SgtBlackStar

Membros
  • Content Count

    713
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by SgtBlackStar

  1. Anthony Smith critica Jon Jones: “Escolheu o oponente mais fácil” Jon Jones é o atual campeão meio-pesado (93 kg) do UFC – Rigel Salazar Ao que tudo indica, Dominick Reyes deve ser mesmo o próximo desafiante ao cinturão peso-meio-pesado (93 kg) do Ultimate. O atleta foi, inclusive, escolhido pelo próprio Jon Jones, atual campeão da categoria, como o próximo oponente a tentar destroná-lo. Porém, de acordo com Anthony Smith, ex-desafiante ao título, ‘Bones’ selecionou o rival que representa o menor nível de perigo. Ao podcast oficial do Ultimate ‘UFC Unfiltered’, Anthony Smith afirmou que, apesar de Reyes possuir bons atributos, Corey Anderson – que também pleiteia uma chance de disputar o cinturão – seria o rival mais difícil para Jon Jones. De acordo com ele, Anderson – que vem de vitória sobre a sensação da categoria, Johnny Walker – possui um jogo mais completo, algo incomum, segundo Smith, nos últimos desafiantes ao título da divisão. “Eu honestamente penso que Jon (Jones) provavelmente escolheu o oponente mais fácil entre Corey Anderson e Dominick Reyes. Eu acho que Reyes é mais perigoso no que diz respeito a explosão, tamanho e comprimento. Acho que ele pode dar alguns problemas para Jon em pé, e Jon vai precisar desviar de algumas balas. Mas olhe para todos que Jon venceu, eles são unidimensionais, e é isso que Jon quer”, explicou Anthony Smith, antes de completar. “Eu acho Corey mais completo. Ele tem bons fundamentos no boxe. Seus chutes não são de tão alto nível, mas ele mantém suas mãos nos lugares corretos. Ele move sua cabeça bem. Seu wrestling é bom. A defesa de queda dele é muito boa, a pressão por cima também. O cardio dele é fenomenal. Corey apresenta muito mais problemas (para Jon Jones) do que Dominick Reyes. Então, eu acho que Jon escolheu a luta mais fácil”, afirmou o lutador. Apesar de Dominick Reyes se manter invicto em sua carreira após 12 combates, Anthony Smith observa falhas que podem ser expostas em um futuro duelo contra Jon Jones. Para corroborar sua opinião, o lutador relembrou os dois confrontos mais recentes do colega dentro do octógono, contra Volkan Oezdemir e Chris Weidman, respectivamente. “Como nós vimos na luta com Volkan Oezdemir, Dominick Reyes não é necessariamente dominante no chão, e sua defesa de quedas não é tão boa. Apesar de ter conseguido defender algumas (quedas) de Weidman – ele teve uma certa melhora aí -, mas Volkan Oezdemir o derrubou várias vezes e Jon Jones é um wrestler muito melhor que Volkan Oezdemir, isso é certo”, concluiu. Ainda que não tenha sido confirmada oficialmente pelo UFC, a disputa entre Dominick Reyes e Jon Jones pelo cinturão meio-pesado da organização deve realmente acontecer. Corey Anderson, que também pede por uma oportunidade de lutar pelo título, deve esperar pelo vencedor deste confronto. Já Anthony Smith, penúltimo desafiante a tentar destronar Jon Jones, busca engatar uma boa sequência de vitórias para ter novamente uma chance de desafiar o campeão. https://agfight.com.br/anthony-smith-critica-jon-jones-escolheu-o-oponente-mais-facil/
  2. Romero provoca e diz que Adesanya ‘não dorme’ ao pensar em possível luta entre eles Yoel Romero mira disputar o cinturão peso-médio do Ultimate – Diego Ribas Yoel Romero segue na esperança de ser o próximo adversário de Israel Adesanya pelo cinturão do peso-médio (84 kg) do Ultimate. Apesar de Dana White, presidente do UFC, rechaçar essa possibilidade, o cubano crê que com um discurso provocativo ao atual campeão, possa chamar ainda mais a atenção e fazer a franquia mudar de ideia. O nigeriano ainda não tem data e nem adversário para a sua primeira defesa de título. Em entrevista à ‘ESPN’, o cubano, mesmo em uma sequência de dois combates sem vencer no Ultimate, afirmou que ainda se considera o melhor lutador da categoria. Sem se abalar com a má fase, e com a confiança em alta, Romero confia que Adesanya também tem o desejo de poder enfrentá-lo para mostrar que merece ser o dono do cinturão. “Israel não está dormindo. Quando ele vai para a cama e deita, ele diz: ‘Eu preciso lutar com esse cara. Preciso lutar com ele porque preciso dizer para meu espírito, minha alma que sou o campeão do mundo. Porque ele sabe. O verdadeiro campeão no peso-médio todo mundo sabe quem é”, disse o lutador, completando. “As pessoas querem ver os melhores lutando. Quem é o melhor peso médio agora? Eu luto contra todos, as melhores pessoas da minha divisão, os melhores lutadores, e os venço. Eu não perco. Eu venci todo mundo. Sinto que estou pronto para o dia que perco, porque todos têm o começo e o fim de sua carreira. Mas ainda não é meu dia. Ainda estou treinando, ainda estou com fome”, finalizou o cubano. Em julho de 2017, Romero teve a oportunidade de conquistar o cinturão interino dos médios, mas acabou derrotado por Robert Whittaker. Após este confronto, em três combates o cubano só venceu Luke Rockhold, sendo derrotado novamente por Whittaker e na sua última apresentação, em agosto deste ano, para Paulo ‘Borrachinha’. https://agfight.com.br/romero-provoca-e-diz-que-adesanya-nao-dorme-ao-pensar-em-possivel-luta-entre-eles/
  3. Adesanya provoca ‘Borrachinha’ e afirma que o “envergonharia” em possível luta Israel Adesanya não deixa de alfinetar Paulo ‘Borrachinha ‘ – Tyler Misiak Israel Adesanya e Paulo ‘Borrachinha’ já nutrem uma rivalidade de longa data e estavam perto de resolverem suas questões dentro do octógono, com o nigeriano campeão do peso-médio (84 kg) e o brasileiro como desafiante número um. Entretanto, o atleta tupiniquim passou por uma cirurgia no bíceps que deve adiar este confronto. Ciente desta situação, o detentor do título não deixou de provocar seu desafeto. Em entrevista ao site ‘MMA Fighting’, o nigeriano cutucou o brasileiro ao dar a entender que ele ‘fugiu’ de um duelo contra ele, por não ter se programado para sua operação. Dessa maneira, ele indicou que o rival da categoria possa perder sua chance de conseguir uma chance pelo título e afirmou que o teria ‘humilhado’ no octógono. “Acredito que ele (‘Borrachinha’) não estava pronto para lutar. Se ele estivesse disposto mesmo a me encarar, faria tudo certo para ficar em forma para a luta. Eu nunca desisto. Mas, para ele, isso pode impedir que tenha uma oportunidade de lutar pelo cinturão, infelizmente”, disse, complementando. “Eu queria enfrentar logo o ‘Borrachinha’, porque quero ter a oportunidade de bater nele antes que a USADA o pegue. Estava ansioso para essa luta, porque sei que seria muito vendida, com bons números. Ele tentaria falar mal de mim com seu péssimo inglês, e eu o envergonharia, tanto nos microfones, quanto no octógono”. Com ‘Borrachinha’ praticamente descartado para a sua primeira defesa de cinturão, Adesanya citou outro nome da categoria que o tem chamado a atenção: Jared Cannonier. O campeão exaltou as qualidades do americano e se mostrou ansioso para um possível confronto entre os dois. “Ele (Cannonier) é um monstro. Ele é um azarão nos médios, porque todos na divisão sonham, mas se vacilarem ele te coloca para dormir. Acho ele o lutador mais perigoso da categoria, somente atrás de mim. Acho que seria um confronto que se venderia sozinho, somente pela qualidade dos atletas”, finalizou. Invicto na carreira após 18 combates, Israel Adesanya unificou os cinturões do peso-médio do Ultimate em outubro deste ano, quando nocauteou Robert Whittaker. No UFC, o lutador tem sete vitórias. https://agfight.com.br/adesanya-provoca-borrachinha-e-afirma-que-o-envergonharia-em-possivel-luta/
  4. Turman comemora triunfo e atenção criada por rival vestido de Coringa: “Vão falar de mim” Wellington Turman venceu Markus ‘Maluko’ no UFC São Paulo – Leandro Bernardes/PxImages Uma das promessas do MMA nacional, Wellington Turman conquistou sua primeira vitória no Ultimate no último sábado (16), no card principal do UFC São Paulo. E se na véspera da peleja Markus ‘Maluko’, seu adversário, roubou a cena ao aparecer de ‘Coringa’ na pesagem cerimonial, após o duelo entre os pesos-médios (84 kg) foi o jovem paranaense, de 23 anos, quem sorriu por último. Com comportamento mais comedido, Turman viu o extrovertido Markus ‘Maluko’ ser o centro das atenções da mídia durante grande parte da semana pré-show. Especialmente depois de seu oponente surpreender a todos na pesagem cerimonial, fantasiado como o vilão da franquia ‘Batman’. Em conversa com a imprensa após sua vitória no UFC São Paulo – com a presença da Ag. Fight –, o peso-médio revelou que se beneficiou da atenção criada pelo rival para o combate entre eles para promover seu nome dentro do octógono. “Foi bem engraçado o que ele fez ontem (sexta-feira). Eu achei sensacional porque ele ganhou muitos seguidores e jogou meu nome lá para cima. Eles falaram muito dele ontem, mas hoje (sábado) eles vão falar de mim porque eu fui lá e mostrei que o Coringa não serviu para nada. Turman chegou para salvar Gotham”, brincou Wellington, antes de completar. “É como eu falei (antes). Ele escolheu um personagem derrotado. Na hora que ele entrou com aquilo lá (na pesagem) foi engraçado, deu muita mídia, mas eu já estava preparado para falar aquilo (que o Coringa sempre perde)”, explicou o peso-médio, ao lembrar sua entrevista pós-luta, ainda no octógono, na qual relembrou que o vilão sempre sai derrotado na história. O duelo de três rounds entre os compatriotas foi bastante movimentado, com ambos aceitando a trocação franca em vários momentos da luta. Mas nem mesmo os golpes inusitados desferidos por ‘Maluko’ assustaram Truman, que relembrou os treinamentos com o peso-pesado Augusto Sakai – seu companheiro de time e também atleta do UFC – para afirmar que está preparado para o confronto em pé no octógono mais famoso do mundo. E com o domínio na maior parte da peleja, o paranaense arriscou até mesmo algumas provocações durante a luta. “Ele deu alguns golpes muito inesperados, mas eu tenho o queixo muito duro, aguento muita porrada. Saio na mão com o Sakai, que é um peso-pesado. Mas eu acho que tive o controle da luta, consegui acertar os melhores golpes, consegui derrubá-lo, estava sempre no domínio. Acho que ele não estava sorrindo tanto hoje (risos)”, declarou Turman, antes de comentar sobre o momento no qual provocou ‘Maluko’ após um golpe sofrido. “Falei pra ele bater mais forte. Ele estava batendo muito fraco (risos). Eu estava provocando bastante porque ele fez aquele show todo ontem (sexta-feira), então eu tinha que fazer a minha parte hoje (sábado). Eu sempre fui um cara bastante provocador. Já fiz isso várias vezes em algumas lutas. E eu falei que o jogo dele não ia colar comigo. Se ele me provocasse eu ia provocá-lo mais ainda, e a gente ia ficar ali até um cair”, contou o lutador, que, apesar da rivalidade dentro do octógono, garantiu ter ficado amigo do adversário, a quem elogiou como pessoa. O triunfo sobre Markus ‘Maluko’ foi o primeiro de Wellington Turman no Ultimate. O peso-médio havia estreado na organização com derrota para Karl Roberson em julho deste ano, pelo UFC Sacramento. O jovem lutador revelou ainda que pretende retornar ao octógono mais famoso do mundo nos primeiros meses de 2020. https://agfight.com.br/turman-comemora-triunfo-e-atencao-criada-por-rival-vestido-de-coringa-vao-falar-de-mim/
  5. Embalado por vitória em São Paulo, ‘Massaranduba’ cogita luta contra Edson Barboza Francisco ‘Massaranduba’ derrotou Bobby Green no UFC SP – Leandro Bernardes/PxImages Embalado com a vitória no UFC São Paulo, no último sábado (16), quando superou Bobby Green por decisão dos jurados, Francisco ‘Massaranduba’ já mira seu próximo adversário e escolheu um brasileiro. Trata-se de Edson Barboza. O ex-integrante do ‘The Ultimate Fighter Brasil 1’ afirmou que aprova essa possibilidade de um duelo contra o compatriota, que atualmente é o décimo colocado do ranking do peso-leve (70 kg). Em conversa com a imprensa após sua apresentação – com a presença da Ag. Fight -, ‘Massaranduba’ levantou a chance dele e Edson Barboza encabeçarem o evento que o Ultimate está planejando para Brasília, em março de 2020. O lutador acredita que pelo carisma de ambos os lutadores, seria um bom combate para o público e chamaria a atenção do Brasil. “Eu quero lutar em Brasília. Não tenho nada contra o (Edson) Barboza, para mim ele é o melhor lutador de muay thai do Brasil, mas p***, já pensou eu e Barboza fazendo um luta lá em Brasília? Nós dois brasileiros, acho que o público ia gostar para caramba. Eu gosto do Barboza também, mas seria interessante uma luta entre nós dois. O pessoal gosta bastante dele também. Eu não estou desafiando ele. Eu acho que é uma luta boa para o público. Fecharmos um card em Brasília, um main event ou uma luta pra vender para o público”, afirmou. Apesar de nada ter sido confirmado pela organização, ‘Massaranduba’ já visualizou como seria um possível confronto diante de Edson Barboza. Com um estilo agressivo e de nunca fugir de um combate em pé, o brasileiro destacou que não temeria a trocação do compatriota, que é especialista em muay thai. “Rapaz, eu tenho certeza que vamos só nos quebrar na porrada em pé. O Barboza é duro, mas eu tenho parceiros de treino duros também, de muay thai, igual aquele estilo. Nossa escola é boa de trocação. Eu dou conta de fazer cinco rounds e vai ser só trocação. Estou pronto. Eu treino para fazer cinco rounds”, completou. Com 41 anos, Francisco ‘Massaranduba’ tem 24 vitórias e sete derrotas na carreira. No Ultimate desde 2012, o brasileiro soma 14 triunfos e seis reveses dentro do octógono. https://agfight.com.br/embalado-por-vitoria-em-sao-paulo-massaranduba-cogita-luta-contra-edson-barboza/
  6. Dana White aconselha Fury a permanecer no boxe: “Por que vir para cá e ser massacrado?” Conor teria oferecido ajuda com os treinos de Fury em sua transição para o MMA – Dan Wainer Tyson Fury, uma das maiores estrelas do boxe da atualidade, revelou recentemente que pretende migrar para o MMA em breve. No entanto, Dana White não concorda com essa empreitada do pugilista inglês. Na opinião do presidente do Ultimate, o peso-pesado teria muito mais a ganhar se permanecesse competindo nos ringues ao invés de nos octógonos. Em entrevista ao site ‘TMZ Sports’, o cartola do UFC revelou que não entendeu o motivo que fez com que Fury cogitasse essa possibilidade. Apesar de não fechar as portas de sua organização para o pugilista, Dana destacou que essa possível transição seria prejudicial para a carreira do peso-pesado inglês. “Eu adoro o Tyson Fury, acho que ele é uma das principais estrelas dos esportes de combate atualmente… Lutas gigantes podem ser feitas com ele. Tyson Fury teve dificuldades em sua última luta de boxe, vir para o MMA é uma história completamente diferente. É como se eu mandasse um daqui para enfrentá-lo (no boxe). Tudo é possível, se o Tyson Fury quer lutar MMA, tenho inúmeros caras que gostariam de enfrentar ele”, analisou Dana, antes de aconselhar o boxeador. “Mas não consigo saber o porquê, não entendo por que ele quer (vir para o MMA). Eu não deveria estar dizendo isso, olhando para os dois esportes… Ele é um dos melhores no boxe, e sendo promovido da forma correta, pode protagonizar uma das maiores lutas da história dos pesos-pesados. Então por que vir para cá (UFC) e ser massacrado quando você pode ficar lá? Por que pensar em vir para cá?”, completou o chefão do UFC. Mas apesar do conselho de Dana, Tyson Fury parece determinado a migrar para as artes marciais mistas. O boxeador afirmou, inclusive, que Conor McGregor, um dos principais astros do MMA, o ajudaria nos treinos para realizar sua transição de modalidade. Um dos principais astros da nobre arte, o peso-pesado inglês já obteve o título mundial das principais organizações de boxe de sua categoria. https://agfight.com.br/dana-white-aconselha-fury-a-permanecer-no-boxe-por-que-vir-para-ca-e-ser-massacrado/
  7. Usman vê Masvidal com “sorte” e diz que americano não o impressiona: “Não mudou nada” Kamaru Usman não está impressionado com a fase de Masvidal – Jason Silva/ PXImages Campeão do peso-meio-médio (77 kg) do Ultimate, Kamaru Usman vai defender seu título no dia 14 de dezembro, contar Colby Covington, no UFC 245. Entretanto, o nigeriano está atento a outro nome da categoria: Jorge Masvidal. Recentemente, o americano conquistou o cinturão ‘BMF’ (mais “durão” do mundo) ao vencer Nate Diaz. Para o lutador africano, seu colega de divisão está apenas ‘surfando’ a onda da sorte e não tem o impressionado. Em entrevista ao site ‘MMA Fighting’, Usman afirmou que tem visto o mesmo Masvidal de anos atrás e não aponta nenhuma evolução em seu jogo. De acordo com o nigeriano, ainda falta um combate em que o americano se imponha e o diz que ele só está em evidência porque ‘roubou’ a fama de Ben Askren, ao nocauteá-lo em cinco segundos. “Eu não diria que fiquei impressionado. Porque Masvidal não mudou nada. Ele é o mesmo cara. Ele lutou da mesma maneira. É apenas uma questão de sorte. Ele está tendo essa sorte. Ainda não o vi lutar e dominar um meio-médio do começo ao fim”, afirmou o campeão, completando o raciocínio sobre a constância do americano. “(O Masvidal é) o mesmo cara que ganha uma ou duas (lutas) e depois perde uma ou duas (lutas). Ainda é o mesmo cara. Por ter acertado uma joelhada de uma maneira tão impressionante, ele roubou esse ‘hype’ que (Ben) Askren estava potencialmente montando. Isso tem muito a ver com onde ele está agora”. Apesar de não ver Masvidal tão dominante na categoria, Usman não se opõe e uma possível luta entre os dois. Caso defenda seu título, em dezembro, o nigeriano abriu as portas para um combate contra o americano. Sua explicação para aprovar esse duelo é, justamente, por esse ‘status’ que o ‘Gamebred’ conquistou no Ultimate. “Eu gosto do fato de que ele tem todo esse ‘hype’. Traz muitos olhos (para uma possível luta). Então, se essa luta for feita, eu estaria realmente muito interessado”, finalizou. Após derrotar Tyron Woodley, Kamaru Usman vai para a sua primeira defesa de cinturão contra Colby Covington, em dezembro deste ano. Já Jorge Masvidal ainda não tem previsão de quando voltará a lutar novamente. Existe a expectativa do americano ser o novo desafiante ao título da divisão, mas ainda nada confirmado pelo UFC. https://agfight.com.br/usman-ve-masvidal-com-sorte-e-diz-que-americano-nao-o-impressiona-nao-mudou-nada/
  8. Demian Maia desaprova criação de cinturões paralelos no UFC: “Fica mais palhaçada” Demian Maia sonha em disputar novamente o cinturão do Ultimate – Leandro Bernardes No último sábado (2), Jorge Masvidal conquistou o badalado cinturão ‘BMF’ (de mais durão do Ultimate), ao derrotar Nate Diaz, na luta principal do UFC Nova York. Porém, essa criação de um novo título, em paralelo aos tradicionais das categorias, incomodou Demian Maia. Apesar de concordar no seu valor em termos de marketing e como ele pode dar lucros, o brasileiro fez uma avaliação do que isso pode ocasionar na franquia. Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag.Fight, o faixa-preta de jiu-jitsu afirmou que, caso o Ultimate siga essa linha e faça outros títulos, pode acabar gerando a perda de interesse nos cinturões das divisões. Segundo Maia, ele vê o UFC, dessa maneira, traçando o mesmo caminho dos eventos de telecatch, que visam mais o show do que as lutas. “Eu, particularmente, acho que é interessante pelo marketing. Mas acho que acaba indo para o lado do telecatch, fica mais palhaçada, no meu ponto de vista. Mas não sou o dono da verdade. Talvez isso gere um bom mercado. Se me dessem (o cinturão) de melhor grappler seria legal (risos). Mas vejo isso enfraquecendo o cinturão de verdade. Mas como marketing, faz parte do show”, afirmou o atleta tupiniquim, que vem de triunfo sobre Ben Askren. Entretanto, fora a questão do ‘BMF’, a vitória de Jorge Masvidal no UFC 244 foi benéfica para Demian Maia. A explicação é que com este triunfo, o americano pode se colocar entre os postulantes ao título dos meio-médios (77 kg) e, assim, possa cumprir uma promessa que lhe fez. Caso o conquiste, o ‘Gamebred’ afirmou que vai dar ao brasileiro uma chance de disputar o cinturão contra ele. Pelo menos essa é a confiança do faixa-preta de jiu-jitsu. “A mensagem dele é que caso fosse campeão, guardaria uma luta e me daria a chance de lutar pelo título. Então vou torcer para ele mais do que nunca agora (risos). Ele vem evoluindo, é duríssimo. Acho que ele vai ganhar uma chance de disputar o título contra o Usman ou o Colby. São dois caras duros, acho que tanto o Usman, quanto o Colby são favoritos. Mas se ele ganha e cumpre essa promessa, seria um golaço. Eu teria novamente uma chance de lutar pelo título”, afirmou o brasileiro, que possui mais duas lutas no seu contrato com o Ultimate. O título dos meio-médios será disputado no dia 14 de dezembro, na luta principal do UFC 245. O atual campeão, Kamaru Usman, vai defender pela primeira vez o título diante de Colby Covington. https://agfight.com.br/demian-maia-desaprova-criacao-de-cinturoes-paralelos-no-ufc-fica-mais-palhacada/
  9. Protagonistas do UFC Rússia levam R$ 208 mil por prêmio de ‘Luta da Noite’ Além de vencer a luta principal do UFC Rússia contra Calvin Kattar e se aproximar de uma disputa pelo cinturão peso-pena (66 kg) da organização, Zabit Magomedsharipov saiu do evento deste sábado (9) com a conta bancária mais recheada. Os dois protagonistas da noite foram agraciados com o prêmio de ‘Luta da Noite’ e vão receber um bônus de 50 mil dólares (cerca de R$ 208 mil). Superior durante grande parte do combate com seu maior volume e diversidade de golpes, Zabit caiu de rendimento no último assalto e viu Kattar aumentar o ritmo e atacá-lo com perigo. Apesar disso, o russo saiu com a vitória na decisão unânime dos juízes. Já os ganhadores do prêmio de ‘Performance da Noite’ saíram do card preliminar. Magomed Ankalaev nocauteou Dalcha Lungiambula com um belo chute frontal seguido por alguns socos. E David Zawada precisou de poucos minutos no primeiro round de seu combate para encaixar um triângulo e finalizar Abubakar Nurmagomedov, primo do campeão peso-leve (70 kg) do UFC, Khabib Nurmagomedov. Por suas apresentações, tanto Ankalaev quanto Zawada garantiram o bônus de 50 mil dólares (aproximadamente R$ 208 mil). https://agfight.com.br/protagonistas-do-ufc-russia-levam-r-208-mil-por-premio-de-luta-da-noite/
  10. Climão! Dana posta foto com Donald Trump e Khabib faz comentário indigesto; entenda A previsão é que Khabib retorne aos octógonos no primeiro trimestre de 2020 – Diego Ribas O card do UFC 244 teve uma presença ilustre na plateia do ‘Madison Square Garden’, Donald Trump. Fã de MMA, o presidente assistiu ao evento com sede em Nova York (EUA), no último sábado (2). Um dia após o show, Dana White compartilhou (veja abaixo ou clique aqui) um registro acompanhado do chefe de estado em suas redes sociais. Mas o chefão do Ultimate não contava com um comentário polêmico em sua publicação. Campeão peso-leve (70 kg) e um dos principais astros da companhia, Khabib Nurmagomedov pediu para que seu chefe mandasse um recado ao presidente dos EUA. “Pergunte a ele onde está o visto do meu pai?”, escreveu o russo. O comentário rapidamente viralizou e ganhou inúmeras curtidas de fãs que ironizaram: “The Eagle acabou de quebrar a internet”. O imbróglio com que envolve Abdulmanap Nurmagomedov é antigo. Há anos o campeão russo apela nos noticiários para que seu pai tivesse seu visto americano liberado e, assim, pudesse adentrar na ‘Terra do Tio Sam’ com tranquilidade. Como o apelo de Khabib não surtiu efeito, o atleta decidiu usar as redes sociais para tentar resolver a situação. Recentemente outra competidora do Ultimate teve problemas em entrar nos EUA. Weili Zhang, campeã peso-palha (52 kg) da companhia sofreu para conseguir ter seu visto liberado e só conseguiu sua liberação após receber o respaldo de uma política do partido democrata americano, Tulsi Gabbard. https://agfight.com.br/climao-dana-posta-foto-com-donald-trump-e-khabib-faz-comentario-indigesto-entenda/
  11. Kevin Lee mira duelo com McGregor e Khabib após nocaute fulminante no UFC 244 Kevin Lee (à direita) apagou seu rival com um chute no rosto – Jason Silva/ PXImages Kevin Lee vivenciou uma noite de gala no último sábado (2). Em seu retorno ao peso-leve (70 kg), o americano nocauteou Gregor Gillespie com um chute alto ainda no primeiro assalto. O triunfo fulminante lhe rendeu o prêmio de ‘Performance da Noite’, acompanhado da ‘bolada’ de 50 mil dólares (cerca de R$ 200 mil). Embalado com o bom momento, ‘The Motown Phenom’ agora busca desafios maiores para sua carreira, e Conor McGregor e Khabib Nurmagomedov estão entre eles. Ao site ‘TMZ Sports’, Kevin celebrou o triunfo no card com sede em Nova York (EUA), mas destacou que agora já está focado em encarar rivais de maior destaque na categoria. Dentre os nomes citados pelo americano como possíveis adversários para o futuro, destacam-se o falastrão McGregor e o campeão russo Nurmagomedov. “Lutas grandes, maiores, é isso que estou buscando. Acho que a próxima será gigante. Estou feliz e satisfeito com a vitória, mas ainda não estou pronto para comemorar. A melhor coisa é que estamos no peso-leve, então tem muitos lutadores incríveis para eu enfrentar. Mas isso não cabe a mim. Se eu pudesse escolher, escolheria um cara como o Conor. Mas sei que provavelmente ele não vai querer essa luta, porque vem de derrota e com certeza viu minha performance. Mas têm muitos caras bons por aí, Anthony Pettis, Gaethje… veremos. Alguém se apresente, estou cansado de desafiar as pessoas. Ninguém nessa divisão coloca meu nome na boca por uma razão”, analisou Lee, antes de projetar seu maior objetivo. “Para ser honesto, essa é a luta que eu estou mirando, o vencedor de Tony e Khabib. Quando agendaram essa luta, já fiquei de olho. Sei que tenho que vencer mais umas duas (para conseguir isso). Mas quero lutar com o Khabib por muito tempo, é a luta que realmente quero. Ao mesmo tempo, muita gente quer me ver contra o Ferguson. Então no final das contas, o vencedor dessa luta será o melhor do mundo, e eu quero esse cara”, completou o americano. Com o triunfo no UFC 244, Kevin Lee ganhou duas colocações no ranking oficial do Ultimate e agora ocupa a oitava posição. https://agfight.com.br/kevin-lee-mira-duelo-com-mcgregor-e-khabib-apos-nocaute-fulminante-no-ufc-244/
  12. Sem brincadeira! Pai de Khabib Nurmagomedov finaliza filho em treino Khabib Nurmagomedov tem uma carreira perfeita no MMA. Invicto após 28 combates, o campeão peso-leve (70 kg) do Ultimate ainda não teve um adversário que mostrasse alguma fragilidade em seu jogo. No entanto, em vídeo divulgado, uma pessoa conseguiu finalizar o russo (clique aqui ou veja abaixo). Trata-se do seu pai, Abdulmanap Nurmagomedov. Em uma sessão de treinos, Khabib parecia estar descontraído fazendo uma atividade de chão com seu pai, onde estava por baixo. No entanto, Abdulmanap não quis saber de brincadeira na atividade que obrigou seu filho a desistir, dando os três tapinhas, quando encaixou um estrangulamento. Pai de Khabib sempre esteve presente na vida do filho, agora inclusive dando declarações fortes. Recentemente, Abdulmanap afirmou que o campeão dos leves vai resolver suas pendências com Tony Ferguson e Conor McGregor nas suas próximas lutas no Ultimate. Khabib Nurmagomedov não luta desde setembro deste ano, quando defendeu mais uma vez o cinturão dos leves, ao finalizar Dustin Poirier. Até o momento não há previsão de quando o russo volte a lutar e nem a confirmação do seu adversário oficialmente. A tendência é que o europeu enfrente Tony Ferguson. https://agfight.com.br/sem-brincadeira-pai-de-khabib-nurmagomedov-finaliza-filho-em-treino-veja/
  13. Jon Jones aponta Dominick Reyes como o próximo desafiante ao seu cinturão do UFC Dominick Reyes está invicto em sua carreira após 12 combates – Scott Garfitt No que depender de Jon Jones, Dominick Reyes será o próximo desafiante ao seu cinturão meio-pesado (93 kg) do UFC. O campeão, através de sua conta oficial no ‘Twitter’ (veja abaixo ou clique aqui), revelou que, após deliberar com sua equipe, escolheu o atual quarto colocado no ranking da divisão como seu próximo oponente. Recentemente, Jones demonstrava irritação com a falta de um rival expressivo para defender seu cinturão. Ao que tudo indica, a última vitória de Reyes em outubro deste ano, sobre Chris Weidman, ex-campeão peso-médio (84 kg) do UFC, foi o suficiente para convencer o campeão a lhe conceder o direito de disputar seu título. Ainda que não seja um grande nome, comercialmente falando, Dominick vem em plena ascensão na organização, com seis triunfos consecutivos, além de permanecer invicto após 12 combates em sua carreira. “Acabei uma reunião de treinadores, estudando as carreiras de Dominick e Cory. Estabelecemos que Dominick é definitivamente o lutador mais perigoso. (Vou) Bater na sua b*** na próxima (defesa de cinturão)”, escreveu ‘Bones’. Além de Dominick Reyes, Corey Anderson também batalha por uma chance de disputar o cinturão até 93 kg do Ultimate. O meio-pesado – que venceu de forma categórica Johnny Walker no último sábado (2), no UFC Nova York – tem demonstrado irritação com, o que considera, falta de interesse da entidade em promovê-lo como desafiante ao título. Atualmente ocupando a quinta posição no ranking da divisão, o americano acumula quatro vitórias seguidas. Apesar de não existir uma confirmação oficial por parte da cúpula do UFC, a indicação de Dominick Reyes como próximo desafiante ao cinturão meio-pesado parece ser o caminho escolhido pela organização. Caso se confirme, Corey Anderson já declarou que pretende esperar pelo vencedor do duelo entre Jon Jones e ‘The Devastator’ para conseguir sua tão sonhada chance pelo título. http://agfight.com.br/jon-jones-aponta-dominick-reyes-como-o-proximo-desafiante-ao-seu-cinturao-do-ufc/
  14. Vicente Luque ‘culpa’ a falta de paciência em revés para Thompson e promete evolução Vicente Luque agora tem 10 vitórias e três derrotas no UFC – Jason Silva/ PXImages Com seis vitórias seguidas, sendo três somente em 2019, Vicente Luque buscava fechar o ano com chave de ouro. Porém, o brasileiro acabou superado por Stephen Thompson, no UFC Nova York, no último sábado (2), por decisão dos jurados. O peso-meio-médio (77 kg), em entrevista exclusiva à reportagem da Ag.Fight, afirmou ter consciência dos seus erros neste último compromisso e prometeu que irá tirar essa derrota de lição para o futuro. Sem saber o que era derrota desde 2017, Vicente estava embalado no Ultimate, já que somava quatro nocautes e uma finalização nas sua últimas seis vitórias. Talvez pela confiança em seu jogo, pecou e não seguiu a estratégia planejada. Segundo Luque, lhe faltou paciência para manter seu plano de luta. “Acho que a paciência foi uma grande lição dessa luta. Muitas vezes a gente acha que dá para resolver na força, na vontade. Lá eu vi que por mais que tivesse vontade, não foi suficiente e ele me superou na técnica e na experiência. É uma questão que vou guardar na minha mente para trabalhar para evoluir. Foi um ano intenso, fiz quatro lutas, porque queria dar meu máximo para crescer, mas não acabou do jeito que queria. Mas mostrei o que posso fazer, lutei contra um dos melhores e ainda recebi pela terceira vez o prêmio de luta da noite no ano. Isso é mérito do meu estilo, mesmo contra um cara tão técnico consegui botar pressão, acertar bons golpes. Mostrei que estou no caminho certo. Agora é dar uma descansada no corpo e corrigir bastante coisa”, disse o brasileiro de 27 anos, que adiantou que vai mostrar que aprendeu com seus erros quando voltar ao octógono. “A cada luta eu mostro evolução. Depois de uma luta como essa, tenho uma grande evolução. Realmente vou mostrar que aprendi com essa derrota, mas não devo voltar tão cedo. Quero descansar meu corpo e trabalhar esse crescimento. Isso leva tempo. Quero botar no papel o que tenho que melhorar e mostrar isso quando voltar. Acredito que (volte) no primeiro semestre de 2020, mas não nos primeiros meses. Vai depender muito dos meus treinos”. Vicente Luque acabou superado por Stephen Thompson – Jason Silva/ PXImages Atualmente, Stephen Thompson é o oitavo do ranking da categoria. Esse foi o rival maior ranqueado que Vicente enfrentou, desde sua estreia no Ultimate. Apesar de afirmar que não sentiu a pressão de encarar um ex-desafiante ao título da divisão, o brasileiro admitiu que pôde perceber a diferença de nível dele para seus adversários anteriores. Dessa maneira, o atleta tupiniquim agora sabe onde precisa chegar para encarar oponentes desta categoria. “Acho que tecnicamente deu para ver que a diferença é grande. Acho que atualmente ele está na nona posição (no ranking atualizado subiu para o oitavo posto). Mas o Thompson é nível top 5. Perdeu para o Anthony Pettis, mas antes disso só perdia para cara do Top 5. O nível é outro. Sei que tenho capacidade para estar nesse nível, mas ainda não estou. Preciso fazer vários ajustes e essa derrota foi importante para mostrar o nível que preciso alcançar”, admitiu, descartando qualquer tipo de pressão neste duelo e dando os méritos ao americano. “Não teve essa questão de pressão da minha parte. Não entrei respeitando ele, fui para cima, tentando conseguir a vitória. Mas ele teve a experiência e soube levar melhor a luta no segundo e terceiro rounds. Eu tinha que ter segurado mais e não tive essa experiência. Fui com muito ímpeto de acabar a luta, porque sabia que tinha perdido o segundo round. No primeiro achei que fui melhor, mas não tinha certeza. Então no terceiro fui para tentar nocautear, e foi aí que ele explorou e foi melhor, inclusive me dando um knockdown”. Com este resultado, Vicente Luque teve interrompida a sequência de seis vitórias no Ultimate. Agora o atleta tupiniquim tem 10 triunfos e apenas duas derrotas na organização. https://agfight.com.br/vicente-luque-culpa-a-falta-de-paciencia-em-reves-para-thompson-e-promete-evolucao/
  15. Johnny Walker reclama de fãs ‘hipócritas’ após derrota no UFC 244 Johnny Walker foi nocauteado por Corey Anderson (Josh Hedges/Zuffa LLC/Getty Images) Uma rápida visita à seção de comentários nas redes sociais pode dar a impressão que Johnny Walker foi responsável por uma nova guerra mundial. Na realidade, tudo que o lutador meio-pesado fez foi sofrer sua primeira derrota no UFC. Após um início avassalador na companhia, precisando de menos de três minutos para nocautear três adversários, Walker parou diante do duríssimo norte-americano Corey Anderson no UFC 244, realizado sábado em Nova York. Não foi a primeira derrota de Walker no MMA, mas foi a mais de todas. Walker não tinha um porcento da fama que ostenta hoje quando foi nocauteado em eventos nacionais no passado, e é por isso que sofreu nas mãos dos imediatistas de redes sociais. Se estrelas consagradas como Anderson Silva e José Aldo foram achincalhados na internet após derrotas, por que com Walker seria diferente? Antes da luta, Walker era aplaudido pelo estilo irreverente e destemido. Na derrota, o que era elogiado como “show” vira “excesso de brincadeira” na crítica. Sequer houve “brincadeira” contra Anderson, e sim um claro erro de estratégia e planejamento, e as críticas nesse sentido são mais que justas. E Walker, nocauteado no primeiro round, entende isso. O lutador conversou com o blog após o UFC 244 e, embora ainda esteja incomodado com o revés sofrido, ele sabe da importante lição que aprendeu: confiar mais em seu jogo em vez de se preocupar demais com o que virá do outro lado. Outra coisa que Walker aprendeu está relacionada aos fãs de MMA, especialmente o que despejaram ódio em suas redes sociais. “Aqui nos Estados Unidos tinha uma multidão querendo tirar foto comigo depois da luta. Todo mundo me aplaudiu, mesmo depois da derrota. Todo mundo queria que eu ganhasse. Isso me faz pensar em, se for abraçar uma bandeira, levar a dos Estados Unidos, levar de outro país, porque a galera aqui me apoia de verdade. Estão juntos comigo mesmo na derrota”, disparou Walker. Quando Walker assinou com o UFC, ele morava e treinava em Londres, e cogitou entrar no octógono carregando a bandeira inglesa no uniforme do UFC. Na sequência, após treinar na Tailândia, tentou colocar a bandeira tailandesa no ombro, mas não aconteceu. “(No Brasil) a galera fica reclamando que não sou patriota, que não levo a bandeira do Brasil. Bando de hipócrita, velho! Não apoiam a própria nacionalidade quando perco, então por que vou representar esses caras? Eu vou representar quem é fã de verdade. Mesmo perdendo a galera (me Nova York) me aplaudiu, falou que vou voltar mais forte. Isso me deixa muito feliz”, disse Walker. “Mesmo com a derrota eles acreditam, por isso estou sempre representando outra bandeira, nunca a do Brasil, por que o Brasil só tem hipócrita, Ninguém torce direito. O cara sofre uma derrota e a galera começa a criticar. Nada a ver. Só perde quem bota a cara. Vencer e perder é consequência”, completou. Walker volta ao Brasil essa semana e já embarca para São Paulo como um dos atletas convidados do UFC na capital paulista, que acontece dia 16 de novembro no Ginásio do Ibirapuera. https://br.yahoo.com/esportes/noticias/johnny-walker-corey-anderson-hipocritas-ufc-244-mma-141400852.html
  16. Israel Adesanya planeja ‘limpar’ divisão dos pesos-médios antes de “surrar” Jon Jones Adesanya se mantém invicto no MMA com 18 vitórias como profissional – Tyler Misiak Israel Adesanya tem um plano de carreira bem traçado, e nem mesmo um adversário como Jon Jones parece capaz de mudar esta rota. Campeão peso-médio (84 kg) do Ultimate, o nigeriano garantiu que não pretende antecipar uma ‘superluta’ contra ‘Bones’. De acordo com ‘The Last StyleBender’, o primeiro passo após conquistar o cinturão linear da liga é derrotar todos os possíveis desafiantes. Em entrevista ao site ‘MMA Fighting’, Adesanya afirmou que pretende ‘limpar’ a divisão até 84 kg antes de cogitar uma subida para os meio-pesados (93 kg). Portanto, o confronto contra Jones dificilmente sairá do papel em breve. E, de acordo com o nigeriano, quanto mais o tempo passar, maiores serão suas chances diante de Bones. “Ganhei meu título dos pesos-médios em abril e defendi pela primeira vez em outubro. Quero defender meu cinturão contra todos os pesos-médios que, supostamente, são as maiores ameaças antes de eu subir de categoria. Se o Jones quiser lutar comigo agora, ele terá que descer para os pesos-médios. Eu tenho um plano, e nunca desvio deles. Ele não vai fazer com que eu mude o que planejei na minha mente inicialmente. Eu tenho vários ‘matadores’ nos pesos-médios para vencer primeiro antes de encarar ele. E depois disso darei uma surra no Jon Jones” projetou Israel, antes de comparar a situação com a de duas lendas do boxe. “Ele está tentando fazer o que o Mayweather fez com o ‘Canelo’. Mayweather lutou com o Canelo enquanto ele ainda estava crescendo, enfrentou ele cedo demais, e Jones está tentando o mesmo comigo. Porque ele sabe que sempre estou melhorando cada vez mais, e ele não. A hora dele vai chegar”, completou Adesanya. Depois de nocautear Robert Whittaker, Israel estava praticamente apalavrado de encarar Paulo ‘Borrachinha’ em seguida. No entanto, a lesão no bíceps sofrida pelo brasileiro abriu espaço para outros atletas sonharem com o cinturão. Até o momento, o nome de Yoel Romero é o mais ventilado para o posto de desafiante. https://agfight.com.br/israel-adesanya-planeja-limpar-divisao-dos-pesos-medios-antes-de-surrar-jon-jones/
  17. Vou torcer muito para o Masvidal pegar esse título.
  18. Vou de Zabit nessa e minha torcida também será para ele.
  19. Ah Cara! Para de palhaçada Johnny Walker, perdeu e perdeu feio. O Anderson entrou para lutar e você para querer dar espetáculo, deu no que deu. Se sua meta é ser campeão, começa a falar menos e lutar mais. Para quieto em uma equipe boa, já deu de ficar "passeando" pelo mundo. Vai para King's. O Michel Pereira (Demolidor) é outro que tem que lutar sério na próxima também, foi vergonhoso entrar na luta dando um monte de golpe plástico no vento e se cansando com menos de 1min.
  20. Acho que vc queria dizer, Michel Pereira (Demolidor)
  21. Demian Maia aponta vitória sobre Askren como coroação do “maior grappler do MMA” Demian Maia agora soma três vitórias seguidas no Ultimate – Leandro Bernardes O UFC Cingapura, realizado no último dia 26, marcou a carreira de Demian Maia. Neste evento, o brasileiro finalizou Ben Askren, no terceiro round, na luta principal da noite. Porém, este resultado foi além de mais uma vitória na carreira do paulista. Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag.Fight, o faixa-preta de jiu-jitsu colocou este triunfo num ‘hall’ dos maiores de sua carreira. Além disso, o lutador afirmou que este confronto, pelas características dos envolvidos, mostrou quem é o maior atleta de luta agarrada do MMA. Quando Demian Maia vai lutar existe sempre a expectativa por mais uma grande atuação no solo. Dono de 11 finalizações no UFC, o brasileiro é especialista na luta agarrada. No entanto, Ben Askren também é. Conhecido por um wrestling de primeira linha, o americano nunca fugiu de um confronto no chão. Dessa maneira, por todas essas situações, este duelo gerou a expectativa no mundo do MMA para qual arte levaria vantagem. “Não sei se é a maior (vitória), mas está entre as três maiores, com certeza. Não por ele ter sido campeão de outros eventos, mas pelo simbolismo dessa luta, que era praticamente para definir quem é o maior grappler da atualidade do MMA. Porque somos os únicos grapplers que jogam o jogo do grappling. Vários atletas do wrestling e do jiu-jitsu são mais generalistas, fazem de tudo, apesar de terem suas origens. Até os campeões do jiu-jitsu trocam porrada. Quando vou lutar, todo mundo sabe o que vou fazer. Não vou trocar porrada. A minha característica é buscar o jiu-jitsu. Ele (Askren) tem credenciais impressionantes, foi uma atleta olímpico, campeão nacional americano. Modéstia a parte eu defendo muito bem queda, e ele me derrubou algumas vezes. Não é atoa que é o que é. Muita gente nos Estados Unidos o admira muito, dizem que é o cara mais inovador do wrestling americano”, contou. A dúvida que pairava no ar foi tirada a limpo e Demian venceu por finalização. Então podemos apontar que o jiu-jitsu é superior ao wrestling? Segundo Demian, é exatamente essa a linha de raciocínio. Por isso, o brasileiro não poupou palavras para falar da arte suave e da sua importância na história das artes marciais. “Acho que o jiu-jitsu bem aplicado foi feito para isso. Por mais que ele (Askren) treine jiu-jitsu, o objetivo do wrestling é derrubar e imobilizar. O do jiu-jitsu é finalizar. Combina mais com o MMA. O wrestling é eficaz, mas o jiu-jitsu brasileiro é a arte mais eficaz da história das artes marciais. Para uma luta corpo a corpo, como ele foi desenvolvido para a defesa pessoal. É a arte marcial mais completa”, afirmou o lutador de 41 anos. Com mais duas lutas no contrato com o Ultimate, Demian ainda mantém em alta um grande desejo antes de se aposentar do MMA: ser o recordista de vitórias no UFC. Atualmente, o brasileiro possui 22 triunfos contra 23 do americano Donald Cerrone, o maior da franquia. “Com certeza é um recorde legal de ter. Penso nisso sim e é uma das coisas que me estimula a continuar lutando. É legal, mas não pode ser o foco também. Não depende só de mim, depende dele (Cerrone) também. Se ele ganhar a próxima já fica duas na frente de novo”, afirmou o brasileiro, que está no UFC desde 2007. Assim que derrotou Ben Askren, Diego Sanchez usou as redes sociais para desafiar Demian. Questionado sobre esta situação, o brasileiro revelou que o americano tem buscado este confronto há bastante tempo, mas tem esbarrado na vontade do Ultimate. O paulista também fez questão de elogiar o espírito guerreiro do rival. “Há um ano e meio, talvez dois, o Diego me mandou uma mensagem querendo lutar comigo, dizendo que lutaria no Brasil e queria me enfrentar. Disse que estava perto do fim da carreira e queria uma luta entre dois veteranos, dois guerreiros e eu falei que se o UFC quisesse fazer, não me oporia. Mas parece que o UFC não queria. Agora de novo ele me procurou, disse que tinha falado com o UFC e estavam vendo isso. Aí ficou nesse negócio. Eu luto. O Diego é um cara que está pedindo para lutar comigo há um tempão, se quiserem fazer, eu aceito. Sempre foi um cara guerreiro, que não desiste”, completou o faixa-preta de jiu-jitsu. Com este triunfo sobre Ben Askren, Demian Maia agora soma três vitórias seguidas na organização. O brasileiro já tinha lutado duas vezes este ano, quando derrotou Lyman Good, em fevereiro, e Anthony Rocco Martin, em junho. https://agfight.com.br/demian-maia-ve-vitoria-sobre-askren-como-coroacao-do-maior-grappler-do-mma/
  22. Dana White critica postura de Corey Anderson no UFC 244: “Bebê chorão” Corey precisou ser contido pelo árbitro após o triunfo sobre Walker – Jason Silva/ PXImages Corey Anderson chocou o mundo ao nocautear a sensação do Ultimate Johnny Walker. Após o triunfo, o americano provocou o rival brasileiro e apelou por uma chance de disputar o cinturão em seguida, com um verdadeiro ultimato ao UFC. O wrestler pediu para que, caso não fosse escalado contra Jon Jones em seguida, fosse liberado para competir em outra companhia. A postura, obviamente, não agradou em nada o presidente Dana White. Durante coletiva de imprensa realizada após o evento em Nova York (EUA), o chefão do Ultimate condenou o comportamento de Corey. O presidente, inclusive, ironizou a forma com a qual o americano tentou atrair atenção do público ao defini-lo como um “bebe chorão”. E como já era de se esperar, Dana destacou que há atletas possivelmente a frente de Anderson na fila por um ‘title shot’ entre os meio-pesados (93 kg). “Ele estava muito irritado nessa semana com todas essas teorias da conspiração de que nós odiamos ele e tudo mais, com essa baboseira de um bebê chorão. (Disse) que estamos tentando fazer ele levar uma surra, não fazemos isso. Ou você perde ou você ganha. Diz que gostamos mais do Walker e mais outras besteiras. Alguns atletas sobem mais rápido que outros. Você nos diz o que merece. Mas mostre também. Nesta noite você mostrou, entendido. Mensagem recebida” analisou White, antes falar sobre o futuro do atleta. “Não estou dizendo que você vai receber uma disputa de cinturão em seguida nem nada disso. Reyes venceu também, de forma impressionante. Veremos o que é melhor para você, e quando seu contrato expirar, se você ainda não quiser ficar aqui, você pode fazer o que quiser. No meio tempo, aceite as lutas que oferecermos, simples assim”, completou o presidente do UFC. O principal rival de Corey na corrida até o cinturão no momento é Dominick Reyes. Invicto em sua trajetória no MMA com 12 triunfos, o meio-pesado ganhou ainda mais prestígio na companhia após nocautear o ex-campeão peso-médio (84 kg) Chris Weidman no UFC Boston. A vitória, inclusive, fez com que Dana o apontasse como o provável próximo adversário de Jon Jones no Ultimate. “A luta que faz sentido agora para o Jon Jones é contra o Dominick Reyes. Ele vem de uma vitória impressionante sobre o Weidman, muitas pessoas assistiram aquilo, deu um grande pico de audiência, então é a luta a se fazer”, analisou Dana, em entrevista ao site ‘TMZ Sports’. No entanto, ‘Bones’ não parece tão interessado no combate. Através de suas redes sociais, o campeão já demonstrou que não se sente desafiado por ninguém de sua divisão de peso. Por isso, desafiou o peso-pesado Francis Ngannou para uma superluta. Mas as chances de o duelo sair do papel são quase nulas, já que Dana White revelou que deve escalar o gigante camaronês na luta principal do primeiro card do Ultimate na França, em 2020. https://agfight.com.br/dana-white-elege-reyes-como-proximo-adversario-de-jon-jones/
  23. Ex-desafiante ao cinturão do UFC desafia Corey Anderson: “Assine o contrato ou cale a boca” Corey Anderson venceu Johnny Walker no UFC Nova York – Jason Silva/ PXImages Após a vitória sobre Johnny Walker no último sábado (2), Corey Anderson tem apenas um objetivo para sua próxima luta em mente: disputar o cinturão meio-pesado (93 kg) do UFC contra Jon Jones. Porém, no que depender de Anthony Smith – ex-desafiante ao cinturão da categoria –, ‘Overtime’ precisará passar por ele primeiro antes de buscar o título da categoria. Em publicação na sua conta oficial no ‘Twitter’ (veja abaixo ou clique aqui), Smith desafiou o algoz de Johnny Walker e indicou que faz parte dos planos do Ultimate colocá-los frente a frente no octógono. O rumor levantado por ele se justifica levando em consideração as declarações de Dana White – presidente da entidade – logo após o UFC Nova York. O dirigente não se comprometeu a atender ao pedido de Anderson por uma disputa de título em sua próxima luta e ainda o classificou como um “bebê chorão”, por suas reclamações. “Corey Anderson, olhe para você agora cara durão. Você finalmente nocauteou alguém e agora você fala m*** para um cara que mal está ranqueado depois de acabar com ele? E ouvi que meu nome vai cruzar sua mesa. Assine isso (o contrato) desta vez e eu vou fazer um favor ao UFC. Ou sente, seja humilde e cale a boca”, escreveu o terceiro colocado do ranking da divisão. Após vencer Johnny Walker por nocaute técnico no UFC Nova York, Corey Anderson ganhou duas posições e agora ocupa a quinta colocação no ranking até 93 kg da organização. O lutador tem demonstrado bastante irritação com o tratamento dispensado a ele pela entidade, e chegou a afirmar que caso não recebesse uma chance pelo título, preferiria ser dispensado e liberado de seu contrato. Já Anthony Smith busca uma nova oportunidade pelo cinturão da categoria após ser derrotado por Jon Jones, em decisão unânime dos juízes, em março de 2019. O americano vem de triunfo sobre Alexander Gustafsson no UFC Suécia, realizado em junho deste ano. Além dele e de Corey Anderson, outro forte candidato a disputar o título da divisão é Dominick Reyes, que segue invicto em sua carreira e acumula seis vitórias consecutivas pela organização. https://agfight.com.br/ex-desafiante-ao-cinturao-do-ufc-desafia-corey-anderson-assine-o-contrato-ou-cale-a-boca/
  24. Após derrota no UFC Nova York, Gastelum promete “mudanças reais” para o futuro Kelvin Gastelum promete mudanças para sua próxima luta no UFC – Jason Silva/ PXImages Kelvin Gastelum ainda não digeriu o revés do último sábado (2), no UFC Nova York, quando foi derrotado por Darren Till, por decisão dividida. Após o confronto, ainda com semblante bem frustrado com o resultado da peleja, através das suas redes sociais, o americano tratou de divulgar uma mensagem para os fãs e prometeu mudanças. Agora com duas derrotas seguidas no cartel, já que na sua última apresentação foi derrotado por Israel Adesanya, Gastelum garantiu aos fãs que pretende voltar de uma outra maneira ao octógono. Segundo ele, sem dar detalhes, são alterações muito claras e que prometem melhorar ainda mais suas atuações. “Isso é decepcionante para dizer o mínimo. Mas tenho muita certeza de voltar no próximo ano e fazer algumas mudanças reais, mudanças que, esperamos impactar as minhas performances a partir de agora, porque isso foi… Obrigado a todos pelo apoio e amo todos vocês, deixo meu coração e alma por vocês. Obrigado”, disse. Após o resultado no UFC Nova York, agora Kelvin Gastelum possui 15 vitórias, cinco derrotas e um ‘No Contest’ (luta sem resultado). O americano não vence desde maio de 2018, quando derrotou Ronaldo ‘Jacaré https://agfight.com.br/apos-derrota-no-ufc-nova-york-gastelum-promete-mudancas-reais-para-o-futuro/
  25. Gostei da comparação com o Canelo, porém, só o tempo vai dizer se o Adesanya é um Canelo mesmo.