Ultimate Fighter

O verdadeiro motivo de Rickson não ter lutado no UFC- By Big John McCarthy

Recommended Posts

31 minutos atrás, oxeboxing disse:

Algumas coisas nesse fórum é simplesmente difícil de acreditar. 

Vocês sabiam que como metodologia cientifica criar registro históricos vindo somente de boca-a-boca é falho e não tem credibilidade como trabalho científico? Ou seja, se eu simplesmente quiser fazer um livro contando a história sobre uma determinada arte-marcial brasileira e todo meu registro for unicamente baseado em relatos verbais de quem viveu a época ou de quem foi conterrâneo a época esse trabalho se torna inválido academicamente pois essa é a metodologia mais falha que existe, e é bem óbvio saber o motivo pois PESSOAS MENTEM, e isso é básico até pra quem é uma criança, eu posso ser o cara mais foda em um determinado assunto e verbalmente contar uma narrativa em que é só minha e nela convencer outros de que isso é verdade porém isso é unicamente baseado no que sai da minha boca e não tem comprovação nenhuma em fatos testados, todo trabalho cientifico em que se queira teorizar sobre algo precisa de testes e evidências e o trabalho de um historiador é científico também! 

Acho uma puta falta de respeito menosprezar um cara que não tinha obrigação nenhuma de passar anos estudando sobre o próprio ganha pão, sobre o próprio amor pessoal a arte que pratica utilizando os meios minimamente honestos pra que se pudesse ser levado minimamente a sério, ele foi o cara que teve coragem de fazer as perguntas que muitos tinham e não tiveram voz pra fazê-las. 

O cara além de lutador é formado em história e utilizou dos métodos acadêmicos corretos para seus registros que é utilizar o que foi documentado oficialmente ao longo do tempo, como: jornais, registros de cartório, registros de imóveis, registros de eventos, de negócios envolvendo o nome dos interessados, entrevistas feitas ao longo do tempo em várias colunas, fotos, e como complemento relatos verbais que dentro de um contexto vão servir pra junta um grande quebra-cabeça que é contar uma história e envolve um trabalho sério e de dedicação, são esses métodos que contam a verdade pois eu simplesmente baseado unicamente em meu interesse pessoal posso dizer o que eu quero dentro de uma posição totalmente favorável a mim mesmo e isso é pelo menos pra mim tão claro como o sol. 

Questionar faz parte da natureza humana estamos todos nós em busca daquilo que de fato aconteceu e o trabalho do Robert e do Elton e de muitos outros nos traz a luz até sobre pessoas que passaram despercebido nessa época e que não ouvimos falar de tão sufocado que estamos por ficar escutando ininterruptamente a mesma história, sem esses caras iriamos entender que a família Gracie não era só Hélio e Carlos, que tiveram muitos outros japoneses que passaram aqui no Brasil, que outros brasileiros foram também fundamentais para o desenvolvimento do vale-tudo e de tudo que a gente pratica hoje em dia. 

E outra, o Robert nunca menosprezou a família, ele sempre falou, inclusive tem no livro que ele por mais que não possa provar certas coisas ele tem uma forte crença de que algumas coisas relatadas verbalmente pela família possam sim ser verdade, e ele também nunca menosprezou a importância do Carlos e Hélio em desenvolver e propagar o Jiu-Jitsu no Brasil e no mundo, antes de qualquer coisa pra a gente opinar é necessário ler a obra e escutar o que o autor quis dizer e aonde ele quis chegar com a obra e ficou sempre dito que o brasileiro merece saber que o Jiu-Jitsu que a gente pratica veio de uma conjunção de várias figuras ao longo do tempo e não somente da família Gracie. 

Simplesmente surreal. Resumidamente, é basicamente isso:

'Que merda de livro, que merda de autor, que merda de tentativa de desmerecer os Gracies. Que porcaria é essa que mostra o surgimento do jiu-jitsu no Brasil com documentos, registros e jornais cuja pesquisa se baseou em acervos históricos retirados da biblioteca nacional? Vamos seguir afirmando que o jiu-jitsu veio da Índia, que Maeda foi o maior expoente japonês pro surgimento do jiu-jitsu, que Hélio adaptou o judô pro seu corpo franzino criando o jiu-jitsu brasileiro, vamos seguir sem saber quem foi Geo Omori, irmãos Ono, Takeo Yano, George Gracie, Jachynto Ferro, Donato Pires. Prefiro acreditar na versão dos Gracies pq eles viveram tudo e vão falar de forma bem imparcial sobre eles mesmos' 

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 minuto atrás, Timbó disse:

Simplesmente surreal. Resumidamente, é basicamente isso:

'Que merda de livro, que merda de autor, que merda de tentativa de desmerecer os Gracies. Que porcaria é essa que mostra o surgimento do jiu-jitsu no Brasil com documentos, registros e jornais cuja pesquisa se baseou em acervos históricos retirados da biblioteca nacional? Vamos seguir afirmando que o jiu-jitsu veio da Índia, que Maeda foi o maior expoente japonês pro surgimento do jiu-jitsu, que Hélio adaptou o judô pro seu corpo franzino criando o jiu-jitsu brasileiro, vamos seguir sem saber quem foi Geo Omori, irmãos Ono, Takeo Yano, George Gracie, Jachynto Ferro, Donato Pires. Prefiro acreditar na versão dos Gracies pq eles viveram tudo e vão falar de forma bem imparcial sobre eles mesmos' 

Eu e vc temos debates sempre eu contra e vc geralmente  relativizado os gracies dentro do respeito. 

Mas eu sou justo.

Os gracies  apagaram o Jacinto ferro da história,  Donato Pires professor do Hélio sim, o Ono, Odorico deram aula pro George Gracie também. 

Que esse foi o primeiro expoente da família  Carlos foi empresário  nunca lutador ,Hélio cansou de dizer, Rilion também  nunca teve aulas com o pai , Carlos era uma espécie de líder só  em algumas partes porém em luta nunca se meteu praticamente, era Hélio e depois o Rolls que assumiu essa liderança,  Rickson  pelos relatos pensou muito em si, e foi embora  quando  era líder e jiu jitsu se expandiu sem um.dono..

Elton até fala que o Hélio foi o cara que neutralizou a capoeira , era temida no Rio , o Sadamaiaco  o que trouxe o jiu jitsu pro Brasil  dando aula a marinha foi derrotado.

Como ninguém os contestou vivos o Leitão,  professor Medhi  do judô,  Hugo Melo. 

A mídia era do jiu jitsu é ninguém  tremia de medo  deles assim como diziam  .

Ruas sozinho peitava a comunidade toda e ninguém teve coragem , a relatos de todos os lados,  Malubu, do lado do Rickson, Alan Goes e Bebeo , do.ladp Carlson. 

Viam o Ruas nego ficava quieto  calado.

Tinha a rua da bambina um grupo de lutadores  muitos da Capoeira  que a zona sul não  mexia e foram até até Molina pra buscar os Gracie  pela invasão. 

Eles eram duros e valentes. 

Mas ma boa já reparou que muito valentão  faz a fama batendo em cego? Ou seja em frouxo 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
17 minutes ago, Timbó said:

Simplesmente surreal. Resumidamente, é basicamente isso:

'Que merda de livro, que merda de autor, que merda de tentativa de desmerecer os Gracies. Que porcaria é essa que mostra o surgimento do jiu-jitsu no Brasil com documentos, registros e jornais cuja pesquisa se baseou em acervos históricos retirados da biblioteca nacional? Vamos seguir afirmando que o jiu-jitsu veio da Índia, que Maeda foi o maior expoente japonês pro surgimento do jiu-jitsu, que Hélio adaptou o judô pro seu corpo franzino criando o jiu-jitsu brasileiro, vamos seguir sem saber quem foi Geo Omori, irmãos Ono, Takeo Yano, George Gracie, Jachynto Ferro, Donato Pires. Prefiro acreditar na versão dos Gracies pq eles viveram tudo e vão falar de forma bem imparcial sobre eles mesmos' 

Resumiu. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
46 minutos atrás, Timbó disse:

Simplesmente surreal. Resumidamente, é basicamente isso:

'Que merda de livro, que merda de autor, que merda de tentativa de desmerecer os Gracies. Que porcaria é essa que mostra o surgimento do jiu-jitsu no Brasil com documentos, registros e jornais cuja pesquisa se baseou em acervos históricos retirados da biblioteca nacional? Vamos seguir afirmando que o jiu-jitsu veio da Índia, que Maeda foi o maior expoente japonês pro surgimento do jiu-jitsu, que Hélio adaptou o judô pro seu corpo franzino criando o jiu-jitsu brasileiro, vamos seguir sem saber quem foi Geo Omori, irmãos Ono, Takeo Yano, George Gracie, Jachynto Ferro, Donato Pires. Prefiro acreditar na versão dos Gracies pq eles viveram tudo e vão falar de forma bem imparcial sobre eles mesmos' 

Perfeito 

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, oxeboxing disse:

Algumas coisas nesse fórum é simplesmente difícil de acreditar. 

Vocês sabiam que como metodologia cientifica criar registro históricos vindo somente de boca-a-boca é falho e não tem credibilidade como trabalho científico? Ou seja, se eu simplesmente quiser fazer um livro contando a história sobre uma determinada arte-marcial brasileira e todo meu registro for unicamente baseado em relatos verbais de quem viveu a época ou de quem foi conterrâneo a época esse trabalho se torna inválido academicamente pois essa é a metodologia mais falha que existe, e é bem óbvio saber o motivo pois PESSOAS MENTEM, e isso é básico até pra quem é uma criança, eu posso ser o cara mais foda em um determinado assunto e verbalmente contar uma narrativa em que é só minha e nela convencer outros de que isso é verdade porém isso é unicamente baseado no que sai da minha boca e não tem comprovação nenhuma em fatos testados, todo trabalho cientifico em que se queira teorizar sobre algo precisa de testes e evidências e o trabalho de um historiador é científico também! 

Acho uma puta falta de respeito menosprezar um cara que não tinha obrigação nenhuma de passar anos estudando sobre o próprio ganha pão, sobre o próprio amor pessoal a arte que pratica utilizando os meios minimamente honestos pra que se pudesse ser levado minimamente a sério, ele foi o cara que teve coragem de fazer as perguntas que muitos tinham e não tiveram voz pra fazê-las. 

O cara além de lutador é formado em história e utilizou dos métodos acadêmicos corretos para seus registros que é utilizar o que foi documentado oficialmente ao longo do tempo, como: jornais, registros de cartório, registros de imóveis, registros de eventos, de negócios envolvendo o nome dos interessados, entrevistas feitas ao longo do tempo em várias colunas, fotos, e como complemento relatos verbais que dentro de um contexto vão servir pra junta um grande quebra-cabeça que é contar uma história e envolve um trabalho sério e de dedicação, são esses métodos que contam a verdade pois eu simplesmente baseado unicamente em meu interesse pessoal posso dizer o que eu quero dentro de uma posição totalmente favorável a mim mesmo e isso é pelo menos pra mim tão claro como o sol. 

Questionar faz parte da natureza humana estamos todos nós em busca daquilo que de fato aconteceu e o trabalho do Robert e do Elton e de muitos outros nos traz a luz até sobre pessoas que passaram despercebido nessa época e que não ouvimos falar de tão sufocado que estamos por ficar escutando ininterruptamente a mesma história, sem esses caras iriamos entender que a família Gracie não era só Hélio e Carlos, que tiveram muitos outros japoneses que passaram aqui no Brasil, que outros brasileiros foram também fundamentais para o desenvolvimento do vale-tudo e de tudo que a gente pratica hoje em dia. 

E outra, o Robert nunca menosprezou a família, ele sempre falou, inclusive tem no livro que ele por mais que não possa provar certas coisas ele tem uma forte crença de que algumas coisas relatadas verbalmente pela família possam sim ser verdade, e ele também nunca menosprezou a importância do Carlos e Hélio em desenvolver e propagar o Jiu-Jitsu no Brasil e no mundo, antes de qualquer coisa pra a gente opinar é necessário ler a obra e escutar o que o autor quis dizer e aonde ele quis chegar com a obra e ficou sempre dito que o brasileiro merece saber que o Jiu-Jitsu que a gente pratica veio de uma conjunção de várias figuras ao longo do tempo e não somente da família Gracie. 

Espetacular 

Share this post


Link to post
Share on other sites
7 horas atrás, Timbó disse:

Baseado em que tu afirma que o cara é irrelevante como historiador? Drsydale fez uma pesquisa de anos, viajou pra diversos lugares coletando informações e documentos, foi ao Japão, templo da Kodokan, inclusive entrevistou praticantes das extintas Ryu's lá 

Tu acredita na versão dos Gracies sobre a história DELES MESMOS dentro do jiu-jitsu no Brasil e tenta desmerecer e ser cético quanto ao livro do Drysdale, chegando ao ponto de afirmar que o cara sequer trabalhou no livro? Já vi nego ser xiita quanto á adoração aos Gracies, mas tu tá se superando ao ponto de tentar desacreditar o trampo de um cara que ralou pra conseguir terminar o trabalho dele. Isso é simplesmente patético, coisa de moleque mesmo

Novamente, pq não sei tu tá fugindo da pergunta ou sequer leu o livro: mostre quais os pontos fracos do livro, além dos pontos tendenciosos

Não passei da décima página, mal escrito, narrativa ruim, joguei dinheiro no lixo.

Share this post


Link to post
Share on other sites
1 hora atrás, Axiotis disse:

Não passei da décima página, mal escrito, narrativa ruim, joguei dinheiro no lixo.

Vc critica um livro que sequer leu?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Li o livro inteiro e ele passa longe de desmerecer a família Gracie, inclusive entrevista pessoas da família no livro, ou seja mostra os dois lados da história. O que o livro contesta é a relação entre o Carlos e o Conde Koma...a relação não foi tão direta assim, a história dos Gracie omitiu algumas pessoas importantes na história, ficou mais bonita, mais marketeira. Eles sempre esconderam tbm que o gato ruivo era o mais bravo da família mas como não seguia a linha do Carlos/Hélio foi esquecido nesta história tbm, da crédito a parte de chão do Judô japonês...ele mostra estes pontos esquecidos, só isto.

Share this post


Link to post
Share on other sites
31 minutos atrás, João P disse:

Li o livro inteiro e ele passa longe de desmerecer a família Gracie, inclusive entrevista pessoas da família no livro, ou seja mostra os dois lados da história. O que o livro contesta é a relação entre o Carlos e o Conde Koma...a relação não foi tão direta assim, a história dos Gracie omitiu algumas pessoas importantes na história, ficou mais bonita, mais marketeira. Eles sempre esconderam tbm que o gato ruivo era o mais bravo da família mas como não seguia a linha do Carlos/Hélio foi esquecido nesta história tbm, da crédito a parte de chão do Judô japonês...ele mostra estes pontos esquecidos, só isto.

Fora figuras importantíssimas como Geo Omori e Jachynto Ferro, os principais professores dos Gracies e que são totalmente esquecidos 

Drysdale sempre frisa que os créditos que dão ao Maeda é algo superestimado, que Carlos foi muito mais importante e é o pai do jiu-jitsu brasileiro

Share this post


Link to post
Share on other sites
19 horas atrás, Timbó disse:

Vc critica um livro que sequer leu?

Vi e li diversas entrevistas antes que ele conta a espinha dorsal da sua conclusão e do que acha. Comprei pra entrar no detalhe, tentei ler e não consegui pq e uma merda ué. Seria uma tortura continuar.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now