Scolfield

Membros
  • Total de itens

    1,714
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre Scolfield

Últimos Visitantes

15,166 visualizações
  1. Depois de mais de um ano de obras, finalmente André Pederneiras inaugurou o novo centro de treinamentos da Nova União. Além de servir de quartel-general para os treinos da equipe, o local ainda abrigará eventos de MMA, Jiu-Jitsu e seminários. Em entrevista exclusiva ao PVT, Dedé falou sobre esta nova área, além do retorno de José Aldo e os desempenhos de alguns de seus atletas. Finalmente, o centro de treinamento ficou pronto. Foi quanto tempo de obra? De obra foi um ano e meio direto. Demos uma parada agora, mas vamos continuar fazendo outras coisas. A gente deve levar mais uns seis meses pra terminar o que falta, como alojamento e área de preparação física, mas o principal está pronto. Conseguimos treinar e fazer os eventos aqui, que eram as duas maiores necessidades. O total é de 1800 metros quadrados, só de área de treino é 600m2, fora arquibancada e outras coisas. O UFC anunciou no fim da semana passada o retorno do José Aldo para dezembro, contra o Ricardo Lamas. O que você achou dessa escolha? A gente já sabia do adversário, só faltava saber a data. Agora vamos treinar duro, assim como fizemos pra outra luta, pra dar certo desta vez de novo. Ele é um adversário duro. Na verdade, a primeira opção era o Cub Swanson, mas ele acabou não aceitando. Aí o UFC ofereceu o Ricardo Lamas e a gente aceitou. Na verdade, nunca negamos adversário nenhum. Ele está bem tranquilo. Já está treinando normal, no ritmo de camp novamente. Agora é esperar a hora chegar. O plano é vencer o Lamas e já ter um novo title-shot? Sim. A ideia é fazer essa luta agora e esperar o resultado do Max Holloway contra o Frankie Edgar, e então ter a revanche com um ou com o outro. O Frankie, por ter vencido duas vezes, e o Holloway por ter perdido essa última. Há planos também de subir de categoria ou fazer super lutas? Na verdade, nesse momento o foco é pegar o cinturão de volta. O Aldo seria assim o único atleta a pegar e recuperar o cinturão três vezes. Não tem nenhum outro atleta que fez isso, então nossa ideia é aproveitar essa oportunidade para conseguir fazer isso. A Poliana Botelho, depois de lidar com algumas contusões seguidas, finalmente conseguiu estrear no UFC. O que você achou desta primeira luta dela? O resultado foi ótimo. Estreia no UFC é sempre muito difícil. Já vimos atletas muito duros e bem treinados que chegam ali na hora e não conseguem render o que rendem normalmente. Dentro do possível ela conseguiu render bem. Acho que o jogo da adversaria prejudicou visualmente a luta, e o juiz acabou dando margem a isso. Se ele tivesse visto que a intenção dela era só travar a luta e tivesse afastado por mais vezes a luta não teria ido até o final. Na única vez em que a Poliana esteve mais solta foi no final, onde ela deu um giratório, chute na cabeça, derrubou caindo na guarda e dando cotoveladas, então se a luta tivesse corrido mais solta acho que o nocaute tinha vindo. Um dia antes da estreia dela, o Dudu Dantas acabou perdendo o cinturão do Bellator. Como você analisou essa derrota? Na verdade, no último round, vi mais um vacilo do Dudu, sem desmerecer a vitória do adversário. A partir do terceiro round o Dudu começou a dominar, que era o que a gente esperava. O cara iria cansar e ele começaria a defender todas as quedas. O Dudu dominou o terceiro e ganhou o quarto. No quinto, que era o round decisivo, o Dudu esperou demais, e acabou escutando o que a gente falava só nos trinta segundos finais. Ali, ele pressionou, passou para as costas… Se ele tivesse feito tudo desde o início teria dominado o round mais cedo, porque estava mais inteiro que o cara. Naquele momento ele hesitou e acabou perdendo o cinturão. Como está o mercado de eventos de MMA? Com muitos alunos, você tem tido dificuldades em conseguir lutas para todos? Os eventos, até pela crise brasileira, acabaram reduzidos a 10% do que existiam. Aí a gente ainda vê uma demanda menor de contratações de brasileiros pelo UFC, e no Bellator a mesma coisa. Então, estamos começando a caçar eventos pelo mundo inteiro. Na Ásia, agora também na Rússia, estamos botando atletas lá. Estamos tentando colocar atletas em todos os eventos fora do Brasil porque realmente é o que dá dinheiro, pois eles não conseguem se manter financeiramente lutando apenas aqui. Eles precisam lutar lá fora pra fazer um dinheiro e viver da luta. http://portaldovaletudo.uol.com.br/com-ct-novo-pederneiras-fala-sobre-retorno-de-jose-aldo-e-garante-foco-e-pegar-o-cinturao-de-volta/
  2. Vitor Belfort está de compromisso marcado. O brasileiro enfrenta Uriah Hall no dia 14 de janeiro, nos EUA, conforme ele mesmo anunciou em sua conta no Instagram na manhã desta quinta-feira. A cidade do evento ainda não está definida. Conforme apurou o PVT, Vitor Belfort embarca dia 04 de novembro para o Canadá para iniciar o camp na equipe Tristar, equipe de lutadores como Georges St-Pierre e Rory MacDonald. Esta será a última luta do contrato do veterano com o UFC, a 25ª pela organização contando as três passagens que teve, na qual conquistou o torneio dos pesados e o cinturão dos meio-pesados. Vitor Belfort vem de vitória sobre Nate Marquardt, em junho deste ano, no Rio. Antes, vinha de uma amarga sequência de duas derrotas e um no-contest. Após três derrotas consecutivas, Hall voltou a vencer em sua última luta, em setembro, quando nocauteou Krzysztof Jotko. http://portaldovaletudo.uol.com.br/vitor-belfort-enfrenta-uriah-hall-no-dia-14-de-janeiro-na-ultima-luta-do-contrato-com-o-ufc/
  3. Que luta!!!
  4. Luiz Dórea conseguiu a tríplice coroa como treinador de Boxe. Afinal, conquistou o título mundial com Acelino Popó, a medalha de ouro olímpica com Robson Conceição, e ainda o cinturão do UFC com Junior Cigano. Em entrevista ao PVT, Dórea analisou o aguardado confronto entre Floyd Mayweather e Conor McGregor, que acontece neste sábado em Las Vegas. Segundo ele, o favoritismo é todo do americano. “Pra mim, o grande favorito é o Mayweather. Acho que ele tem de 90 a 95% de chances de vencer bem. Ele é o maior nome do Boxe atualmente, tem uma habilidade muito refinada, conhece o ringue como ninguém. É muito técnico, muito rápido, com uma defesa muito eficiente. Sabe entrar e sair do raio de ação como ninguém, é um craque dentro do ringue”, analisou, “O McGregor é um cara que não pode ser subestimado, pois conquistou dois títulos dentro do UFC. Ele é mais pesado, é canhoto, e em algumas lutas o Mayweather se complicou contra canhotos. Mas dentro do ringue o Mayweather é muito superior. O McGregor nunca lutou com alguém que se movimenta tão bem como ele. É uma luta de 12 rounds, e acho que ele vai buscar o clinche pra cansar o Mayweather. Existe uma chance mínima do McGregor acertar um golpe isolado e conseguir o nocaute no primeiro ou segundo round, porque acertá-lo é muito difícil”. Na contagem regressiva para a disputa, Dórea aposta que o duelo é muito importante para o mundo das lutas, e ressaltou que o feito do irlandês, apenas de conseguir o desafio, já é enorme. “Será um grande evento. Só pelo McGregor ter a oportunidade de tirar o Mayweather da aposentadoria é um grande feito. Ele é uma máquina de fazer dinheiro. O público do Boxe vai estar assistindo, pois eles querem ver o Mayweather batendo no McGregor, e o público do MMA também vai assistir, porque o McGregor é o grande nome do MMA mundial. Será uma grande luta. Estou torcendo para que seja um grande combate, e que tenham outras oportunidades como essa. O MMA tem muitos lutadores com habilidades com as mãos e podem fazer grandes confrontos futuramente. O McGregor está tendo a oportunidade que muitos campeões não tiveram”. http://portaldovaletudo.uol.com.br/luiz-dorea-analisa-may-mac-90-95-de-chances-de-mayweather-vencer-bem/
  5. Tão logo soube de mais um caso positivo de Jon Jones no antidoping (clique aqui e leia), Daniel Cormier falou com o “MMA Fighting” sobre o episódio. O lutador, que deve ter seu cinturão de volta caso Jones perca o título, lamentou mais um caso de doping do seu rival. “É difícil encontrar palavras para descrever como estou me sentindo agora. Estou desapontado em ouvir essa notícia”, disse, “Nós, como atletas, temos direito ao devido processo, e eu vou me abster de dizer mais até que saiba exatamente tudo que aconteceu. Na minha mente, no dia 29 de julho, eu competi e perdi. Eu achei que o Jon Jones foi o melhor homem naquele dia. Eu não sei mais o que pensar. Não posso acreditar que vamos passar por tudo isso de novo. Vamos ver o que acontece a seguir. Obrigado a todos meus fãs que têm me apoiado neste momento difícil. Eu amo vocês demais”. http://portaldovaletudo.uol.com.br/cormier-lamenta-novo-doping-de-jones-nao-posso-acreditar-que-vamos-passar-por-tudo-isso-de-novo/
  6. Esse evento parece que será tão bom quanto o de NY do ano passado. Nessa luta aí, dificil, mas vou de Thompson.
  7. Deixa o cara trabalhar! Pezão deve tá ganhando uma boa grana depois que saiu do UFC, pode fazer o TRT dele numa boa e deve ser um cara respeitado lá naquelas bandas, por isso vem sendo chamado para lutar direto. Eu, particularmente, não vejo problema nenhum nisso.
  8. Dificil falar quem é o melhor em esportes diferentes, mas a enquete é boa mesmo. Eu acho que Eder Jofre e Francisco Filho são inquestionáveis. No MMA, acho que foi o Anderson.
  9. O Ninja foi um dos maiores nomes da CB. Pena que a carreira nao tenha sido bem gerida, principalmente o final, além de todos os problemas que ele teve físico e tal. Um guerreiro. E o Sperry foi bem demais naquela luta, mesmo perdendo.
  10. Primeira luta foi boa! A noite promete!
  11. Nocautão do Bab. Irado!
  12. Pride 12, com Wanderlei x Hendo
  13. Salve, rapaziada! Cheio de brasileiros e boas lutas. Nâo tem tantas estrelas, mas acho que vamos ter boas lutas. Palpites das lutas dos brasileiros: Burgos, Johnson, Cowboy, Natal, Capoeira e Rivera. Principal: Weidman
  14. Ótima enquete, mas dificil cravar alguns aqui sem esquecer outros... aposto que logo voltaremos ao topico pra acrescentar mais rsrsrs Pride GP 2003 Finais, Pride GP 2005 Finais, Pride 8, Pride 17 Evento era foda demais!
  15. Até este ano, apenas Roger Gracie havia atingido o número de 10 títulos conquistados no mundial da IBJJF, mas na última edição, com as conquistas no peso e absoluto, Marcus Buchecha igualou o feito do veterano. Com 10 títulos para cada lado, os faixas pretas duelam na edição de estreia do Gracie Pro Jiu-Jítsu, que acontece no dia 23 de julho, na Arena 1 do Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. Será o segundo duelo entre eles. No primeiro, há cinco anos, o combate terminou empatado, já que na regra daquele evento só haveria vencedor caso um finalizasse, o que não aconteceu em 20 minutos de luta. Desta vez, o embate será sob as regras da IBJJF, valendo pontuação. Em entrevista ao PVT, Roger Gracie comentou sobre o duelo, rechaçou qualquer preocupação em relação ao tempo afastado das competições de Jiu-Jítsu e fez uma comparação entre o seu estilo de luta e o de Marcus Buchecha. Confira! PVT: O que muda na sua rotina com o seu retorno ao tatame, mesmo que seja apenas uma superluta? Roger Gracie: Minha rotina não muda muito. O que muda é que tenho que treinar mais. As horas de treino, independentemente do que luto, são as mesmos. A dedicação é igual. O que muda é só o tipo de treinamento. PVT: Como fazer para compensar o tempo longe dos tatames, tendo em vista que seu oponente vem em um ritmo acelerado de competições? Roger Gracie: Apesar de estar muito tempo sem lutar de quimono, estou me sentindo muito bem. Não luto há muito tempo, mas nunca deixei de treinar de quimono. Sempre treinei diariamente. PVT: Na sua análise, qual a sua principal qualidade e o que você poderia apontar como uma deficiência? Roger Gracie: Acho que minha técnica e minha perseverança. Nunca desisto, independentemente de qual situação me encontro. Minhas deficiências eu deixo para meus adversários tentarem descobrir (risos). PVT: Qual a principal diferença entre você e o Buchecha? Roger Gracie: Somos lutadores bem diferentes. O Buchecha tem um jogo solto, dá muito giro. Eu já jogo mais justo, faço um jogo mais travado. PVT: O que achou dele ter igualado você no número de títulos mundiais? Roger Gracie: Fiquei feliz por ele ter se tornado 10 vezes campeão mundial, e muito provavelmente ele ainda ganhará mais vezes. PVT: Em relação à primeira luta de vocês, o que deve acontecer de diferente neste segundo encontro? Antes não valia ponto, agora vale. No que isso implica? Roger Gracie: Não tem como prever essa luta. Tudo pode acontecer. Nossa primeira luta foi muito boa e tenho certeza que teremos outra excelente. PVT: No MMA, você é campeão peso médio do ONE. Ainda tem a ideia de disputar o cinturão dos meio-pesados ainda este ano? Roger Gracie: Devo lutar MMA mais para o final do ano. Deixa passar essa luta com o Buchecha, depois vejo o que vai acontecer.