Cesar_Rasec

Membros
  • Content Count

    1923
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

0 Neutra

About Cesar_Rasec

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. Só pra constar, ficou repetitivo porque o fórum inteiro discordou da sua opinião, então você respondeu 10 vezes a mesma coisa pra umas 5 ou 6 pessoas diferentes. Muito por conta dessa necessidade de dar a palavra final que a discussão fica interminável (principalmente se tiver mais de um forista contrapondo). Eu falei das “vozes na cabeça” porque você costuma criar teorias que requerem conhecimentos específicos, sendo que sua única fonte sempre é você mesmo. Aconteceu algo similar no tópico que discutimos sobre envergadura/potência nos golpes. Mas enfim, segue o barco.
  2. Vou te dar o conselho que o Raphael Rezende deu pra mim: desencana. A discussão é tão infundada que nem vale a pena mesmo. Inclusive é só voltar umas páginas que tem o relato de um médico americano dando a explicação científica dele. Porem, na cabeça do forista, o atleta só pode perder massa muscular, reflexo, velocidade, gás, mas jamais a resistência aos golpes. Chega a ser engraçado até. Aí ele começa a repetir a mesma coisa 10 vezes, como se fosse um mantra, achando que desse modo se tornará verdade. Inclusive escreve uma coisa, passa horas, as vezes dias editando os comentários pra continuar dando a mesma volta (sem apresentar estudo algum, sendo a única fonte: Vozes na cabeça).
  3. Só na sua cabeça não existe lógica explicativa. No post lá atrás tem médico explicando do ponto de vista da ciência (e nem precisava, pois é visível). Você inventou uma teoria absurda e quer reproduzir isso sem base alguma. Pra depois falar que perder o queixo é que não tem base. Nessa sua visão, você sempre vai achar outro fator que não a perda do queixo. Se o Minotauro levou porrada do fedor em 3 lutas, Bob Sapp, Cro Cop e não apagou, mas depois caiu pra um soco do Cain, ou do Mir, você vai encontrar alguma desculpa pra dizer que não foi pela perda da absorção. O cara mais “acertavel” dos pesados, que levou tudo quanto é tipo de pancada e não caia, de repente começou a ser nocauteado. Aí na sua retórica você inventa qualquer coisa mirabolante do tipo “Mas contra o Cain foi um soco que pegou no ângulo de 90 graus no queixo bla bla bla”... basta olhar o resto dos combates dele no pride pra constatar o absurdo. E depois você vai pegar um cara que sempre é nocauteado, mas por ventura não caiu em determinada luta pra dizer “tá vendo, não é que ele não tinha queixo, mas é porque aconteceu isso, isso e mais isso nos outros 37 combates que ele foi nocauteado”. Ao invés de pautar a regra, você tenta pautar a exceção pra justificar uma teoria que não tem fundamento. Como bem disse o Andrey, existem nocautes e nocautes. Obviamente que nem sempre é por conta do queixo. As vezes o cara pegou alguém que batia mais forte, as vezes foi uma sequência de golpes duros, etc. Realmente o Ngannou poderia nocautear o Roy Nelson no auge que não daria pra dizer que foi porque não tem queixo. Isso é óbvio. Agora, se você pegar um cara que não caia por nada, mesmo lutando contra atletas que batiam mais pesado e de repente ele começa a ser nocauteado seguidas vezes, resta óbvio que não são apenas reflexos como você insiste em dizer. E o pior que tem casos notórios, exemplos reais que foram citados aqui, por diferentes colegas... mas como você é turrão e gosta de polemizar, vai insistir nisso aí hahaha
  4. Confesso que também fico porque é algo tão latente... médicos, cientistas do esporte e até mesmo os próprios lutadores já falaram a respeito... mas enfim, se não há meios de convencer, então melhor deixar pra lá.
  5. Luiz, você deveria rever essa teoria que você inventou e insiste em trazer à baila (sobre o queixo não vencer). Isso acontece até de maneira bem óbvia. E não é porque um lutador foi nocauteado em uma luta e não foi no combate seguinte, que isso prova que o queixo não é o problema. Você tem que analisar o contexto de modo geral. O Cigano de hoje não aguentaria nem metade das pancadas que aguentou do Cain. O Liddell terminou a carreira caindo com qualquer sopro. Um médico americano até fala sobre isso e usa o Chuck como exemplo. Ele explica porque com o passar do tempo o lutador vai perdendo o “queixo” e ficando mais suscetível ao nocaute. https://www.google.com.br/amp/s/syndication.bleacherreport.com/amp/1668009-the-science-underlying-the-fighters-chin-what-makes-a-fighter-durable.amp.html Dr. Alessi diz o que acontece: An interesting fact about this issue is that a fighter’s capacity to absorb damage tends to diminish over time—a fact which supports the notion that the composition of one’s “chin” is multifactorial. Chuck Liddell is one such fighter who made the journey from extreme durability to almost-comical fragility. As his career progressed, watching the deterioration of “The Iceman’s” punch resistance was almost as compelling as the fights themselves. “Some fighters believe the more you get hit in the head, the more you build up an immunity to damage,” Dr. Alessi points out. “These people think: ‘The more I get hit, the tougher I get.’ But it’s more like: ‘The more you get hit, the dumber you get.’ That’s one of those gym fallacies that has been going around for years. “The nerve cells are almost like long, fine threads in the brain. What is happening is, with a concussion, you are shearing those nerve cells and rupturing those membranes…Referring back to the threshold of the brain for injury, each time the brain is injured, the threshold goes down, making it more susceptible to further damage.”
  6. Desanima não, meu amigo... da o máximo de suporte pra ela e tenta manter a energia lá no alto... cada um tem as suas crenças, mas independente de qualquer coisa é sempre bom transparecer otimismo pra quem tá enfrentando um problema grave. Desejo melhoras pra sua mãe. Grande abraço.
  7. O grande problema pro DC foi ser contemporâneo do Jones. Veja bem, se o DC tivesse vindo antes, dominado a categoria (ainda que fosse por pouco tempo) e depois perdesse duas vezes para o Bones, não ficaria marcado por isso. O Aldo nunca ficou marcado por perder duas do Holloway. O Anderson nunca ficou marcado por perder duas vezes do Weidman. Eles vieram antes e fizeram muito mais do que seus algozes, inclusive. O que pega o DC é que o Jones era o campeão e o gordinho quem estava vindo pra destronar. Inclusive se fosse o oposto, se o Cormier tivesse vencido o Jones duas vezes, o recordista de defesas da LHW não teria ficado marcado por isso. Mas como o Cormier conseguiu ser campeão dos meio pesados? Com o Jones sendo destituído. Depois que passou a suspensão e ele voltou pra categoria, o que aconteceu? Foi lá e bateu no gordinho de novo. A grande coroação da carreira do DC foi o título dos pesados. Mas ele perdeu logo em seguida (venceu o Lewis e depois perdeu a revanche). Entao assim, nunca nós vamos falar da “ERA CORMIER”. Ela não existiu. A melhor fase dele foi vivida na “ERA JONES”. E só pra ficar claro, eu também acho o Cormier um lutador fora de série. Também acho que ele é muito mais do que duas derrotas pro Jones. Eu só to explicando o porquê (na minha interpretação) dele ficar “marcado” enquanto outros atletas não ficam.
  8. Oooo porcariaaa... tava ansioso pra ver essa luta... capaz do Durinho perder a vez numa dessa. Duvido nada que acertem uma nova data com Masvidal no lugar dele.
  9. São duas coisas distintas, como você mesmo colocou. Parece que se você criticar um aspecto de determinado lutador, já vem gente respondendo outras coisas que você nem disse... eu vejo isso com o GSP. O cara era amarrão ao extremo, fazia lutas chatíssimas, mas quando alguém diz isso, sempre vem aquela chuva de pedras. Porra, também enxergo o canadense top5 da história por tudo que fez, mas isso não me impede de achar que o cara fazia lutas monótonas e nem de constatar um fato, pois ele realmente era um amarrão.
  10. Foda demais perder um pai ou uma mãe, quem já passou por isso sabe... agora resta mandar boas energias a ele e a toda família. Obs: O pai dele era jovem, 57 anos hoje em dia ainda tem bastante lenha pra queimar.
  11. Como já disseram, espero que não pegue um Hooker ou Felder. Alto risco e não colocaria ele na mira do título em caso de vitória. Eu gostaria de assistir Charles vs Khabib pelo estilo de ambos, mas acho que é muito difícil de acontecer. Russo quase não luta, Charles entra como underdog contra qualquer um do top5 (com muitas chances de perder), não vejo um momento pra esse combate. Mas enfim, esse cara sempre tem minha torcida, só faz luta empolgante. Não sei de nenhum atleta do UFC com uma média tão alta de combates finalizados. O Charles entra pra matar ou morrer, nunca vai pra decisão. Lutador que busca o solo, mas quando não consegue acaba saindo na mão sem medo de ser feliz (ou cair duro rs).
  12. Só não entendi essa parte... o Cigano sempre teve um bom gás. Por que se o Minotauro segurasse no 1º round o Cigano viraria zebra? A chance de nocautear no segundo seria praticamente a mesma. Essa lógica vale pra lutador que tem cardio ruim, ou que se frustra, tipo o Vitor Belfort. O Cigano sempre foi um lutador resiliente. Aguentou pancada do Cain por 5 rounds, venceu o Miocic, Rothwell e Ivanov em 5 rounds, bateu no Carwin e no Nelson por 3 rounds. Nocauteou o Hunt e o Cro Cop no 3º round... Mir, Lewis e Tuivasa no 2º. Enfim, acredito que o Cigano seria perigoso a luta inteira para o Minotauro. E na minha opinião venceria (fosse por nocaute ou por pontos).
  13. Concordo com tudo que você disse. Realmente pra analisar as lutas o Vitor Miranda é show. Esse entende bastante do riscado.
  14. Também acho que é bem por aí. Da até pra fazer uma analogia com os “influencers” falando de bolsa de valores. Talvez o cara que mais tenha seguidores seja aquele Thiago Nigro (que tem o canal primo rico no YouTube). Você encontra caras muito melhores nas análises técnicas e que sabem muito mais. Só que esse Nigro é bastante didático e é o cara que melhor explica o básico (para leigos). Aí você pega os números e constata que em 2018 existiam 600 mil CPFs cadastrados na bolsa e que até a metade de 2020 temos quase 2 milhões. Ou seja, muita gente que nunca investiu em renda variável está entrando nesse mercado... e quem vai tá lá explicando e vendendo cursos? O cara que sabe se comunicar com esse tipo de público. Enfim, fugi do tema pra dizer que vejo as análises do Renato desse mesmo modo. Ele é um cara que escreve muito bem e tem uma boa retórica sobre temas básicos. Ele consegue ser claro pra explicar o óbvio. Méritos dele e que continue divulgando o esporte para o maior número de pessoas possíveis.