governo japonês, a indústria ea cultura moderna são focados, MMA incluído. A petição, portanto, reflete uma pesada Kanto baseado contingente de Shootors e líderes de ginásio, como Norifumi "Kid" Yamamoto, Takanori Gomi, Hayato "Mach" Sakurai, Shinichi "BJ" Kojima, Katsumura Shuichiro e Nishiura Akiyo "Wicky". Talvez o mais profundo, a petição também tem a assinatura do maior ícone Shooto e herói residente, Rumina Sato. Outra Shootor famoso, o ex-Shooto 168 quilos campeão mundial de Sakurai, foi sincero em sua opinião da associação Shooto Wakabayashi era. "Os membros da associação foram horríveis, e eles não foram capazes de mostrar claramente como o dinheiro fluiu. Também foi terrível que a associação cabeça [Wakabayashi] usou o dinheiro sem que mostram claramente como ou por que ele fez isso ", disse Sakurai. "Quando se separou do Shooto Satoru Sayama, Shootors veterano criado um novo sistema com Wakabayashi como seu chefe de planejamento", disse outro ex-campeão mundial Shooto, ginásio Gutsman líder Naoki Sakurada. "Como a associação Shooto cresceu, no entanto, nunca desenvolveram protocolos oficiais e Wakabayashi conseguiu Shooto com autoridade total para quase 10 anos. Uma comunidade de membros descontentes Shooto cresceu como resultado. " Ao compilar assinaturas para a petição, a Asahi viajou por todo o Japão, de agosto a dezembro de 2010. Coleta de assinaturas na região de Kanto de uma comunidade Shooto descontentes era bastante simples, mas enquanto ele encontrou muitos que fora acordado com a petição, a recolha das assinaturas foi muito mais difícil. "Foi difícil para as pessoas fora da região de Kanto para assinar porque é mais difícil para eles perceberem o que está acontecendo aqui. Eles não estão sempre fora de estar bem informado de Kanto ", explica Asahi. "Algumas pessoas fora de Kanto me disse que eles acreditam no que estamos fazendo aqui, mas que não queria assinar por medo de ficar em apuros. Para muitos deles, Wakabayashi é como Deus ". Ladeado por Sato e Watanabe em 23 de dezembro, a Asahi ea empresa entregou pessoalmente o pedido para abrir as finanças Shooto para Wakabayashi no Torneio de Abertura Shooto Amador East Japan, em Tóquio. Um vídeo postado no YouTube por um espectador documentos do evento e mostra Wakabayashi responder a Asahi com um dedo médio. As conseqüências posteriores podem ter resultado em Wakabayashi ser removido de sua posição e aliviado do imposto sobre o 28 de dezembro. Embora as informações a respeito das finanças Shooto ao longo dos anos não foi disponibilizado, mesmo após a remoção Wakabayashi, o Asahi e companhia foram capazes de descobrir quanto dinheiro a conta bancária associação contidos em uma reunião da associação 10 de janeiro de emergência. "As únicas pessoas que podem verificar a conta bancária da associação são Wakabayashi e Nakai. A conta está em nome de Wakabayashi como "Taro Wakabayashi:. Shooto Associação" Na reunião de última associação, quando pedimos Nakai quanto dinheiro nós temos, ele nos disse ¥ 200.000 (aproximadamente US $ 2.400). Isso foi logo depois do Torneio do Japão Oriente Amador, que deveria ter trazido um adicional de ¥ 500.000 (aproximadamente US $ 6.000) ", disse o Asahi. Como co-fundador e co-proprietário da cadeia mais prolíficos do Japão de escolas de jiu-jítsu brasileiro, a filiação a longo prazo Paraestra, afirma Asahi Nakai e Wakabayashi como parceiros de negócios permite Nakai acesso aos documentos Wakabayashi de negócios - os documentos que a Asahi ea empresa tem sido empurrando para ser tornada pública. Depois Nakai divulgadas a quantidade de dinheiro na conta do Shooto, Asahi e os peticionários foram apanhados de surpresa, como o total era muito menos do que eles esperava. "Segundo nossas estimativas, deve Shooto lucro em pelo menos 2.000.000 de ienes (24.000 dólares) por ano. Há um monte de dinheiro que não pode ser contabilizado uma vez que muitos dos que vem em como o dinheiro. Onde tudo isso vai? "Asahi pediu. Na sequência da demissão de Wakabayashi, o então presidente da Associação Nakai pediu desculpas à comunidade Shooto por não ter examinado Wakabayashi ações mais de perto, oferecendo a sua demissão na reunião de 10 de janeiro. Apesar de mostrar uma vontade de ajudar, Nakai também abandonou a responsabilidade de Asahi e empresa para estudos mais aprofundados sobre as finanças do Shooto. No entanto, de acordo com a Asahi, Nakai não está ajudando o inquérito, tanto quanto podia. "Dissemos a ele que estávamos indo para o escritório fiscal nacional para saber mais, e ele estranhamente responde: 'Muito obrigado'", disse o Asahi, incrédulo. "Eu não entendo o porquê. O ponto é que ele nos ajude, porque ele é a única outra pessoa além de Wakabayashi que pode. Depois de ouvir isso, Watanabe e pedi uns aos outros, "O que podemos fazer agora? '" "É a opinião de um dos advogados [Wakabayashi] consultadas que, na medida em que a associação [legalmente] significa, no momento, não há razão para abrir os seus registros para um terceiro. É talvez melhor que olhar para a lei de algum tipo de resolução ", disse Nakai. Embora não haja pressão de fora da comunidade Shooto Wakabayashi convincente para virar seus registros, a responsabilidade recairá sobre Paraestra Nakai e na próxima reunião da associação, de acordo com a Asahi. Caso Nakai relutantes ou incapazes de produzir os registros, no entanto, não há muito mais a comunidade pode fazer, fora de remover ou bloquear todo o pessoal Paraestra da associação. A menos que a administração fiscal nacional intervém com a sua própria investigação, a história financeira da associação não pode nunca ser conhecida. "Ninguém sabe onde foi o dinheiro, e ninguém está dizendo nada. Wakabayashi não está de pé por si mesmo, e, a administração fiscal não tem idéia [sobre isso] porque ninguém tem certeza se ele paga impostos ", disse Enson Inoue, outro ex-campeão mundial Shooto. Em meio a esse turbilhão, a ACC tem tido seu gabinete dissolvida, abrindo caminho para uma associação recém-eleito em vigor em abril. De acordo com a Asahi, a criação da nova associação irá servir como membros pela primeira vez será votado pela comunidade no Shooto, ao invés de arbitrariamente escolhidos e nomeados pelo Wakabayashi. "A transparência é a coisa mais importante para as pessoas que assinaram esta petição", disse o Asahi. "Eu vi e esteve envolvido em outros esportes, transparência e contabilidade precisa são absolutamente essenciais para a operação. Se tudo continua a ser tão vago como tem sido ao longo dos anos, Shooto não pode sobreviver. Estamos fazendo isso em benefício do futuro do Shooto. " É um sentimento e objetivo com o qual concorda Nakai. "Trazer a transparência da operação fiscais e relatórios financeiros da associação é uma coisa natural e certa a fazer. Apesar de não cobrar taxas de participação das academias de oficiais Shooto, continuamos a cobrar taxas de participação dos candidatos Shooto amador e, portanto, ter traído a sua confiança coletiva. Não há realmente nenhuma desculpa para isso ", disse Nakai. "Acho que estávamos todos muito envolvidos na operação do Shooto como um esporte. Em junho passado, quando fui convidado para ser o presidente da associação, eu pensei que seria a oportunidade perfeita para finalmente alcançar essas metas, mas apenas como estávamos prestes a fazer progressos, essas questões veio à tona. " Apesar das alegações, Wakabayashi é uma figura difícil para muitos na comunidade Shooto por causa de seu enorme sucesso na promoção do sistema muito mais celebrada do Shooto amador em todas as 47 províncias japonesas e para além dela. "Mesmo que o título era simplesmente um presidente para a disseminação do sistema de amador, praticamente sozinha, geriu a operação de assuntos e negócios do Shooto amador", disse Nakai. Viajando 365 dias por ano para todos os cantos do Japão para coordenar torneios amadores, Wakabayashi era um exército de um homem que mobilizou gerações de jovens japoneses para prosseguir Shooto amador na esperança de um dia tornar-se licenciado lutadores profissionais e, eventualmente, estrelas do mundo maiores promoções. Em outubro passado, os 45 anos de idade workaholic Wakabayashi, exaustos e sobrecarregados, sofreu um derrame. Wakabayashi foi temporariamente aliviado de arbitragem e coordenação de responsabilidades, a fim de se submeter a reabilitação, que continua até hoje. O golpe pode ter sido um sinal de que, apesar de suas melhores intenções, os dias de mão Wakabayashi do Shooto abrindo caminho sozinho acabaram. Já não podia levá-la a sua saúde, nem poderia aqueles na comunidade Shooto. "Acreditamos que as ações Wakabayashi é contar como atividade criminal. No entanto, não temos exaustivamente perseguido o assunto até o fim porque sentimos algum perdão para ele ", disse Watanabe. Independentemente do seu destino, Wakabayashi contribuiu muito para consolidar as bases de uma das instituições mais importantes do Japão MMA, um que tenha sobrevivido os ciclos de prosperidade e de dívida que derrubou tantas promoções. Não é um fato perdida sobre os seus contemporâneos. Além de votar em uma nova associação para abril, a Asahi ea associação provisória actual está a tomar esta oportunidade para evoluir Shooto e garantir seu lugar no MMA para os próximos anos. "Chegamos a um ponto em que devemos repensar a nossa estrutura organizacional e procedimentos. Penso que esta é uma chance de crescer ainda mais e receber o reconhecimento do mundo jurídico e social ", disse Sakurada. "De agora em diante, acredito que a associação e Shooto tem de olhar para elevar lutadores com o objetivo de competir com o UFC e do mundo no ranking combatentes", disse Watanabe. "Estes últimos anos, tem sido Wakabayashi e aqueles que seguiram a ele que ditaram a forma como o esporte do Shooto é conduzida. O resultado é que Shooto tornou-se isolado de tendências mundiais, se tornando uma espécie de Japão-somente do desporto de combate ". Um dos principais alvos no Shooto olhar para o futuro é o seu conjunto de regras, um osso constante de discórdia no seio da comunidade Shooto. Por exemplo, não foi até 2009 que Shooto pro abolida a contagem knockdown, visto como um pouco arcaica da legislação especial. A associação provisória - atualmente composta por Asahi, Watanabe, Sakurada, Yochi Alive Suzuki, K'z Factory Kazuhiro Kusayanagi, Junji Chokushinkai de Ikoma, Takashi Paraestra de Ochi e Hisao Purebred Omiya Ikeda - está à procura reunir regra MMA diferentes conjuntos de todo o mundo para avaliação, como a próxima evolução nas regras do Shooto. Em uma postagem no blog 30 de janeiro no blog oficial do Shooto Notícias, temporária presidente da Associação Yoichi Suzuki destacou algumas mudanças que virão para a Associação. Em particular, haverá uma maior intervenção oficial líderes de ginásio Shooto como membros de associação, bem como a elegibilidade a ser votado para os escritórios da Associação de presidente, vice-presidente e auditor para mandatos de dois anos. O objetivo é garantir ginásios oficiais Shooto terá uma voz na condução do Shooto e sua Associação. No reino do Shooto amador, o funcionamento de vários torneios amadores procede como eles têm em anos anteriores, mas a taxa de inscrição será coordenada pelo Conselho de Associação de novo a ser votado no final de março, e tratados inicialmente pela regional amador promotores de eventos para o mês anterior. Hayato Sakurai é pessoalmente uma campanha para reformar o sistema amador, acrescentando uma maior gama de classes de competição de sua categoria atual dupla amador e profissional, que apresentam dois níveis de competição amadora, as classes D e C, e dois níveis de competição profissional, classes B e A. Além disso, "Mach" espera que a proibição de capacete, bem como a aplicação de vaselina para a prevenção de corte - uma prática ainda muito desemprego no Japão - e do subsídio de ground and pound, em todos os combates. própria proposta da Asahi é aquela que irá mudar significativamente a aparência do Shooto, preservando a sua intenção, se for ratificado e aprovado pela nova associação. "Quero introduzir as Regras Unificadas do MMA e uma jaula para Shooto. Eu sou apenas um homem, mas agora a minha voz pode ser ouvida e, finalmente, nós podemos discutir isso ", Asahi disse com um sorriso. "O Japão é bastante isolada, por isso não percebem o quanto estamos atrás. Eu sou alguém que sempre disse que nós precisamos usar as regras unificada e de uma gaiola, porque nós estamos para trás. Até agora, a única pessoa a entender isso foi Watanabe, porque ambos tiveram combatentes [Yoshida e Takeya Mizugaki] em promoções Zuffa. Nós vimos como eles fazem lá, mas ninguém tem a mesma experiência. " Asahi postula que aprova o regulamento unificado vai ajudar ainda mais um padrão mundial de MMA, assim como resposta ao desejo de muitos jovens lutadores japoneses para adquirir experiência jaula, em preparação para um dia lutar no UFC - uma promoção Asahi compara a Major League Baseball em relação a japonesa Nippon Professional Baseball. "Se eles vão para o exterior e perde, é por uma razão. Como podemos sobreviver num sistema que não são levados em? Os japoneses de hoje não entendem que o UFC é a melhor liga do mundo agora. Precisamos recuperar o atraso. Todos os melhores lutadores estão lá, e eles estão sendo pagas ", disse o Asahi, citando as recentes aquisições do UFC como Yamamoto e Michihiro Omigawa como prova de que o melhor do Japão vão stateside ao invés de ficar por aqui em sua terra natal. A esperança é para futuras mudanças de garantir a posição do Shooto no futuro MMA japonês agora, enquanto MMA japonês está vendo muita confusão. É justo que os principais promotores Shooto Sustain tem chamado a sua série de eventos de 2011 "Legacy Shootor é." "Podemos não ser capazes de fazer uma promoção aqui que possa competir com o UFC mais, mas podemos pelo menos fazer grandes lutadores que podem competir com sucesso lá", disse um esperançoso Asahi. "Isso realmente não funciona no sentido inverso. Você não vê [Alex Rodriguez] provenientes da MLB para jogar no beisebol japonês. Os melhores estão no UFC agora, então porque não criar as nossas melhores lutadores aqui e envie-os para os Estados Unidos? Algum dia, teremos uma versão do MMA Ichiro [suzuki] ou [jogador de futebol Shinji] Kagawa
  9. nesse mesmo evento querem por adriano martins vs luis beicao
  10. beta

    Chatubinha!

    o chatubinha e um excelente atleta,e que so tem a evoluir cada dia mais o unico que sempre parou ele foi luis beiçao ele deve ter ate trauma hahahahahahahah
  11. beta

    jucao vs beicao luta

    os organizadores poderiam liberar a luta toda para a galera ver ,isso so prova que foi prejudicado num evento em que vale uma quantia de respeito fora o sherdog que anunciou a materia em que diz que o beicao foi prejudicado http://translate.google.com.br/translate?h...3D1W1GGLL_pt-BR e quem ver o video todo, daria a vitoria ao beicao pena que ninguem pode fazer nada e quem editou o video forao eles do evento http://www.unitedglory.tv%2Fvideo.php%3Fvi...VQQ&h=c4297
  12. moderacao poderia deixar uns dias ai pra galera ver e poder avaliar melhor abs
  13. ontem foi lamentavel o resultado do evento estive em amsterdam e aconpanhei de perto a luta beicao muito mais agressivo com socos e chutes minando aperna do jucao que buscava a luta de qualquer forma ao chao e esbarrando nas defesas de quedas de beicao e so olhar no sherdog e ver os comentarios da luta http://translate.google.com.br/translate?h...012%26bih%3D529 e a luta nem passou na tv a unica o evento passou todo
  14. Empresário conta a história da Rip Dorey *Foto: Divulgação O empresário João Luiz Costa Barbuto, conhecido no mercado das lutas como “Joãozinho da Rip Dorey”, criou sua marca há mais de dez anos, e se tornou uma das principais referencias no ramo de fightwear no Brasil. Além de apoiar diversos atletas, Joãozinho investe também nos eventos, contribuindo para o crescimento do esporte no país. Em entrevista ao Portal do Vale Tudo, o empresário contou um pouco de sua história. Como começou a idéia da marca Rip Dorey? Por volta de 1998, eu treinava jiu-jitsu na academia do Prof. Chico Melo, e como minha mãe possuía uma pequena confecção, resolvi fazer algumas camisetas artesanalmente com escritos de jiu-jitsu, e vendia somente para os amigos da academia. Começaram a surgir novos interessados, fiz trabalhos para alguns professores e donos de academia, sempre artesanalmente. Quando o negócio começou a engrenar, resolvi criar uma marca para identificar minhas camisetas, e daí surgiu a Rip Dorey. De onde surgiu o nome da marca? Inventamos o nome na academia, após os treinos. Na época treinava comigo o Leonardo Peçanha e éramos faixa azul. Era um nome pior que o outro que nem convém citar. Até que cheguei a Rip Dorey, que é um nome que tem boa dicção e um significado derivado do idioma francês. O legal é que a Rip Dorey, desde sua origem, nunca foi sistemática ou seguiu padrões, sempre foi bem alternativa. Como se deu o seu envolvimento com a luta? Você ainda treina? Manter uma empresa sólida no mercado, ainda mais um mercado ainda em formação, que é o de fightwear, requer muito trabalho e dedicação. Sou faixa marrom do Prof. Chico Melo, mas pra ser sincero, ultimamente não consigo mais arrumar aquele tempo sagrado pra treinar. Pretendo mudar isso em breve. Hoje sua marca é mais voltada para o público do JJ, Surf ou MMA? A propaganda é a alma do negócio, e por isso vamos atrás dela o tempo todo. Como a mídia focou intensamente no MMA, estamos aplicando nossas ações de marketing quase que 100% nessa modalidade. Quantos atletas você apóia atualmente? Existe um número exato? Diversos atletas, não sei quantos ao certo. Alguns estão conosco há mais de 10 anos, como é o caso do Leonardo Peçanha, Arlisson Kiki (quatro vezes campeão mundial de jiu-jitsu), e o Baixinho. O Luis Beição está a sete anos na empresa. Tenho muito a agradecer a eles, que fizeram a marca chegar onde está. Às vezes me surpreendo com atitudes de alguns deles ao defender os interesses da Rip Dorey como se fosse sua religião. Gostam da marca e têm orgulho de representá-la. Isso me deixa muito feliz, a gratidão desses atletas pelo apoio que a empresa sempre deu a eles. Quantos eventos vocês já patrocinaram até hoje? Tem uma idéia? Se for falar de todos, vamos ficar aqui até amanhã (risos). Posso garantir que estamos apoiando eventos em diversos estados brasileiros e ajudando o MMA a crescer cada vez mais. Em que estados a Rip Dorey está presente? São quantos ao todo? Em quase todos, porém com mais pontos de venda no Rio de janeiro, Amazonas, Maranhão, Minas gerais, Ceará, Pará, Bahia, Espírito Santo, Roraima. Como anda o crescimento das vendas via internet? Muito bom, é o futuro do comércio. Reúne muitas vantagens para o cliente, entre elas comodidade de comprar sem sair de casa e pagar com cartão de crédito. Estamos pesquisando diariamente novas ferramentas de e-commerce para oferecer cada vez mais vantagens aos nossos clientes da internet. A Rip Dorey está presente hoje no mercado internacional? Estamos com representantes exclusivos na Suécia, Suíça, e revendedores em países diversos como EUA, Japão, Itália, Espanha, Portugal, França, etc. Quem é seu ídolo na luta atualmente? Gosto muito do GSP pela simplicidade de pessoa que é, muito gente boa mesmo. Meus ídolos são meus amigos, entre eles GSP, Ximú "Canela de Ferro", Baixinho, Beição. Gosto muito da agressividade do Beição e acho que ele tem lugar garantido no UFC. Quais são os seus planos para o futuro? Tem alguma novidade? Quero que daqui a alguns anos seja impossível falar em MMA sem lembrar-se da Rip Dorey. Quero que a marca seja vista mais que uma empresa fightwear, mas uma instituição que ajudou bastante o esporte a chegar onde acredito que vai chegar. Se parar pra analisar, é difícil você encontrar um atleta de MMA aqui no Rio que nunca lutou de Rip Dorey. Certamente vamos entrar pra história da luta no Brasil. A quem você dedica o sucesso da marca? Gostaria de agradecer minha família e meus amigos. Sem eles nada teria acontecido. E especialmente aos atletas de todo o Brasil que usam e honram a marca Rip Dorey nos ringues e octógonos. Sou muito grato a vocês que sempre me deram essa força em divulgar a Rip Dorey. Abraço especial pra equipe do Portal do Vale Tudo que tem sido nosso principal parceiro de marketing em 2010 fonte www.portaldovt.com.br
  15. com todo respeito o ruas vale tinha um grande time e so vc analisar cada atleta marco ruas roberto leitao pai beto leitao filho pedro rizzo renato babalu antoani jaoude alexandre cacareco gustavo ximu rodrigo ruas erick tavares alexandre baixinho aloisio dado eduardo simoes ailton jacare luis beicao ricardo petrucci amilcar alves eduardo pachu diego braga erinaldo pit bull adrian jaoude ralf jaoude daniel jaoude daniel pirata canario fora os atletas que iam treinar la andre pederneiras roberto traven leonardo castelo branco peter aerts