Sign in to follow this  
Flavio Doria

Como o ONE Championship tem superado o UFC na Ásia

Recommended Posts

Recentemente estive em Tóquio, no Japão e pude ver o quão conhecido é o ONE por lá. Por todo o metrô era possível ver anúncios do ONE (na ocasião o último evento deles, o ONE: A New Era em lutaram Eddie Alvarez e Demetrius Johnson). Eles realmente tem feito um trabalho bastante intenso no Japão, ao contrário do UFC. Chama atenção o fato de o UFC ter feito tão poucos eventos no Japão desde a compra do Pride.

Pra se ter uma ideia o Pride foi comprado em meados de 2007 e só em 2012 foi realizado o primeiro UFC lá. Desde então foram cerca de 5 eventos e nenhum desde 2017. Neste fim de semana saiu uma reportagem na Forbes destacando essa tema (a presença do UFC na Ásia). Segue abaixo. Lembrando que o texto é uma tradução do artigo publicado originalmente na Forbes (ontem, 14/04) por Brian Mazique. Para ler o artigo na íntegra clique aqui.

Publicado no: Pós-luta.com (link aqui)

5bd294_fa945ccd0d724e109e2a9a339e6c4810~mv2.webp

Quando o assunto é Artes Marciais Mistas, ONE Championship fica no topo da montanha na Asia. Apesar do UFC ter estabelecido um escritório oficial na Asia anos antes do ONE Championship ser criado, e antes de fazer planos para um “Performance Institute” na China este ano, a organização baseada em Las Vegas não conseguiu estabelecer no Oriente o mesmo tipo de pegada no Ocidente.

Se você é um fã americano de MMA, isso pode não parecer grande coisa, mas considere isso: One Championship domina um continente com 4 bilhões de pessoas. Embora nem todos os asiáticos sejam fãs de MMA, não há dúvida de que as várias disciplinas marciais estão profundamente enraizadas na cultura de cada um dos países do continente. É fácil esquecer o quão populosa é a Ásia se você é um americano. Muitos de nós tendem a esquecer que existe um mundo inteiro fora do nosso país.

Sediado em Cingapura, o ONE Championship conseguiu obter significante investimento em capital de algumas das maiores gestoras do mundo.
 
5bd294_361eaa68811547c3aa8c9756edcad829~mv2.webp
 

Quando você combina o apoio financeiro com o impulso de um fundador visionário, e a ligação natural com o produto para o público-alvo, você tem uma tempestade perfeita. Não é de admirar que o ONE Championship tenha se saído melhor na Ásia do que o UFC. Tive a oportunidade de falar com Sityodtong (CEO do ONE) via e-mail, e discutimos as razões pelas quais sua organização conseguiu bater o UFC na Ásia. Foi um longo diálogo e foir melhor dividi-lo em duas partes. A segunda parte virá em um momento posterior, mas é fascinante ouvir o líder determinado e confiante do ONE sobre as realizações de sua organização, melhores práticas e princípios fundamentais.

A cultura e tradição do povo asiático

“As artes marciais têm sido o lar da Ásia por mais de cinco mil anos”, disse Sityodtong. “Há uma arte marcial em todas as nações asiáticas. Faz parte do nosso DNA. Nossa missão no ONE Championship é sagrada, queremos construir heróis que inflamam o mundo com esperança, força, sonhos e inspiração.” Se você ler um perfil de atleta no ONE Championship, ou qualquer artigo que introduza um competidor em um evento futuro, seu país de origem e seu nível de domínio com sua disciplina local serão destacados. Os antecedentes do Wushu dos atletas chineses são mencionados. Artistas marciais birmaneses têm referências feitas a Lethwei (arte marcial local) e muito mais. O ONE também oferece mais que apenas MMA. Há também lutas de Muay Thai, bem como o kickboxing. A lista tem mais de 130 campeões do mundo de uma variedade de disciplinas, e o que é digno de nota é que esses detalhes não são perdidos no ONE. Esses elogios serão mencionados consistentemente. Além do Taekwondo, wrestling, luta greco-romana, kickboxing, Jiu-jitsu, boxe e, em menor grau, sambo e Karatê, você não ouve muitas referências aos históricos de artes marciais dos atletas do UFC. Quando essas referências são feitas, realmente não há ligação com a cultura asiática do ponto de vista visual ou verbal.

 

5bd294_6a27bce14d5e4196a894f830ab0e484f~mv2.webp
 

O ONE se esforça o quanto pode para se destacar em cada centímetro da cultura asiática. Trabalhou para criar um ele entre seu produto, os atletas e os fãs dos países que visita regularmente. O UFC não forneceu seu produto para o público asiático, e pode ser por isso que ele não se tornou um grande negócio no continente.

Talvez o mais importante, pelo menos de acordo com Sityodtong, seja o foco na integridade e na humildade de seus atletas. “A pulsação da Ásia é muito diferente da do Ocidente. Nós exibimos a verdadeira tradição das artes marciais e defendemos os verdadeiros valores de integridade, humildade, honra, respeito, coragem, disciplina e compaixão das artes marciais. É tudo uma questão de positividade aqui.”

Nem todo fã americano de artes marciais adora o estilo de publicidade do UFC. Alguns fãs estão cansados das histórias de Conor McGregor, Colby Covington e TJ Dillashaw. No entanto, pareçe que os atletas com a maior controvérsia em torno deles são os que estão obtendo mais oportunidades com o UFC, e isso é em grande parte porque os fãs americanos de MMA parecem gravitar para eles. Embora essa abordagem tenha sido bem-sucedida para o UFC nos Estados Unidos, ela não pegou na Ásia. O ONE encontrou sucesso na continente como o anti-UFC, estando em sintonia com o público e seus valores.

Acentuando os heróis de uma variedade de países na Ásia é quase útil que algumas das principais estrelas do ONE tenham tido manchas durante suas carreiras, onde caíram e sofreram algumas perdas. Esses momentos de fracasso permitiram que o ONE ajudasse na recuperação e ascensão de atletas como o campeão dos meio-médios e meio pesados Aung La N Sang e o ex-campeão dos leves, Eduard Folayang. As imagens e marcas dos atletas foram empurradas.

Enquanto a presença do ONE na Ásia é pesada, ela também está se expandindo para os Estados Unidos. Mais localmente, o ONE certificou-se de que seus atletas são estabelecidos como estrelas em seus próprios países. “N Sang é uma mega-star absoluta em seu país de origem, em Mianmar”, disse Sityodtong. “O povo de Mianmar recentemente ergueu uma estátua de bronze de dele para honrar sua carreira e o que ele fez pelo país. A cerimônia foi assistida por milhares de pessoas, criando uma cena surreal.”

N Sang compete regularmente em sua terra natal, Mianmar, e Foloyang faz o mesmo nas Filipinas. Essa abordagem não apenas ajuda a estabelecer estrelas, mas também cria uma ótima cena nos eventos. Os fãs investem emocionalmente nos eventos. “Foloyang, que teve que superar imensas adversidades ao longo da sua vida, para sobreviver à pobreza e à miséria, é uma ícone nacional. Milhões de filipinos não apenas nas Filipinas, mas em todo o mundo, buscam inspiração nele. É importante para nós construir heróis de artes marciais locais, homens e mulheres de quem possamos nos orgulhar e que possamos ter nossos filhos como modelos da sociedade.”

5bd294_0944143d89fb4738821645f7e36639fe~mv2.webp

O UFC tenta colocar seus atletas em competição em suas cidades de origem, tanto quanto possível nos Estados Unidos e no Brasil, mas eles não são celebrados pela promoção do jeito que são com o ONE. Mesmo nessa forma reduzida, a prática não funcionou bem para o UFC na Ásia. Em parte porque a promoção chega tão raramente à Ásia. Além disso, o UFC não tem asiáticos suficientes em sua lista para apresentá-los nos poucos eventos que promove no continente. De fato, nenhum dos atuais campeões mundiais do UFC é de um país da Ásia. Fãs de todos os tipos tendem a procurar pontos em comum com os atletas pelos quais torcem, e com uma escassa quantidade de asiáticos em competição - muito menos em disputa de título - eu posso ver como seria difícil para um fã asiático se relacionar com o produto.

Incluindo Petr Yan, que é de Dudinka, Rússia, listado como parte da Ásia, há apenas três atletas de países asiáticos classsificados no top 15 de qualquer divisão do UFC. Chan Sung Jung, da Coreia do Sul, e Weili Zhang, da China, são os outros dois. Para colocar a comparação na perspectiva correta, o ONE tem 10 campeões mundiais descendentes de países asiáticos e muitos outros podem ser realisticamente descritos como concorrentes.

Esse nível de representação é um fator importante na conexão com o público. Também é parte da razão pela qual o ONE vende estádios inteiros como o Singapore Indoor Stadium, o Mall of Asia Arena e o Thuwanna Indoor Stadium, em Myanmar.

“Temos Angela Lee, que inspira mulheres de todas as idades em todo o mundo a alcançar seus sonhos. Ela é a mais jovem campeã mundial na história do MMA e vem de uma família de artistas marciais. Ela provou que qualquer sonho é possível com a quantidade certa de trabalho e dedicação. Também temos estrelas como Demetrious Johnson e Eddie Alvarez, que estão entre os melhores artistas marciais do mundo. O poder da estrela do ONE Championship é inacreditável.”

O ONE fez grandes esforços para estabelecer vínculos com várias nações da Ásia, como Filipinas, Cingapura, Malásia, Indonésia, Japão, China, Mianmar, Camboja, Coreia do Sul, Vietnã e Tailândia. Com suas recentes contratações de atletas americanos como Johnson, Alvarez e Sage Northcutt, o ONE poderia estar procurando estabelecer raízes semelhantes nos Estados Unidos.

Japão

Depois de adquirir os ativos do Pride FC em 2007, o UFC ainda não capturou o Japão. O Pride era a principal organização asiática de artes marciais, mas se dobrou. Parecia possível para o UFC assumir uma boa porcentagem de sua base de fãs, mas a presença da promoção no Japão não é aparente. O UFC não teve um show no Japão após a aquisição do Pride até 2012, e desde então, há apenas cinco e nenhum desde 2017. É difícil estabelecer uma pegada com uma presença inconsistente.

“O ONE Championship acabar de terminar seu evento inaugural no Japão, e tem sido o nosso maior show até agora”, disse Sityodtong. ONE: A New Era quebrou uma infinidade de registros de audiência e outras estatísticas.” Foram 41 milhões de espectadores globais, segundo Sityodtong que usa como fonte dados da Nielsen Sports.

Mas isso é apenas o começo. O ONE está voltando a Tóquio em outubro com outro incrível card. Eu não posso dizer os detalhes ainda, mas vai ser outro espetáculo de classe mundial.” Simplesmente ter um plano para promover consistentemente programas no Japão é uma negócio no mercado asiático. É quase incalculável quanta receita uma promoção poderia ganhar no clima de hoje se fosse capaz de se tornar o rei indiscutível das organizações de artes marciais no Japão.

“Eventualmente, faremos mais eventos por ano no Japão”, disse Sityodtong. “O mercado japonês é realmente muito importante para o ONE. É o berço de muitas artes marciais. Os princípios das artes marciais japonesas ressoam muito com os valores do ONE. O conceito de Bushido, por exemplo, princípios que enfatizam honra, coragem, frugalidade, habilidade e lealdade, realmente é algo que fala ao coração do que é ser um artista marcial.”

A partir de agora, o UFC divulgou seu calendário de eventos para os primeiros seis meses de 2019, e não há um evento anunciado para o Japão.

China

A China é outra região cobiçada na Ásia, e o ONE derrotou o UFC lá também. “A Ásia tem mais de 4 bilhões de pessoas, com 2 bilhÕes dessas pessoas no mesmo fuso-horário. Um grande pedaço dessa população vem da China e nos dedicamos boa parte dos nossos esforços para desenvolver o mercado chinês” disse Sityodtong. “Realizamos vários shows na China ao longo dos anos, com eventos em Pequim, Xangai, Changsha e Guangzhou. Também desenvolvemos o ONE Hero Series, que visa descobrir jovens promissores das artes marciais chinesas.”

O UFC estreou na China em novembro de 2017, e voltou apenas uma vez desde então, e isso foi em novembro de 2018. O ONE teve 12 eventos na região desde 2014 e seis desde 2017. “o ONE também tem um dos campeões mundiais mais dominantes do MMA hoje, a ‘Panda’ Xiong Jing Nan,” disse Sitoydtong. “Muitos chineses gostam de Jing Nan por causa da coragem e bravura que ela demonstrou no ONE Circle. Recentemente, Jing Nan teve que superar grande adversidade em sua luta contra Lee em Tóquio. Ela mostrou coragem e tenacidade, sobrevivendo a um armlock para vencer no quinto round por nocaute técnico.”

O ONE Championship estabeleceu escritórios corporativos em Pequim e Xangai, com a expansão na China como objetivo principal. O UFC também investiu pesadamente na construção de sua marca na China com o “Performance Institute”, mas mesmo com instalações tão bonitas, ainda está engatinhando. O UFC tem o controle sobre o MMA nos Estados Unidos, mas ainda não conseguiu compreender os fãs de artes marciais asiáticos.

Tradução: Silvio Doria (Pós-luta.com)

Share this post


Link to post
Share on other sites

vem sendo extremamente profissional e planejado essas ações do One.

e parece que o mais importante, respeitando e trabalhando a cultura local

 

esse evento vai longe

Share this post


Link to post
Share on other sites

É assim que se constroem estrelas. Todos sabem que essa não é a preocupação do UFC, deve ter ficado já bem claro para todos.

Evento assim vai longe, e é mais fácil eles se expandirem pelo ocidente, do que o UFC se expandir para o oriente, já pararam para pensar nisso?

UFC finalmente tem seu monopólio sendo deteriorado.

Share this post


Link to post
Share on other sites
22 horas atrás, LHFernandes disse:

Porra mas ver o Roger com Cinturão dos meio pesados e Brandon Vera campeão dos pesados...

mas isso pouco importa paraos planos de expansão do evento..

hoja pra eles não adianta ter um Jon Jones como campeão

é só ver a luta do DJ nas preliminares

Share this post


Link to post
Share on other sites

Excelente post, o ONE fc é gigante e já é maior que o UFC na Ásia, mas o Japão é um mercado complicado para o ONE se estabilizar, pois ao contrário de outros países asiáticos que não tem tantos eventos de lutas bem estruturados, com exceção da Coréia do Sul,  O Japão tem talvez o maior número de eventos de lutas no mundo, de MMA masculino e feminino as lutas de kickboxing e Muay Thai e boxe profissional. Hoje o K-1, Rise e Rizin estão acima do ONE no Japão, e não sera nada facil um evento vindo de fora dominar o mercado japonês, assim como o ONE também não conseguiu emplacar ainda na Coréia do Sul. O ONE faz sucesso em países que o MMA ainda esta se consolidando e não tem eventos profissionais estruturados para concorrer.

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this