Scolfield

Membros
  • Total de itens

    1,721
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre Scolfield

Últimos Visitantes

15,207 visualizações
  1. O último dia do Abu Dhabi Grand Slam de Jiu-Jitsu, realizado no último domingo, dia 12 de novembro, na Arena Carioca 1, no Rio de Janeiro, reservou grandes emoções com as finais da faixa-preta masculino e feminino, além da superluta do Abu Dhabi Legends entre os veteranos Rafael Carino e Carlão Barreto. Antes das finais da faixa-preta, a superluta entre Carino, da Nova União, e Carlão Barreto, aluno de Sergio Bolão, levantou a torcida. O faixa-preta de André Pederneiras conseguiu uma queda logo no início do combate para derrotar Barreto por 2 a 0. No adulto faixa-preta masculino, destaque para as vitórias de Isaque Bahiense, da Alliance, que ficou com o título na categoria até 85kg e para Patrick Gáudio, da GFTeam, ouro na categoria até 94kg. No adulto feminino, quem brilhou mais uma vez foi Bia Mesquita, que ficou com o título na divisão até 62kg. Quem também se destacou foi a irmã de Rodolfo Vieira, que conquistou o título na categoria até 70kg. Confira abaixo como foram os duelos do adulto faixa-preta. MASCULINO: 56kg – José Carlos Lima (GFTeam) assegurou a medalha de ouro com uma performance segura contra o americano David Herrera (Soul Fighters). José Carlos ficou com o ouro ao fazer 2 a 1 nas vantagens. 62kg – João Miyao e Hiago George, parceiros de treino na equipe Cícero Costha, fizeram um duelo interessante com muitas inversões e raspagens. No final, um empate em 6 a 6 nos pontos, mas uma vantagem conseguida logo no início da luta deu o título a Hiago. João Neto finalizou Rafael Mansur com esse triângulo. Ane Nunes/ Gentle Art Media 69kg – João Neto (Alliance) não perdeu tempo. Logo no início da luta ele pegou Rafael Mansur (NS Brotherhood) em um triângulo e não soltou mais. Mansur usou toda a sua técnica e força para resistir por alguns minutos, mas acabou batendo. 77kg – Em um combate bem equilibrado, Hugo Marques (Soul Fighters) aproveitou uma das poucas oportunidades para raspar e fazer 2 a 0 contra Ricardo Pingo (NS Brotherhood), o que lhe garantiu a medalha de ouro. Isaque Bahiense garantiu o bicampeonato ao vencer Braguinha. Ane Nunes/ Gentle Art Media 85kg – A fera da Alliance Isaque Bahiense encarou o casca-grossa Gustavo Braguinha (NS Brotherhood) e saiu com a medalha de ouro após vencer o duelo por 3 a 0 nas vantagens. 94kg – Depois de vencer Xande Ribeiro nas semifinais, Patrick Gaudio (GFTeam) chegou à final com um certo favoritismo contra Guilherme Santos (Alliance). O duelo foi equilibrado e decidido pelos juízes a favor de Gaudio após um empate em 0 a 0 nos pontos. 110kg – Aluno de Leandro Lo, o polonês Gerard Labinski (NS Brotherhood) fez a final contra o experiente Igor Silva (Command Group). Labinski jogou por cima e conquistou uma vantagem para ficar com o ouro na categoria. FEMININO: 55kg – Em duelo entre companheiros de equipe, a faixa-preta da GFTeam Amanda Nogueira fez uma luta dura contra a faixa-marrom Mayara Abraão. Com uma queda, Amanda venceu o duelo por 2 a 0 e ficou com o título. Bia Mesquita venceu Bia Basílio por 6 a 0. Ane Nunes/ Gentle Art Media 62kg – Bia Mesquita (Gracie Humaitá) continua a impressionar com ótimas performances. Na final contra Bianca Basílio, Bia ficou com o ouro ao raspar e montar, anotando 6 a 0 no placar. Ana Carolina Vieira, a Baby, finalizou todas as suas adversárias. Ane Nunes/ Gentle Art Media 70kg – Irmã do pentacampeão mundial Rodolfo Vieira, Ana Carolina Vieira (GFTeam) teve mais uma grande atuação. Depois de finalizar dois oponentes na categoria para chegar a final, ela completou sua atuação de gala ao finalizar Thamara Silva (Cícero Costha) com uma estrangulamento nas costas. 90kg – A faixa-preta Claudia Do Val (de la Riva) levou a melhor sobre a faixa-marrom Heloisa Ferreira (Alliance). Claudia ameaçou Heloisa com triângulos e omoplatas, mas a casca-grossa da Alliance mostrou muita resistência. No final, o título ficou com Claudia Do Val na decisão dos juízes. Clique aqui e confira os resultados completos do torneio, que teve a GFTeam como campeã geral, com a Gracie Barra ficando na segunda colocação e a Nova União em terceiro.
  2. Recentemente, Fabrício Werdum e Tony Ferguson se desentenderam durante um encontro com a imprensa e quase chegaram às vias de fato. Durante a confusão, o brasileiro chamou o norte-americano de “maricón”, o que não soou muito bem entre os defensores do politicamente correto. Apesar do UFC ter emitido um comunicado oficial repudiando o ato do peso pesado, ele garantiu não ter recebido nenhuma punição e revelou ainda ter se entendido com o peso leve. “Falaram que eu fui punido por ter chamado o Ferguson de ‘maricón’, mas não teve nada disso, foram só boatos. Já passou, até o Ferguson veio falar comigo… não pediu desculpas, mas antes da minha última luta ele veio e me estendeu a mão, disse que era meu fã e me desejou sorte na luta, então isso já é passado. Não teve nenhuma punição”, disse ao PVT. O assunto voltou à tona graças às ofensas que Colby Covington desferiu aos brasileiros depois de ter vencido Demian Maia. Muitos que acreditavam que o brasileiro havia sido punido, achavam injusto o norte-americano não sofrer nenhuma punição. Werdum comentou o caso e ainda criticou os lutadores que supostamente estariam imitando o irlandês Conor McGregor. “Esse m***, esse c* de cachorro (Covington) faltou o respeito com os brasileiros e isso não pode ficar barato. Não digo que ele tenha que ser punido disciplinarmente, mas tem que tomar um calor de brasileiro para se ligar… Ele viajou, se emocionou demais. Ganhou a luta bem, mas passou do ponto. É efeito da ‘Era McGregor’, todo mundo querendo imitar o McGregor, alguns lutadores faltando respeito com todo mundo… isso é ridículo de ver. Eu não começo falando nada, mas se o meu oponente falar alguma coisa, eu vou responder com certeza. A Rose (Namajunas), nova campeã, que venceu a Joanna, fez bem quando criticou esses lutadores ‘fakes’ de hoje em dia, que fogem do que prega a Arte Marcial”. Vindo de uma vitória relâmpago sobre Walt Harris no mês passado, Werdum se prepara para enfrentar Marcin Tybura no próximo dia 18, na Austrália. A sede por lutas tem uma razão, a qual ele explica. “Tenho que mostrar serviço, e a melhor forma de mostrar serviço é lutando. Já estou merecendo uma nova disputa faz tempo, então, depois dessa, automaticamente tem que ser eu. Eles querem colocar o Overeem ou o Francis Ngannou, mas estou na ativa para ter a oportunidade de lutar pelo título, e vou conseguir. Como sempre atingi meus objetivos, desta vez não será diferente e eu vou levar o terceiro cinturão do UFC para casa. Já tenho dois, agora estou à busca do terceiro”. http://portaldovaletudo.uol.com.br/werdum-nega-punicao-por-parte-do-ufc-revela-que-se-entendeu-com-ferguson-e-critica-covington-efeito-da-era-mcgregor/
  3. Até ser derrotado por Kevin Lee em março deste ano, o peso leve Francisco Massaranduba mantinha uma incrível sequência de sete vitórias, isso numa das categorias mais disputadas da organização. De volta ao octógono neste sábado, em São Paulo, ele terá que passar pelo também experiente Jim Miller para dar início à recuperação. “Tenho na minha cabeça que eu tenho que treinar sempre mais que os outros, e desta vez não foi diferente. Perdi uma das últimas oito lutas e quero voltar a vencer, não importa quem esteja na minha frente”. Assim como o adversário, o brasileiro também é faixa preta de Jiu-Jítsu, mas é em pé que ele pretende liquidar a fatura. “Vou fazer o meu jogo, fazer o que fiz de melhor com meus parceiros de treino. Treinei em pé e chão, mas tenho certeza que ele vai querer me derrubar porque em cima ele não vai aguentar a pressão. Estou indo para buscar o nocaute”. UFC SP Ginásio do Ibirapuera Sábado, 28 de outubro de 2017 CARD PRINCIPAL (a partir de 0h, horário de Brasília): Peso médio: Derek Brunson x Lyoto Machida Peso-meio-médio: Demian Maia x Colby Covington Peso-galo: Pedro Munhoz x Rob Font Peso-leve: Francisco Massaranduba x Jim Miller Peso-médio: Thiago Marreta x Jack Hermansson Peso-galo: John Lineker x Marlon Vera CARD PRELIMINAR (a partir de 21h, horário de Brasília): Peso-meio-médio: Vicente Luque x Niko Price Peso-médio: Antônio Cara de Sapato x Jack Marshman Peso-meio-médio: Elizeu Capoeira x Max Griffin Peso-leve: Hacran Dias x Jared Gordon Peso-mosca: Deiveson Alcântara x Jarred Brooks Peso-pesado: Marcelo Golm x Christian Colombo http://portaldovaletudo.uol.com.br/em-busca-da-recuperacao-massaranduba-quer-o-nocaute-contra-jim-miller-ele-nao-vai-aguentar-pressao/
  4. Demian Maia parece estar nem aí com as provocações de seu adversário deste sábado. Com o estilo trash-talker, Colby Covington chegou a dizer que não nocautearia o brasileiro porque seria fácil demais, então ele tentaria nocautear. Demian procurou não entrar no jogo de provocação. “Ele vai para tentar o melhor para ele, e para todo o lutador o melhor é finalizar ou nocautear. Se ele acredita que pode, então ele tem que tenta mesmo”. Dentro do cage, Demian pretende usar o que treinou para a sua última mas acabou não conseguindo colocar em prática. Na ocasião, ele foi derrotado por Tyron Woodley na disputa de cinturão. “Tive pouco tempo para me preparar para o Woodley, mas deu para tirar muita coisa boa, descobrir coisas novas que eu usei para este camp. Não posso r evelar os detalhes para não entregar, mas vou colocar em prática. Vamos ver se vai funcionar ou não”. Caso vença no sábado, Demian chega a 20 vitórias no UFC e iguala Michael Bisping como o lutador com mais triunfos na organização. Caso finalize, também iguala Royce Gracie no número de finalizações, com 10 finalizações. Mas ele prefere não focar nos números. “É gratificante chegar a esta marca, mas não é algo que me preocupa. Meu foco total é na luta, na vitória, e vencendo esses números são atingidos naturalmente, é consequência”UFC SP Ginásio do Ibirapuera Sábado, 28 de outubro de 2017 CARD PRINCIPAL (a partir de 0h, horário de Brasília): Peso médio: Derek Brunson x Lyoto Machida Peso-meio-médio: Demian Maia x Colby Covington Peso-galo: Pedro Munhoz x Rob Font Peso-leve: Francisco Massaranduba x Jim Miller Peso-médio: Thiago Marreta x Jack Hermansson Peso-galo: John Lineker x Marlon Vera CARD PRELIMINAR (a partir de 21h, horário de Brasília): Peso-meio-médio: Vicente Luque x Niko Price Peso-médio: Antônio Cara de Sapato x Jack Marshman Peso-meio-médio: Elizeu Capoeira x Max Griffin Peso-leve: Hacran Dias x Jared Gordon Peso-mosca: Deiveson Alcântara x Jarred Brooks Peso-pesado: Marcelo Golm x Christian Colombo http://portaldovaletudo.uol.com.br/demian-ignora-provocacoes-de-convington-se-ele-acredita-que-pode-finalizar-ele-tem-que-tentar-mesmo/
  5. Colby Covington chegou ao Brasil provocando seu adversário deste sábado no UFC SP, Demian Maia, e toda sua torcida. O americano espantou a todos com seu trash-talking, mas admitiu que esta tática pode servir para que ele chegue logo a um title-shot na organização. “Eu tenho treinado muito por três anos, no começo eu estava feliz por estar aqui”, disse o americano em entrevista ao canal do UFC no Youtube, “Eu não estou mais feliz por estar aqui, eu só estarei feliz quando tiver aquele cinturão na minha cintura. Para conseguir isso eu preciso falar um pouco mais, e é isso que tenho feito ultimamente. Estou falando, estou fazendo os outros ouvirem que sou o melhor do mundo e serei o novo campeão peso meio-médio”. Além de avisar que pretende aposentar Demian, Covington garantiu que a torcida não irá lhe atrapalhar, e antecipou qual o desfecho que espera para sua luta com o brasileiro. “(A torcida) Não fará diferença nenhuma no sábado à noite. Eu vou nocauteá-lo. Não irá para a decisão. Nocaute no primeiro round”. UFC SP Ginásio do Ibirapuera Sábado, 28 de outubro de 2017 CARD PRINCIPAL (a partir de 0h, horário de Brasília): Peso médio: Derek Brunson x Lyoto Machida Peso-meio-médio: Demian Maia x Colby Covington Peso-galo: Pedro Munhoz x Rob Font Peso-leve: Francisco Massaranduba x Jim Miller Peso-médio: Thiago Marreta x Jack Hermansson Peso-galo: John Lineker x Marlon Vera CARD PRELIMINAR (a partir de 21h, horário de Brasília): Peso-meio-médio: Vicente Luque x Niko Price Peso-médio: Antônio Cara de Sapato x Jack Marshman Peso-meio-médio: Elizeu Capoeira x Max Griffin Peso-leve: Hacran Dias x Jared Gordon Peso-mosca: Deiveson Alcântara x Jarred Brooks Peso-pesado: Marcelo Golm x Christian Colombo
  6. A última vitória de Lyoto Machida foi em dezembro de 2014, quando venceu C.B. Dollaway. De lá para cá, o peso médio brasileiro amargou derrotas para Luke Rockhold, Yoel Romero e uma punição de 1 ano e meio por ter falhado no doping. No próximo sábado o ex-campeão dos meio-pesados terá a chance de iniciar sua uma nova fase na carreira. No UFC São Paulo, Lyoto encara Derek Brunson na luta principal e espera que seja o primeiro passo rumo ao protagonismo que está acostumado. “É difícil dizer aonde uma vitória no sábado pode me colocar. É como se eu estivesse chegando agora na categoria, é um reinício, estou fora do ranking e tenho que lutar para voltar. O que eu sei é que está tudo voltando a ser como antes, e estou sentindo isso nas pequenas tarefas que antecedem o evento”, disse o lutador num bate-papo com fãs via o Facebook oficial do UFC. Os mais de dois anos fora do octógono podem pesar contra o brasileiro na questão de ritmo, mas confiante, ele prefere olhar com bons olhos o período que teve para se preparar para voltar ainda melhor. “Tudo tem seu lado bom e seu lado ruim. Quem está lutando sempre tem mais ritmo de competição, mais confiança. Quem está afastado perde ritmo. Mas eu sempre competi a minha vida inteira, então tenho um lastro. Acredito que o tempo afastado pode ter sido bom para mim, já que eu vinha fazendo uma luta em cima da outra, então nesse período eu pude relaxar, ficar mais tempo com a minha família, fazer atividades diferentes… Claro, eu continuei treinando, e treinar sem o compromisso do camp também é bom, é diferente”, explicou. Lyoto reconhece as qualidades do adversário de sábado, mas afirma sentir-se à vontade com o jogo característico do norte-americano. “O Brunson tem um grande nome, fez grandes lutas contra grandes adversários, é um excelente lutador, está bem ranqueado, vem do wrestling, mas gosta de trocar, tem algumas finalizações no chão… enfim, é um verdadeiro lutador de MMA. Mas é um jogo que casa para mim, porque eu também gosto de lutar em pé e trabalhar no chão, embora ainda não tenha mostrado muito meu Jiu-Jítsu no UFC. É um grande desafio e isso me motiva muito. Uma vitória sábado representa muito para mim”. UFC SP Ginásio do Ibirapuera Sábado, 28 de outubro de 2017 CARD PRINCIPAL (a partir de 0h, horário de Brasília): Peso médio: Derek Brunson x Lyoto Machida Peso-meio-médio: Demian Maia x Colby Covington Peso-galo: Pedro Munhoz x Rob Font Peso-leve: Francisco Massaranduba x Jim Miller Peso-médio: Thiago Marreta x Jack Hermansson Peso-galo: John Lineker x Marlon Vera CARD PRELIMINAR (a partir de 21h, horário de Brasília): Peso-meio-médio: Vicente Luque x Niko Price Peso-médio: Antônio Cara de Sapato x Jack Marshman Peso-meio-médio: Elizeu Capoeira x Max Griffin Peso-leve: Hacran Dias x Jared Gordon Peso-mosca: Deiveson Alcântara x Jarred Brooks Peso-pesado: Marcelo Golm x Christian Colombo http://portaldovaletudo.uol.com.br/lyoto-machida-ve-luta-no-ufc-sp-como-um-reinicio-e-como-se-eu-estivesse-chegando-agora/
  7. O evento era russo, mas a casa era nossa. No último sábado o ACB promoveu sua primeira edição em solo brasileiro e o que se viu foi uma goleada brasileira no confronto contra os russos, que nitidamente sofreram com o clima quente e abafado que fazia no ginásio Miécimo da Silva, no bairro de Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro. No final do evento, o placar do confronto foi de seis vitórias a duas a favor do Brasil, e pelo menos três russos encaminhados ao atendimento médico devido ao desgaste ocasionado pelo clima. Na luta principal, o ex-UFC Leandro Buscapé castigou Islam Makoev com uma chuva de cotoveladas no ground and pound, o que causou um grande corte na lateral da cabeça do russo, ocasionando um sangramento abundante. A vitória brasileira veio através da decisão unânime. Nocautes e desistências Gregory Robocop resistiu a um knockdown e nocauteou Umar Gaisumov no primeiro round- Foto: Leonardo Fabri Na luta mais emocionante da noite, o peso médio Gregory Robocop começou a luta contra Umar Gaisumov sofrendo um knockdown que quase lhe tirou de combate. Depois de resistir a pressão recebendo duros golpes enquanto tentava se recuperar, o brasileiro conseguiu se levantar e, num momento de desatenção do adversário, acertou um cruzado que levou Gaisumov ao chão, abrindo caminho para a vitória, que foi confirmada com mais alguns golpes Pelos leves, Adlan Bataev precisou de apenas um golpe para nocautear Adilson Pica-Pau no segundo minuto de luta. Foi um direto preciso e potente, que entrou em cheio na parte central do rosto do brasileiro, que já caiu desacordado. Viskhan Magomadov castigou o brasileiro Herbert Batista no primeiro round, mas não teve energia para voltar para o segundo – Foto: Leonardo Fabri Viskhan Magomadov foi o primeiro russo a não aguentar o forte calor brasileiro. O peso leve simplesmente castigou Herbert Batista durante todo o primeiro round com quedas plásticas e uma série de joelhadas na linha de cintura do brasileiro, que chegou a acusar os golpes algumas vezes. Sem poupar energia, Magomadov praticamente atacou durante os cinco minutos da etapa, o que lhe custou a luta. Bastante desgastado, ele quase desmaiou durante o intervalo, até tentou voltar para o segundo round, mas não conseguiu. Apesar de ter sido dominado no primeiro round, Batista teve o braço levantado no final. Quem também não aguentou terminar a luta foi Rustam Asuev. A luta válida pelos pesos-galos contra Maike Linhares começou equilibrada o brasileiro chegou perto de finalizar com um triângulo de mão, mas o russo resistiu ao golpe. O que não deu para resistir foi o calor. Com o tanque vazio, Asuev não conseguiu voltar para o segundo round e acabou derrotado. Kurban Gadzhiev precisou ser carregado numa maca para poder sair do cage. Além do clima quente, ele também sofreu com o calor imposto por Josiel Silva, que dominou os três rounds de luta, chegou a pegar as costas nos dois últimos e até tentou encaixar o mata-leão. O russo resistiu bravamente os 15 minutos de combate, mas desmaiou ao final. A vitória do brasileiro foi por decisão unânime. Veteranos em ação O card colocou em ação atletas tarimbados do MMA. Carlos Eduardo Cachorrão e Wendell Negão venceram Fábio Silva e João Pânico, respetivamente, por decisão unânime em combates bastante equilibrados. José Maria Sem Chance passou por Bruno Mesquita por nocaute técnico no segundo round numa apresentação muito segura. Luiz Besouro não teve o mesmo sucesso, e acabou dominado por Imran Abaev por decisão unânime. ACB 73 Ginásio Miécimo da Silva, Rio de Janeiro 21 de outubro de 2017 Leandro Buscapé venceu Islam Makoev por decisão unânime dos juízes Carlos Eduardo Cachorrão venceu Fábio Silva por decisão unânime dos juízes Adlan Bataev venceu Adilson “Pica-Pau” Ramos por nocaute técnico com 1m46s do 1º round Roberto Facada venceu Adriano Capitulino por decisão unânime dos juízes Maike Linhares venceu Rustam Asuev por nocaute técnico (desistência) ao fim do 1º round Wendell Negão venceu João “Pânico” Carvalho por decisão unânime dos juízes Imran Abaev venceu Luiz Besouro por decisão unânime dos juízes Josiel Silva venceu Kurban Gadzhiev por decisão unânime dos juizes Ary Farias venceu Nilton Gavião por finalização (mata leão) com 1m07s do 2º round José Maria “No Chance” venceu Bruno Mesquita por nocaute técnico aos 2 minutos do 2º round Herbert Batista venceu Viskhan Magomadov por nocaute técnico (desistência) ao fim do 2º round André Ricardo “Dedé” venceu Renato “Índio” Valente por nocaute técnico aos 3m26s do 3º round Gregory Robocop venceu Umar Gaisumov por nocaute técnico aos 2m43s do 1º round Taigro Urso Branco venceu Valdines Silva por decisão unânime dos juízes Alan Gomes venceu Shamil Akhmaev por nocaute técnico aos 3 minutos do 3º round Antonio Carlos Buiú venceu Fabiano Soldado por decisão unânime dos juízes
  8. Depois de mais de um ano de obras, finalmente André Pederneiras inaugurou o novo centro de treinamentos da Nova União. Além de servir de quartel-general para os treinos da equipe, o local ainda abrigará eventos de MMA, Jiu-Jitsu e seminários. Em entrevista exclusiva ao PVT, Dedé falou sobre esta nova área, além do retorno de José Aldo e os desempenhos de alguns de seus atletas. Finalmente, o centro de treinamento ficou pronto. Foi quanto tempo de obra? De obra foi um ano e meio direto. Demos uma parada agora, mas vamos continuar fazendo outras coisas. A gente deve levar mais uns seis meses pra terminar o que falta, como alojamento e área de preparação física, mas o principal está pronto. Conseguimos treinar e fazer os eventos aqui, que eram as duas maiores necessidades. O total é de 1800 metros quadrados, só de área de treino é 600m2, fora arquibancada e outras coisas. O UFC anunciou no fim da semana passada o retorno do José Aldo para dezembro, contra o Ricardo Lamas. O que você achou dessa escolha? A gente já sabia do adversário, só faltava saber a data. Agora vamos treinar duro, assim como fizemos pra outra luta, pra dar certo desta vez de novo. Ele é um adversário duro. Na verdade, a primeira opção era o Cub Swanson, mas ele acabou não aceitando. Aí o UFC ofereceu o Ricardo Lamas e a gente aceitou. Na verdade, nunca negamos adversário nenhum. Ele está bem tranquilo. Já está treinando normal, no ritmo de camp novamente. Agora é esperar a hora chegar. O plano é vencer o Lamas e já ter um novo title-shot? Sim. A ideia é fazer essa luta agora e esperar o resultado do Max Holloway contra o Frankie Edgar, e então ter a revanche com um ou com o outro. O Frankie, por ter vencido duas vezes, e o Holloway por ter perdido essa última. Há planos também de subir de categoria ou fazer super lutas? Na verdade, nesse momento o foco é pegar o cinturão de volta. O Aldo seria assim o único atleta a pegar e recuperar o cinturão três vezes. Não tem nenhum outro atleta que fez isso, então nossa ideia é aproveitar essa oportunidade para conseguir fazer isso. A Poliana Botelho, depois de lidar com algumas contusões seguidas, finalmente conseguiu estrear no UFC. O que você achou desta primeira luta dela? O resultado foi ótimo. Estreia no UFC é sempre muito difícil. Já vimos atletas muito duros e bem treinados que chegam ali na hora e não conseguem render o que rendem normalmente. Dentro do possível ela conseguiu render bem. Acho que o jogo da adversaria prejudicou visualmente a luta, e o juiz acabou dando margem a isso. Se ele tivesse visto que a intenção dela era só travar a luta e tivesse afastado por mais vezes a luta não teria ido até o final. Na única vez em que a Poliana esteve mais solta foi no final, onde ela deu um giratório, chute na cabeça, derrubou caindo na guarda e dando cotoveladas, então se a luta tivesse corrido mais solta acho que o nocaute tinha vindo. Um dia antes da estreia dela, o Dudu Dantas acabou perdendo o cinturão do Bellator. Como você analisou essa derrota? Na verdade, no último round, vi mais um vacilo do Dudu, sem desmerecer a vitória do adversário. A partir do terceiro round o Dudu começou a dominar, que era o que a gente esperava. O cara iria cansar e ele começaria a defender todas as quedas. O Dudu dominou o terceiro e ganhou o quarto. No quinto, que era o round decisivo, o Dudu esperou demais, e acabou escutando o que a gente falava só nos trinta segundos finais. Ali, ele pressionou, passou para as costas… Se ele tivesse feito tudo desde o início teria dominado o round mais cedo, porque estava mais inteiro que o cara. Naquele momento ele hesitou e acabou perdendo o cinturão. Como está o mercado de eventos de MMA? Com muitos alunos, você tem tido dificuldades em conseguir lutas para todos? Os eventos, até pela crise brasileira, acabaram reduzidos a 10% do que existiam. Aí a gente ainda vê uma demanda menor de contratações de brasileiros pelo UFC, e no Bellator a mesma coisa. Então, estamos começando a caçar eventos pelo mundo inteiro. Na Ásia, agora também na Rússia, estamos botando atletas lá. Estamos tentando colocar atletas em todos os eventos fora do Brasil porque realmente é o que dá dinheiro, pois eles não conseguem se manter financeiramente lutando apenas aqui. Eles precisam lutar lá fora pra fazer um dinheiro e viver da luta. http://portaldovaletudo.uol.com.br/com-ct-novo-pederneiras-fala-sobre-retorno-de-jose-aldo-e-garante-foco-e-pegar-o-cinturao-de-volta/
  9. Vitor Belfort está de compromisso marcado. O brasileiro enfrenta Uriah Hall no dia 14 de janeiro, nos EUA, conforme ele mesmo anunciou em sua conta no Instagram na manhã desta quinta-feira. A cidade do evento ainda não está definida. Conforme apurou o PVT, Vitor Belfort embarca dia 04 de novembro para o Canadá para iniciar o camp na equipe Tristar, equipe de lutadores como Georges St-Pierre e Rory MacDonald. Esta será a última luta do contrato do veterano com o UFC, a 25ª pela organização contando as três passagens que teve, na qual conquistou o torneio dos pesados e o cinturão dos meio-pesados. Vitor Belfort vem de vitória sobre Nate Marquardt, em junho deste ano, no Rio. Antes, vinha de uma amarga sequência de duas derrotas e um no-contest. Após três derrotas consecutivas, Hall voltou a vencer em sua última luta, em setembro, quando nocauteou Krzysztof Jotko. http://portaldovaletudo.uol.com.br/vitor-belfort-enfrenta-uriah-hall-no-dia-14-de-janeiro-na-ultima-luta-do-contrato-com-o-ufc/
  10. Que luta!!!
  11. Luiz Dórea conseguiu a tríplice coroa como treinador de Boxe. Afinal, conquistou o título mundial com Acelino Popó, a medalha de ouro olímpica com Robson Conceição, e ainda o cinturão do UFC com Junior Cigano. Em entrevista ao PVT, Dórea analisou o aguardado confronto entre Floyd Mayweather e Conor McGregor, que acontece neste sábado em Las Vegas. Segundo ele, o favoritismo é todo do americano. “Pra mim, o grande favorito é o Mayweather. Acho que ele tem de 90 a 95% de chances de vencer bem. Ele é o maior nome do Boxe atualmente, tem uma habilidade muito refinada, conhece o ringue como ninguém. É muito técnico, muito rápido, com uma defesa muito eficiente. Sabe entrar e sair do raio de ação como ninguém, é um craque dentro do ringue”, analisou, “O McGregor é um cara que não pode ser subestimado, pois conquistou dois títulos dentro do UFC. Ele é mais pesado, é canhoto, e em algumas lutas o Mayweather se complicou contra canhotos. Mas dentro do ringue o Mayweather é muito superior. O McGregor nunca lutou com alguém que se movimenta tão bem como ele. É uma luta de 12 rounds, e acho que ele vai buscar o clinche pra cansar o Mayweather. Existe uma chance mínima do McGregor acertar um golpe isolado e conseguir o nocaute no primeiro ou segundo round, porque acertá-lo é muito difícil”. Na contagem regressiva para a disputa, Dórea aposta que o duelo é muito importante para o mundo das lutas, e ressaltou que o feito do irlandês, apenas de conseguir o desafio, já é enorme. “Será um grande evento. Só pelo McGregor ter a oportunidade de tirar o Mayweather da aposentadoria é um grande feito. Ele é uma máquina de fazer dinheiro. O público do Boxe vai estar assistindo, pois eles querem ver o Mayweather batendo no McGregor, e o público do MMA também vai assistir, porque o McGregor é o grande nome do MMA mundial. Será uma grande luta. Estou torcendo para que seja um grande combate, e que tenham outras oportunidades como essa. O MMA tem muitos lutadores com habilidades com as mãos e podem fazer grandes confrontos futuramente. O McGregor está tendo a oportunidade que muitos campeões não tiveram”. http://portaldovaletudo.uol.com.br/luiz-dorea-analisa-may-mac-90-95-de-chances-de-mayweather-vencer-bem/
  12. Tão logo soube de mais um caso positivo de Jon Jones no antidoping (clique aqui e leia), Daniel Cormier falou com o “MMA Fighting” sobre o episódio. O lutador, que deve ter seu cinturão de volta caso Jones perca o título, lamentou mais um caso de doping do seu rival. “É difícil encontrar palavras para descrever como estou me sentindo agora. Estou desapontado em ouvir essa notícia”, disse, “Nós, como atletas, temos direito ao devido processo, e eu vou me abster de dizer mais até que saiba exatamente tudo que aconteceu. Na minha mente, no dia 29 de julho, eu competi e perdi. Eu achei que o Jon Jones foi o melhor homem naquele dia. Eu não sei mais o que pensar. Não posso acreditar que vamos passar por tudo isso de novo. Vamos ver o que acontece a seguir. Obrigado a todos meus fãs que têm me apoiado neste momento difícil. Eu amo vocês demais”. http://portaldovaletudo.uol.com.br/cormier-lamenta-novo-doping-de-jones-nao-posso-acreditar-que-vamos-passar-por-tudo-isso-de-novo/
  13. Esse evento parece que será tão bom quanto o de NY do ano passado. Nessa luta aí, dificil, mas vou de Thompson.
  14. Deixa o cara trabalhar! Pezão deve tá ganhando uma boa grana depois que saiu do UFC, pode fazer o TRT dele numa boa e deve ser um cara respeitado lá naquelas bandas, por isso vem sendo chamado para lutar direto. Eu, particularmente, não vejo problema nenhum nisso.
  15. Dificil falar quem é o melhor em esportes diferentes, mas a enquete é boa mesmo. Eu acho que Eder Jofre e Francisco Filho são inquestionáveis. No MMA, acho que foi o Anderson.