Sign in to follow this  
Ultimate Fighter

A incrível vida de Yoshizo, pai do Lyoto Machida da UFC - Cultura Japonesa

Recommended Posts

 

A incrível vida de Yoshizo, pai do Lyoto Machida da UFC - Cultura Japonesa

Pai de Lyoto Machida, ex lutador meio-pesado da UFC, Yoshizo é um dos mais respeitados professores de caratê do Brasil. 8º Dan de caratê Shotokan, 7º Dan de JKA e 3º Dan de Aikidô, ele tem a aparência de um verdadeiro samurai e educou seus filhos como guerreiros, mas conta nesta entrevista exclusiva que quando jovem gostava de brigar.

yoshizo machida

Foi a vontade de brigar que o trouxe ao Brasil. Ou melhor, foi a fama de briguento que o afastou do Japão. Quando estava prestes a terminar a faculdade de engenharia elétrica, Yoshizo foi o primeiro a levantar a mão quando um professor perguntou à classe, se tinha alguém que queria trabalhar na América do Sul.

No Japão, os estudantes do último ano distribuem seus currículos e comparecem às entrevistas de emprego, para serem contratados para o próximo ano fiscal. Yoshizo fez o que os outros fizeram, mas nenhuma empresa quis contratá-lo. Em parte, porque suas notas não eram boas, mas em grande parte porque sua fama não era boa. Tendo vencido um campeonato de caratê em Okinawa, berço dessa modalidade, ele era conhecido por gostar de brigar, no sentido físico da palavra.

“Sempre gostei de desafios e eu queria testar minha força em alguma coisa”, justificou o carateca sobre a sua decisão de deixar o seu País. Nascido na província de Ibaraki em janeiro de 1946, Yoshizo Machida praticou kendô, a esgrima japonesa, dos 6 aos 15 anos de idade. Mas não se identificava com o “esporte dos samurais”, porque gostava mesmo é de brigar. Resolveu começar o caratê para ser mais forte na briga, numa época em que essa modalidade não era bem vista e não era muito praticada, tanto é que Yoshizo foi o primeiro em sua cidade a praticar o caratê. Terminando o segundo grau em Tóquio, pensou em parar os estudos para trabalhar. Mas o gosto pelo caratê falou mais alto e resolveu fazer a faculdade para poder praticar o caratê por mais quatro anos. Treinava quatro horas por dia, não parava nem nos finais de semana, quando visitava outras academias para aprender mais. “Era um louco pelo caratê, meus pais incentivavam e eu treinava sem parar, e até tinha perdido a vontade de brigar”, lembra Yoshizo, que afirma ter estudado o mínimo possível, só para não se reprovar.

Quando avisou que viria para o Brasil, seus pais foram contra, não entendiam como um jovem que terminou a faculdade queria deixar o País. Mas, no final, eles concordaram: “Se é isso mesmo que você quer, que vá, mas é para ir com determinação de vencer”, disseram. O ano era 1968.

Yoshizo veio contratado como funcionário da Jamic, empresa de colonização do governo japonês, e foi parar no meio da mata amazônica, num lugarejo a 100 km de Tomé-Açu, no Pará. O trabalho era duro, pois seu serviço era construir estradas junto com os trabalhadores braçais. Mas isso não era problema e nem o fato de não ter energia elétrica. O problema é que não tinha onde praticar seu esporte predileto. Agüentou um ano e depois pediu demissão, levando bronca de seus superiores. “Eu estava determinado a vencer, mas eu queria vencer lutando caratê”, conta. Foi morar em Belém, capital do Pará, onde abriu uma academia de caratê.

Sem alunos e sem dinheiro, chegou a viver alguns meses só com água e farinha. “Eu limpava a academia, que era também a minha casa, lavava o banheiro e arrumava o tatame, para ficar esperando algum eventual interessado”. Embora acreditasse que um dia daria certo, não agüentou mais e resolveu ir para a Praça da Sé, em São Paulo, onde Keisuke Inoki (irmão do Antonio Inoki, ex-lutador profissional e senador do Japão), tinha uma academia de caratê. Morando no local, ajudava Keisuke como instrutor, mas, por ser estrangeiro, não podia competir. A sua sorte começou a mudar, quando, em 1970, um campeonato foi realizado em Brasília, onde se permitiu a participação de estrangeiros. Yoshizo venceu na categoria katá e kumitê, e ganhou admiradores imediatamente. Vieram vários convites e ele aceitou ir para Salvador, para trabalhar numa academia de caratê. Durante os 10 anos que ele permaneceu na capital baiana, viajou por todo o Nordeste ensinando caratê, e a sua academia se tornou a maior do Brasil, com mais de mil alunos. Naquele período, ele foi técnico da seleção brasileira nos Jogos Pan-Americanos e se casou com a baiana Ana Cláudia, com quem teve seus quatro filhos.

“Que educação daria a meus filhos? O de um samurai” pensou. E como não tinha nenhum parente com quem pudesse trocar idéias, resolveu encomendar um livro do Japão, que tinha o título de “Seiko no Tetsugaku” (A Filosofia do Sucesso, de Myouhou Fujii). Esse livro explica como os samurais educavam seus filhos, e Yoshizo seguiu cada linha daqueles ensinamentos. Em primeiro lugar, o samurai não pode mentir em hipótese alguma. “Nunca menti para eles, e nem mesmo cheguei a dizer que se não fossem dormir, um diabo viria buscá-los”, conta.

A educação rigorosa de samurai durou até cada um completar 10 anos de idade. “Para o samurai, a responsabilidade de educar seu filho vai até essa idade. Depois, a criança fica esperta, conversa com amigos e passa a ter sua própria identidade”. Os três filhos nascidos na Bahia e o caçula nascido no Pará praticaram caratê na infância.

Yoshizo conta que pretendia continuar morando na Bahia, quando um ex-aluno de sua extinta academia de Belém procurou-o pedindo para voltar para Pará e reabrir sua academia. O carateca brincou dizendo que só voltaria se ganhasse uma fazenda. Esse ex-aluno havia feito uma bela carreira, e para sua surpresa, arrumou uma fazenda para a família Machida. “A propriedade tinha 75 hectares, era muito grande, e não podia recusá-la, pois um dos meus sonhos quando estava deixando o Japão era ter uma fazenda no Brasil”. Morando no Pará, tentou administrar a academia e a fazenda ao mesmo tempo. Pegou todo o dinheiro que havia ganhado na Bahia e plantou cacau e mamão, e chegou a ter 15 funcionários. Entretanto, a fazenda não deu certo e ele canalizou sua atenção na academia.

No Pará, seus filhos cresciam. Lyoto, o terceiro filho, foi campeão pan-americano de caratê em 2001, bicampeão brasileiro de sumô, ganhou faixa preta de jiu-jitsu e se formou em educação física. Foi para o Japão e treinou durante três anos na academia de Antonio Inoki, além de ter praticado muay thai na Tailândia. Com esse vasto currículo e físico (1,88 m e 95kg), Lyoto começou a competir no MMA, no Japão.

Yoshizo Machida afirma que foi contra a decisão de Lyoto disputar MMA. “Havia poucas regras naquele esporte, por isso era muito violento e o juiz não interferia na partida”, lembra. “Depois, com o tempo, as regras foram criadas e se tornou um esporte de verdade”. Lyoto Machida, foi campeão dos meio-pesados da UFC em 2009, cujo título perdeu no ano seguinte. Hoje, após vitória contra o armêmio-holandês Gergard Mousasi em fevereiro, disputa novamente o título contra o atual campeão Chris Weidman, no dia 24 de julho de 2014 (UFC 175). Lyoto reside nos Estados Unidos, onde vive com a esposa e seus dois filhos.

yoshizomachida net divulgacaoyoshizo e familia machidacom

Tirando o caçula que é jornalista e trabalha na TV Globo de Brasília, os demais continuaram treinando e competindo, sendo que os dois mais velhos dirigem sua academia, agora com dois prédios de três andares e mais de 1.500 alunos.

Machida recorda que sempre ensinou a seus filhos que se deve fazer tudo da maneira correta, e que, com a dedicação, tudo vai acabar dando certo. “Eu sempre falo que é para treinar para melhorar e não para ganhar medalhas”.

Uma frase em japonês, cunhada por um nobre samurai no século XVIII, é o que sempre norteou esse imigrante japonês naturalizado brasileiro, e é essa frase que define a essência de Yoshizo Machida:

為せば成る、為さねば成らぬ何事も

Naseba naru, nasaneba naranu nanigotomo.

Frase que diz: “Tudo pode ser realizado se desejarmos profundamente, mesmo aquilo que é considerado impossível”.

Entrevista concedida para o jornalista Francisco Noriyuki Sato

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pessoas fantásticas e com caráter inquestionável!! Que tudo dê certo para a família Machida eternamente!!!! 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Troquei umas ideias com o Lyoto em tempos passados. Nivel acima do comum, com certeza .

Share this post


Link to post
Share on other sites

E estranho um país de terceiro mundo, ter uma cultura marcial tão rica, como a nossa

Share this post


Link to post
Share on other sites
Posted (edited)
15 horas atrás, NOCAUTE! disse:

E estranho um país de terceiro mundo, ter uma cultura marcial tão rica, como a nossa

Tailândia tem grande tradição tbm mas é mais focado no muay thai um pouco de boxe… mas lá é uma loucura,lutas profissionais de segunda a segunda,todas com apostas e até com crianças de 7 anos pra cima… nem amador existe direito ,desde cedo lutam por dinheiro 

Edited by afterforever

Share this post


Link to post
Share on other sites
6 horas atrás, afterforever disse:

Tailândia tem grande tradição tbm mas é mais focado no muay thai um pouco de boxe… mas lá é uma loucura,lutas profissionais de segunda a segunda,todas com apostas e até com crianças de 7 anos pra cima… nem amador existe direito ,desde cedo lutam por dinheiro 

Vdd, vc ver direto não  existe romantizacao  de nada no muay thai de lá. 

Vejo até o pessoal do Brasil  erroneamente  fazendo isso não  exigindo disciplina, professor  na aula falando  palavrão  ou até entrevista  debochando de tudo tipo meio maluqueiro  , tipo " nois é  muay thai e não  kickboxing " e vivem numa caixinha igual aí pessoal do karate .

Mas lá  vc luta pra comer por ter fome eles lidam bem com a derrota perdem  tipo ver que não dar ninguém luta o 5 round pq tem dinheiro envolvido, muay thai e meio louco as vezes nem parece luta real sim um jogo violento , agora ao contrário  o tailandês  é muito aberto e absorve muito rápido,  também  pudera vivem de luta vc ver o One cara o thai  não  tem movimentar  vc pegara o Saenchai,  o Sagat, porém é da luta é  punido ...mas esses caras fazem algo que eles nem punem de tão  espetacular aí vc ver  o tailandês  movimentar com jogo de perna espetacular...

Aí vem o Brasil,  cara somos fodas mesmo.

Primeiro  país continental miscigenação daria muita mistura mesmo boa.

Vc ver até o boxe profissional é  ruim pela total falta de orgânica  já  amador em 10 anos somos uma potência  mundial. 

Overrem disse muay thai brasileiro? Aí vc ver o Poatan  ser aplaudido aplaudido pé  na Holanda sendo aclamado como  lenda. 

Vc ver a história  por tem muita gente antes do Poatan  ele apenas deu sorte de ter mídia. 

Vc tem Fernando  Pelaez  invicto 129 lutas entre  amadoras e profissionais  de boxe e kickboxing  vencendo o Benny Urquidez , Bill e todos os maiores nomes do mundo na época. 

Zorello campeão  mundial  de full pela Wako rodou o mundo é detalhe foi ele quem treinou o pessoal  da kyokushin  pro kickboxing  só que eles não  admitem .

Belocqua  , multi campeão  também  bebeu das melhores águas como o Pelaez com Servilho e Eder jofre.

Pessoal do karate shotokan  quanto  kyokushin  batiam  em japonês  a 40 anos já. 

Boxe , só  Eder jofre...

Grappling, família gracie.

Vale tudo mundo se curvou e veio aprender com uns selvagens do Brasil  estilo de chão  ou trocação...que batia em todos.

Chute boxe ou muay thai  de Curitiba  essencial pessoal  que buscou Deus sabe como o conhecimento muito se fala disso ou aquilo da técnica ou que nunca foi muay thai até os membros se perdemnas história porém todos tem o Rudimar como cara fundamental..o resultados foram espetaculares isso que importa , de lá  saiu um gênio chamado Anderson  Silva. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Admiro bastante esta cultura japonesa old school, estilo de vida de samurai, nos dias de hoje com as crianças cada vez mais na internet seria um desafio enorme educar alguém assim...apesar de eu não gostar do estilo de luta do Lyoto admiro bastante a postura dele como atleta.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Esse merece todo o reconhecimento. Uma pena a família ter ido para os EUA e o Machida Karatê estar crescendo por lá, e não por aqui. Claro que é totalmente compreensível todo atleta sair de um lugar que não os valoriza para um onde ganham muita grana, não estou julgando, só falando que acho uma pena. Se os Machida, Mano e Vinicio estivessem trabalhando todos aqui no Brasil, fomentando um karatê mais voltado para o MMA, para o combate real, poderíamos ter no Brasil daqui a algum tempo um caratê muito melhor enquanto luta real, e não moldada pelas regras surreais das competições. Ando bem curioso do que será daqui a bons anos do "karatê boxe" do Mano, acho a junção muito interessante e promissora. Mas infelizmente a tendência é que ele fique pelos EUA tbm. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
2 horas atrás, NEGO DÁGUA disse:

Vdd, vc ver direto não  existe romantizacao  de nada no muay thai de lá. 

Vejo até o pessoal do Brasil  erroneamente  fazendo isso não  exigindo disciplina, professor  na aula falando  palavrão  ou até entrevista  debochando de tudo tipo meio maluqueiro  , tipo " nois é  muay thai e não  kickboxing " e vivem numa caixinha igual aí pessoal do karate .

Mas lá  vc luta pra comer por ter fome eles lidam bem com a derrota perdem  tipo ver que não dar ninguém luta o 5 round pq tem dinheiro envolvido, muay thai e meio louco as vezes nem parece luta real sim um jogo violento , agora ao contrário  o tailandês  é muito aberto e absorve muito rápido,  também  pudera vivem de luta vc ver o One cara o thai  não  tem movimentar  vc pegara o Saenchai,  o Sagat, porém é da luta é  punido ...mas esses caras fazem algo que eles nem punem de tão  espetacular aí vc ver  o tailandês  movimentar com jogo de perna espetacular...

Aí vem o Brasil,  cara somos fodas mesmo.

Primeiro  país continental miscigenação daria muita mistura mesmo boa.

Vc ver até o boxe profissional é  ruim pela total falta de orgânica  já  amador em 10 anos somos uma potência  mundial. 

Overrem disse muay thai brasileiro? Aí vc ver o Poatan  ser aplaudido aplaudido pé  na Holanda sendo aclamado como  lenda. 

Vc ver a história  por tem muita gente antes do Poatan  ele apenas deu sorte de ter mídia. 

Vc tem Fernando  Pelaez  invicto 129 lutas entre  amadoras e profissionais  de boxe e kickboxing  vencendo o Benny Urquidez , Bill e todos os maiores nomes do mundo na época. 

Zorello campeão  mundial  de full pela Wako rodou o mundo é detalhe foi ele quem treinou o pessoal  da kyokushin  pro kickboxing  só que eles não  admitem .

Belocqua  , multi campeão  também  bebeu das melhores águas como o Pelaez com Servilho e Eder jofre.

Pessoal do karate shotokan  quanto  kyokushin  batiam  em japonês  a 40 anos já. 

Boxe , só  Eder jofre...

Grappling, família gracie.

Vale tudo mundo se curvou e veio aprender com uns selvagens do Brasil  estilo de chão  ou trocação...que batia em todos.

Chute boxe ou muay thai  de Curitiba  essencial pessoal  que buscou Deus sabe como o conhecimento muito se fala disso ou aquilo da técnica ou que nunca foi muay thai até os membros se perdemnas história porém todos tem o Rudimar como cara fundamental..o resultados foram espetaculares isso que importa , de lá  saiu um gênio chamado Anderson  Silva. 

Brasileiro é fera,misturam tudo… querem aprender todos os estilos… japoneses,coreanos e chineses trouxeram muitos estilo pra cá e os brasileiros viajam e vão morar fora pra aprender mais… Hoje se formos ver quase todos os estilos de luta,defesa pessoal,arte marcial tem aqui… wrestling,boxe,kickboxing,muay thai (tailandês mesmo,eu já treinei com brasileiro que morou lá e ensina o estilo deles),karatê,taekwondo,kung fu,savate,Systema(arte russa),shuai shiao (judô chinês),krav maga e por aí vai

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, afterforever disse:

Brasileiro é fera,misturam tudo… querem aprender todos os estilos… japoneses,coreanos e chineses trouxeram muitos estilo pra cá e os brasileiros viajam e vão morar fora pra aprender mais… Hoje se formos ver quase todos os estilos de luta,defesa pessoal,arte marcial tem aqui… wrestling,boxe,kickboxing,muay thai (tailandês mesmo,eu já treinei com brasileiro que morou lá e ensina o estilo deles),karatê,taekwondo,kung fu,savate,Systema(arte russa),shuai shiao (judô chinês),krav maga e por aí vai

Brasil  virou referência  de gringo no muay thai indo lá  em poucos  anos e fazendo história..nego fala só do Cosmo e cheio de cara que  foi lá  em 1 ano virou campeão

Ou seja vc vem aqui pega uns caras que  fazem trabalho no tato, seminário ( rpz eu levo ver nisso muito posso tá errado),  vídeo (vídeo  é  ruim? Como se aprendia antes?) Seminários foram bons aprenderem conceitos,  dizem que o Rudimar  dez seminário  com militares na década de 90 é era cheio de material  de luta em fita , de treino e etc.

Cara veja campeonato  da iska e os Brasileiros  de muay thai que na verdade  era kickboxing,  agora veja os caras de Curitiba  lutando  já  tinha  algo de thai, clinch já  tinha técnica, esgrima todos se perdiam acredito eu que se tivesse  essa onda de muay thai como hj o chute boxe seria uma escola  exemplar  de muay thai pq já tinha ali uma parada  , porém existia só  kickboxing  e depois  o MMA  ou vale tudo.

Brasileiro é  talento  puro.

Porém é  burro, preguiçoso,  não  gosta de treino  e nem estudar a luta vai tudo mó intuitivo  já vi cara falar,  que nada  tendo gás  eu me viro, aí uma hora a merda  vem...E vi tantas...vi um cara que era espetacular  tomou um nocaute nunca mais treino na vida ...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this