----

Treinos a porta fechada

Recommended Posts

Luta livre americana não valia soco de mão fechada, nem cabeça e nem pisão.

E a luta foi de kimono!

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
4 horas atrás, krugans disse:

Luta livre americana não valia soco de mão fechada, nem cabeça e nem pisão.

E a luta foi de kimono!

 

 

Não rpz foi vale tudo, toda lutas antes antiga não valia soco de mão fechada pesquise primeiro por isso esses caras fixo lutas todo mês.

O golpe de mão chamava escala!!

http://www.judoctj.com.br/meu-judo-masahiko-kimura/

leia essa parada e veja o próprio Kimura diz que era vale tudo.

Que o Waldemar era enorme de forte campeão de boxe, capoeira e judô( jiu jitsu) que tinha vencido Hélio Gracie que era comentarista.

Dizem que na verdade a luta do Hélio não foi um chute no chão foi  giratório na cabeça ou corpo de capoeira chamado meia lua.

 

Edited by NEGO DÁGUA

Share this post


Link to post
Share on other sites
18 minutos atrás, NEGO DÁGUA disse:

Não rpz foi vale tudo, toda lutas antes antiga não valia soco de mão fechada pesquise primeiro por isso esses caras fixo lutas todo mês.

O golpe de mão chamava escala!!

http://www.judoctj.com.br/meu-judo-masahiko-kimura/

Vc deve ser muito burro, leia essa parada e veja o próprio Kimura diz que era vale tudo.

Que o Waldemar era enorme de forte campeão de boxe, capoeira e judô( jiu jitsu) que tinha vencido Hélio Gracie que era comentarista.

Dizem que na verdade a luta do Hélio não foi um chute no chão foi  giratório na cabeça ou corpo de capoeira chamado meia lua.

 

Menos Nego. Agressão pessoal não vale, né?

Share this post


Link to post
Share on other sites
21 minutos atrás, masterblaster disse:

Menos Nego. Agressão pessoal não vale, né?

Verdade é pq esse cara me irrita , pô , eu já tive diversos problemas com ele e cara me provoca.

Vou editar tudo

Share this post


Link to post
Share on other sites
19 minutos atrás, NEGO DÁGUA disse:

Verdade é pq esse cara me irrita , pô , eu já tive diversos problemas com ele e cara me provoca.

Vou editar tudo

Ok, muito obrigado!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Existem lutas narradas, existem lutas narradas pelo rhodes e tem aquelas narradas pelo Wallid. PONTO.

A narração dele com o Royce chega a ser um descalabro, uma falta de educação, postar aqui, pois quem não viu e não riu dele naquela narração. Não merece ser forista do pvt.... kkk

Por isso eu não vou postá-la aqui.

O motivo desse post foi um vídeo que resume os 60 minutos dele lutando com o Renzo. Isso pra mim foi novidade porque até onde eu sabia havia a "maldição da lapela com duas costuras do Wallid". Se você estava com essa visão que eu tinha, assiste aí. A narração não chega a ser tão divertida quanto aquela do Royce, mas também é engraçada.

 

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
15 horas atrás, Jaraqui disse:

Existem lutas narradas, existem lutas narradas pelo rhodes e tem aquelas narradas pelo Wallid. PONTO.

A narração dele com o Royce chega a ser um descalabro, uma falta de educação, postar aqui, pois quem não viu e não riu dele naquela narração. Não merece ser forista do pvt.... kkk

Por isso eu não vou postá-la aqui.

O motivo desse post foi um vídeo que resume os 60 minutos dele lutando com o Renzo. Isso pra mim foi novidade porque até onde eu sabia havia a "maldição da lapela com duas costuras do Wallid". Se você estava com essa visão que eu tinha, assiste aí. A narração não chega a ser tão divertida quanto aquela do Royce, mas também é engraçada.

 

 

 

Fala Jaraqui tudo bem ? Foi o Baiano (Edson Carvalho)  que chamou o Wallid de Hiena primeiro depois daquele episodio lamentável. Me lembro que tempos depois  o Wallid fazia aquele marketing (normal) e dizendo que ia fazer uma luta com o Baiano, mas como o Edson disse: "Depois da surra que lhe dei, nos vimos na rua varias vezes, porque ele não veio falar da tal luta comigo? ". Por isso acho que vai ser o Renzo que vai fechar esta luta.  Uma pergunta: Tens alguma historia do Mestre Nelio Naja ? 

Edited by Gurkha

Share this post


Link to post
Share on other sites
4 horas atrás, Gurkha disse:

Fala Jaraqui tudo bem ? Foi o Baiano (Edson Carvalho)  que chamou o Wallid de Hiena primeiro depois daquele episodio lamentável. Me lembro que tempos depois  o Wallid fazia aquele marketing (normal) e dizendo que ia fazer uma luta com o Baiano, mas como o Edson disse: "Depois da surra que lhe dei, nos vimos na rua varias vezes, porque ele não veio falar da tal luta comigo? ". Por isso acho que vai ser o Renzo que vai fechar esta luta.  Uma pergunta: Tens alguma historia do Mestre Nelio Naja ? 

 

Histórias que eu me lembre foram da pré-história em Curitiba, da época em que ele dava aulas com outro careca em uma academia de karatê na Ermelino de Leão. Eu escrevi alguns detalhes aqui mesmo nesta seção, só que em dois tópicos que tinham a ver com ele. Um deles foi o falecimento e o outro, acho que foi um que tratava mais do Muay Thai brasileiro com os corriqueiros xingamentos de quem não gostava do homem. 

 

Adicionalmente a isto houve as inesquecíveis apresentações. Todos de kimonos pretos, correndo em formatura de 8 (uma fileira cortando a outra sincronizadamente), quebramentos de telhas, chutes com saltos voadores e mais quebramentos, nun chaku, etc, etc.

A diferença das apresentações clássicas de Tae Kwon Do que havia - e ainda existem neste formato - corria por conta inicialmente do próprio Nélio. Eu assisti a quebramentos que ele fazia com a cabeça em pilhas de telhas. Pilhas que ultrapassavam a altura da cintura.

E a outra diferença, que era a que mais chamava a atenção eram as lutas de demonstração. Ao contrário do que geralmente se fazia - e se faz - em demonstrações por meio de lutas mais telegrafadas e coreografadas, o Nélio botava a gurizada pra arrepiar na porradaria. A gente saía do evento (geralmente era algum evento da prefeitura ou algo do gênero onde a Tai Naja apresentava o Muay Thai), comentando a viagem inteira no busão de volta pra casa o barulho das luvas explodindo na cara de um e de outro oponente. Era assustador em uma época dominada por artes marciais bem estabelecidas, exames de faixa, tudo muito correto e polidamente visto até por senhoras (jamais imaginar-se voltar pra casa com um olho roxo, exceto os treinos de boxe do Sansão).

Eu fui assistir um filme de luta no Cine São João, que ficava em frente à praça Rui Barbosa. Foi quando a Tai Naja, já sob os cuidados do Rubens e sem mais o China já falecido, também realizou uma mesma apresentação. No entanto as armas e quebramentos já haviam sido deixado de lado e só mesmo a porradaria e alguns chutes de demonstração foram mantidos. Uma joelhada voadora nocauteou um piá naquele dia. E nós, piás, vibrávamos com aquilo... 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 2/25/2019 at 2:26 PM, Jaraqui disse:

 

Histórias que eu me lembre foram da pré-história em Curitiba, da época em que ele dava aulas com outro careca em uma academia de karatê na Ermelino de Leão. Eu escrevi alguns detalhes aqui mesmo nesta seção, só que em dois tópicos que tinham a ver com ele. Um deles foi o falecimento e o outro, acho que foi um que tratava mais do Muay Thai brasileiro com os corriqueiros xingamentos de quem não gostava do homem. 

 

Adicionalmente a isto houve as inesquecíveis apresentações. Todos de kimonos pretos, correndo em formatura de 8 (uma fileira cortando a outra sincronizadamente), quebramentos de telhas, chutes com saltos voadores e mais quebramentos, nun chaku, etc, etc.

A diferença das apresentações clássicas de Tae Kwon Do que havia - e ainda existem neste formato - corria por conta inicialmente do próprio Nélio. Eu assisti a quebramentos que ele fazia com a cabeça em pilhas de telhas. Pilhas que ultrapassavam a altura da cintura.

E a outra diferença, que era a que mais chamava a atenção eram as lutas de demonstração. Ao contrário do que geralmente se fazia - e se faz - em demonstrações por meio de lutas mais telegrafadas e coreografadas, o Nélio botava a gurizada pra arrepiar na porradaria. A gente saía do evento (geralmente era algum evento da prefeitura ou algo do gênero onde a Tai Naja apresentava o Muay Thai), comentando a viagem inteira no busão de volta pra casa o barulho das luvas explodindo na cara de um e de outro oponente. Era assustador em uma época dominada por artes marciais bem estabelecidas, exames de faixa, tudo muito correto e polidamente visto até por senhoras (jamais imaginar-se voltar pra casa com um olho roxo, exceto os treinos de boxe do Sansão).

Eu fui assistir um filme de luta no Cine São João, que ficava em frente à praça Rui Barbosa. Foi quando a Tai Naja, já sob os cuidados do Rubens e sem mais o China já falecido, também realizou uma mesma apresentação. No entanto as armas e quebramentos já haviam sido deixado de lado e só mesmo a porradaria e alguns chutes de demonstração foram mantidos. Uma joelhada voadora nocauteou um piá naquele dia. E nós, piás, vibrávamos com aquilo... 

 

Campeão um que era técnico do Anderson marrento pra cassete, adestrador de cães Diógenes Asshida( eu acho que era assim)

Share this post


Link to post
Share on other sites
4 horas atrás, NEGO DÁGUA disse:

Campeão um que era técnico do Anderson marrento pra cassete, adestrador de cães Diógenes Asshida( eu acho que era assim)

O Diógenes é contemporâneo de Chute-Boxe do Rafael, só que, da mesma maneira que o Rafael chegou com uma milhagem na CB (acho que ele era vermelha de Tae Kwon Do), o Diógenes também. Só que, no caso do Diógenes, ele tinha milhagem tanto no Tae Kwon Do (acho que era faixa verde ou azul) quanto na Capoeira (acho que o apelido dele na Muzenza era kamikaze kkk. Não sei qual cordão que ele era. Só lembrando que antigamente as graduações na Muzenza e na Regional seguiam as cores da bandeira).

Share this post


Link to post
Share on other sites
11 minutos atrás, Jaraqui disse:

O Diógenes é contemporâneo de Chute-Boxe do Rafael, só que, da mesma maneira que o Rafael chegou com uma milhagem na CB (acho que ele era vermelha de Tae Kwon Do), o Diógenes também. Só que, no caso do Diógenes, ele tinha milhagem tanto no Tae Kwon Do (acho que era faixa verde ou azul) quanto na Capoeira (acho que o apelido dele na Muzenza era kamikaze kkk. Não sei qual cordão que ele era. Só lembrando que antigamente as graduações na Muzenza e na Regional seguiam as cores da bandeira).

Eu lembro dele falar que o Rafael era aluno dele!!

O Thai do Brasil veio do TKD arte que muitos praticabtes de Thai ridicularizam

Share this post


Link to post
Share on other sites
5 horas atrás, NEGO DÁGUA disse:

Eu lembro dele falar que o Rafael era aluno dele!!

O Thai do Brasil veio do TKD arte que muitos praticabtes de Thai ridicularizam

Como já tinha dito  concordo que em parte  os chutes do MT vieram do TKD, mas me lembro que outras técnicas são claramente do MT (nao usadas no kickboxig), inclusive o Mestre Naja ensinava armas tradicionais do MT, por isso acho que teve contato com o Muay Boran. Quanto a ridicularizar, não sei se são muitos os que fazem, mas entendo  neste meio existem muitos interesses escusos e  gente que cospe no prato que comeu (infelizmente foi um dos motivos que afastaram o Nélio do esporte). O fato e' que a linhagem do Nélio representada pelo Ruas, Wand, Shogun , Noguchi e principalmente o Anderson Silva ( linhagem direta) provaram que o MT brasileiro merece muito respeito obviamente (quem duvida?), apenas precisa ser mais organizado e transparente e intercambio.

Edited by Gurkha

Share this post


Link to post
Share on other sites
6 minutos atrás, Gurkha disse:

Como já tinha dito  concordo que em parte  os chutes do MT vieram do TKD, mas me lembro que outras técnicas são claramente do MT (nao usadas no kickboxig), inclusive o Mestre Naja ensinava armas tradicionais do MT, por isso acho que teve contato com o Muay Boran. Quanto a ridicularizar, não sei se são muitos os que fazem, mas entendo  neste meio existem muitos interesses escusos e  gente que cospe no prato que comeu (infelizmente foi um dos motivos que afastaram o Nélio do esporte). O fato e' que a linhagem do Nélio representada pelo Ruas, Wand, Shogun , Noguchi e principalmente o Anderson Silva ( linhagem direta) provaram que o MT brasileiro merece muito respeito obviamente (quem duvida?), apenas precisa ser mais organizado e transparente e intercambio.

Vc sabe acho Nélio um gênio das artes marciais.

Pq tem Saulo Cavalari campeão do glory ex campeão na verdade, tem dedo do Nélio naja.

Sabe os curitibanos que lutaram no Glory tem dedo do naja.

Tem o Rafael Cordeiro que foi coach de MMA do ano tem dedo do naja.

Temo Anderson que provou a força da trocação brasileira contra o jovem Adensanya tem dedo do naja ali.

Werdum, RDA , shogun tem dedo do naja.

Se hj tem coach espalhados no mundo dedo no cara quem popularizou a parada foi a chute boxe e quem fez nego ir pra Tailândia foi Naja que plantou a semente.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bom dia @LAWYER, @armlock, @NEGO DÁGUA, @MV8 , @Axiotis, @Gurkha, tudo bem? Finalmente vou conseguir cumprir minha palavra e trazer a vocês o nome do sensei de karatê kyokushin de Teresopolis nos anos 80. Isso graças à colaboração de uma amiga muito querida, a advogada e praticante de Muay Thai Dra. Sheila Paim Pimentel, que me fez a gentileza de conseguir o telefone do meu amigo e contemporâneo sensei Moacir Lopes, aluno direto daquele mestre.

Telefonei para ele e regredimos no tempo.

Ano de 1983. Eu adolescente com 15 anos, cursando o ginásio e com as tardes desocupadas. Telefone discado, idas e vindas ao famoso Colegio São Paulo (existe com excelência até hoje) a pé ou de ônibus, maldade zero na cabeça, Rede Manchete exibindo Pirata do Espaço e Acredite se Quiser. Já fazia jiu jitsu com os professores Geni e Elias, que tinham a Academia Serrana na Rua Duque de Caxias. Capoeira com mestre Elias da Abadá na Academia Pierre de Coubertin (depois virou Performance, depois Corpaco,  cedeu lugar a uma Igreja Universal do Reino de Deus e finalmente hoje funciona uma unidade da Unopar). Um pouco de boxe também.

Entao, um belo dia, este desocupado que vos fala estava  caminhando em frente ao Estádio Municipal Pedro Jahara, vulgo Pedrão, quando viu do outro lado da rua uma porta entreaberta com os dizeres “Karatê Kyokushin Oyama”, salvo falha da memória.  Curioso, atravessei e espichei o pescoço para dentro da porta. Vi um japonês de estatura média, pouco mais que magro, extremamente educado, que ficou me olhando sem falar nada. Cumprimentei-o e disse que só queria ver o lugar, e ele, com aquele sorriso polido, reservado e quase tímido dos orientais, acenou indicando o dojo, mas fiquei olhando da porta. E aí vai. Esse sensei era o grande mestre MATSURO MEGUMI, enviado ao Brasil pelo próprio Masutatsu Oyama para divulgar o estilo, estilo esse que permanece praticamente inalterado até hoje, diferente de outros que quase viraram dança.

Fiquei encantado, assistindo embevecido os treinos de calejamento, alongamento, resistência e disciplina que estavam sendo dados a um garoto praticamente da minha idade, que suportava aquele regime duríssimo com valentia e, porque não, prazer. Esse garoto nada mais é do que meu amigo sensei Moacir Lopes, que estava começando no karatê naquele ano, tendo sua história confundido-se com a da modalidade no estado do Rio de Janeiro. Faixa preta desde 1996, durante mais de 7 anos foi o único faixa preta ativo do Estado, há mais de 30 anos dedicando sua vida ao esporte e realizando sete edições do “Torneio da Amizade de Karatê Kyokushin Oyama”, em Teresopolis, com participação do Shihan Seiji Isobe, responsável por trazer o Kyokushin ao Brasil, e Shihan Francisco Filho, que dispensa comentários. Mais que alunos e campeões, formou homens e mulheres de caráter, sendo o melhor professor de crianças que já conheci.

E aí, depois de findo o treino, sensei Megumi, que quase não falava português (ou eu que não entendia),  olha para o Moacir, aponta uma vassoura e diz ” Impa... chão!”. E o paciente e disciplinado aluno vai lá varrer o dojo, hábito esse que, segundo ele, é repassado até hoje.

Sai daquela academia entusiasmado, cogitando seriamente fazer a matricula. Só que posteriormente, passei em frente à um prédio na Av. Lúcio Meira, que havia sido uma Igreja, depois uma boate, e finalmente no segundo andar funcionava a Justiça do Trabalho. No primeiro estava escrito em letras garrafais nas janelas de vidro: KICKBOXING - Full Contact - Light Contact - Semi Contact - Forma . Prof. Fernando Pelaez. Entrei naquela sala e minha vida mudou muito a partir daí.

Entao foi isso, gente. Espero que tenham gostado desse túnel do tempo. Fico devendo o nome completo do Professor Bandeira, aluno de taekwondo do Mestre Kim que formou muito caráter em Teresopolis e morreu de forma covarde, assassinado enquanto trabalhava em seu táxi. Mas essas são outras histórias.

Grande abraço em todos!

Share this post


Link to post
Share on other sites
25 minutos atrás, masterblaster disse:

Bom dia @LAWYER, @armlock, @NEGO DÁGUA, @MV8 , @Axiotis, tudo bem? Finalmente vou conseguir cumprir minha palavra e trazer a vocês o nome do sensei de karatê kyokushin de Teresopolis nos anos 80. Isso graças à colaboração de uma amiga muito querida, a advogada e praticante de Muay Thai Dra. Sheila Paim Pimentel, que me fez a gentileza de conseguir o telefone do meu amigo e contemporâneo sensei Moacir Lopes, aluno direto daquele mestre.

Telefonei para ele e regredimos no tempo.

Ano de 1983. Eu adolescente com 15 anos, cursando o ginásio e com as tardes desocupadas. Telefone discado, idas e vindas ao famoso Colegio São Paulo (existe com excelência até hoje) a pé ou de ônibus, maldade zero na cabeça, Rede Manchete exibindo Pirata do Espaço e Acredite se Quiser. Já fazia jiu jitsu com os professores Geni e Elias, que tinham a Academia Serrana na Rua Duque de Caxias. Capoeira com mestre Elias da Abadá na Academia Pierre de Coubertin (depois virou Performance, depois Corpaco e finalmente cedeu lugar a uma Igreja Universal do Reino de Deus). Um pouco de boxe também.

Entao, um belo dia, este desocupado que vos fala estava  caminhando em frente ao Estádio Municipal Pedro Jahara, vulgo Pedrão, quando viu do outro lado da rua uma porta entreaberta com os dizeres “Karatê Kyokushin Oyama”, salvo falha da memória.  Curioso, atravessei e espichei o pescoço para dentro da porta. Vi um japonês de estatura média, pouco mais que magro, extremamente educado, que ficou me olhando sem falar nada. Cumprimentei-o e disse que só queria ver o lugar, e ele, com aquele sorriso polido, reservado e quase tímido dos orientais, acenou indicando o dojo, mas fiquei olhando da porta. E aí vai. Esse sensei era o grande mestre MATSURO MEGUMI, enviado ao Brasil pelo próprio Masutatsu Oyama para divulgar o estilo, estilo esse que permanece praticamente inalterado até hoje, diferente de outros que quase viraram dança.

Fiquei encantado, assistindo embevecido os treinos de calejamento, alongamento, resistência e disciplina que estavam sendo dados a um garoto praticamente da minha idade, que suportava aquele regime duríssimo com valentia e, porque não, prazer. Esse garoto nada mais é do que meu amigo sensei Moacir Lopes, que estava começando no karatê naquele ano, tendo sua história confundido-se com a da modalidade no estado do Rio de Janeiro. Faixa preta desde 1996, durante mais de 7 anos foi o único faixa preta ativo do Estado, há mais de 30 anos dedicando sua vida ao esporte e realizando sete edições do “Torneio da Amizade de Karatê Kyokushin Oyama”, em Teresopolis, com participação do Shihan Seiji Isobe, responsável por trazer o Kyokushin ao Brasil, e Shihan Francisco Filho, que dispensa comentários. Mais que alunos e campeões, formou homens e mulheres de caráter, sendo o melhor professor de crianças que já conheci.

E aí, depois de findo o treino, sensei Megumi, que quase não falava português (ou eu que não entendia),  olha para o Moacir, aponta uma vassoura e diz ” Impa... chão!”. E o paciente e disciplinado aluno vai lá varrer o dojo, hábito esse que, segundo ele, é repassado até hoje.

Sai daquela academia entusiasmado, cogitando seriamente fazer a matricula. Só que posteriormente, passei em frente à um prédio na Av. Lúcio Meira, que havia sido uma Igreja, depois uma boate, e finalmente no segundo andar funcionava a Justiça do Trabalho. No primeiro estava escrito em letras garrafais nas janelas de vidro: KICKBOXING - Full Contact - Light Contact - Semi Contact - Forma . Prof. Fernando Pelaez. Entrei naquela sala e minha vida mudou muito a partir daí.

Entao foi isso, gente. Espero que tenham gostado desse túnel do tempo. Fico devendo o nome completo do Professor Bandeira, aluno de taekwondo do Mestre Kim que formou muito caráter em Teresopolis e morreu de forma covarde, assassinado enquanto trabalhava em seu táxi. Mas essas são outras histórias.

Grande abraço em todos!

Vc é um cara reservado mas sua história de confundi com o kickboxing brasileiro, esses caras Alex Poatan, Saulo Cavalari até o lendário Cosmo Alexandre devem a vc e seu mestre que poucos sabem que foi um dos maiores e melhores kickboxer da história.

Vcs cortaram o mato pra essa geração hoje conquistar o mundo.

Igual o Ruas fez pro Dedé hj o Aldo tem total dedo e evolução do Ruas vale tudo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now