Scolfield

Membros
  • Content count

    1721
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

0 Neutra

About Scolfield

Recent Profile Visitors

14967 profile views
  1. A Cyba ta bem chatinha, toda hora reclama de alguma coisa. Não tá satisfeita vai pro Bellator, Rizin.
  2. O Ultimate divulgou neste sábado o pôster oficial do UFC 214, evento do dia 29 de julho em Anaheim, EUA. A imagem foca na intensa rivalidade entre Daniel Cormier e Jon Jones, protagonistas do evento principal, que disputam o cinturão dos pesos-meio-pesados. O cartaz teve recepção mista do público. Uma pessoa que não gostou nem um pouco foi Cris Cyborg, que disputa o cinturão dos pesos-penas com Megan Anderson no coevento principal. A lutadora brasileira foi às redes sociais e reclamou que o UFC não destacou nem ela, nem sua adversária no pôster, como já fez em outros cartazes de eventos que tinham mais de uma disputa de título. "Estarei lutando pelo "cinturão" do @ufc 29 de julho na minha cidade adotiva do Condado de Orange. E olha aí o pôster... Estou decepcionada ao ver @danawhite @seanshelby não dando apoio por trás disso. Sou campeão mundial de 10 anos e mereço ser respeitada represento o meu país Brasil e para vocês saberem o Brasil é o lugar que eles mais fazem grana, fora dos USA. Estou cansada de trabalhar para uma empresa que quer me esconder mais do que me promover.", escreveu Cris Cyborg. http://sportv.globo.com/site/combate/noticia/2017/06/poster-do-ufc-214-causa-ira-de-cris-cyborg-empresa-quer-me-esconder.html
  3. Deve ser algum desleixo, nao é possivel. Uma pena, achei que o Barba ia longe depois da saída do GSP
  4. Normal. Assim a galera assiste na Spiketv e fica pilhada pra ver o principal no ppv. O UFC usava muito o Faber pra isso.
  5. O Rizin está bem fraco mesmo. Uma pena! Queria ver como o sucessor do Pride, mas tá difícil.
  6. Graças a Lei Pelé, o Brasil pode ter qtas Federações quiser pra cada esporte. O que tornou tudo uma bagunça. Eu conheço umas 3 nacionais de MT. As graduações, acredito, vão de cada escola ou federação, e no MT ainda tem a questão de que várias escolas possuem mtas filiais, como a chute boxe, nikolai, champions factory, etc. Não pratico, mas imagino que cada caso é um caso mesmo...
  7. Está rolando!
  8. Aquela de verdade já rolou, mas a do publico é 18h e deve passar nesse player abaixo. Bom que vai ter as encaradas tb:
  9. Após mais de três anos de rivalidade, que foi iniciada ainda no UFC, Wanderlei Silva e Chael Sonnen têm um encontro marcado dentro do cage neste sábado, em Nova York, EUA, pelo Bellator. De acordo com informações passadas por quem está no circuito, o clima nos bastidores está altamente tenso com o norte-americano tentando provocar ao m´máximo o brasileiro. Treinador de Wanderlei, André Dida bateu um papo com o PVT sobre o aguardado combate. “O clima está a mil. O Sonnen sabe que é um fanfarrão, tira sarro de tudo e tenta mexer na mentalidade do Wand, mas o Wand é muito experiente e está pronto. Palavras não vencem uma luta, o que vence uma luta são punhos e joelhos. E dessa forma quem vai falar mais alto é o Wand”, acredita. O Wand está feliz, está muito animado com a luta. Ele quer dar esse presente para os fãs. É uma luta muito boa para ele. Ele está muito focado. Podem aguardar que o verdadeiro Cachorro Louco vai voltar a se apresentar”. Quem conhece a carreira de Wanderlei Silva sabe muito bem que a espinha dorsal de todas as suas estratégias sempre foi a mesma: agressividade do início ao fim da luta. Aos 40 anos de idade e quase 21 de carreira, o curitibano parece não ter mudado. “Montamos uma tática. Sabemos que o Sonnen gosta de iniciar trocando para na primeira oportunidade tentar a derrubada para poder trabalhar por cima. Estamos cientes do jogo dele, ele é muito previsível. Não acreditamos que ele possa fazer algo diferente. O Wanderlei é aquilo… Luta agressivo, na distância. Treinamos para que o Wanderlei não deixe o Sonnen crescer para fazer aquela luta chata que ele gosta. O Wanderlei tem que soltar o Wanderlei. O resumo é esse”, explicou Dida. Ainda de acordo com o líder da Evolução Thai, os meses de treinamentos que antecederam a luta foram todos baseados nas armadilhas que o norte-americano pode oferecer no duelo. “Foram seis meses de treinamento, então ele está preparadíssimo. O estilo do Wand não mudou, ele luta para massacrar, exterminar os opoentes. O Wanderlei entra para acabar a luta a qualquer momento, esse é o estilo de luta dele. Nosso treinamento foi baseado no que o Sonnen pode sempre faz. O antídoto é neutralizar a entrada, sempre deixar golpes para ele não se sentir confortável… Mas o Wanderlei também treinou muita luta de chão e está com umas finalizações bem afiadas, e com o cardio em dia”. http://portaldovaletudo.uol.com.br/o-que-vence-luta-nao-sao-palavras-sao-punhos-e-joelhos-e-dessa-forma-o-wand-fala-mais-alto-avisa-andre-dida/
  10. Acho que dá Buchecha. Tem mais repertório e ritmo de competição. Se o Roger estivesse competindo, acho que dava pra complicar a vida do Buchecha, mas sem ritmo complica. Mas se o Gracie vencer aí é o maior da historia mesmo
  11. Uma vez que o DJ não tem adversários, acho válido ele disputar direto sim. O Edgar não lutou direto? O Pettis vinha de derrota e ia lutar com o Aldo, mas a luta caiu... não faltam exemplos, então acho justo. Só acho difícil pq bater 57kg pro TJ deve ser sinistro...
  12. Michael Bisping é sempre alvo de críticas pelos rumos que seu reinado na divisão de médios vem tomando. Após vencer Luke Rockhold e conquistar o cinturão no ano passado, o inglês causou polêmica ao defender o título contra Dan Henderson, e na sequencia não foi muito favorável a enfrentar desafiantes como Yoel Romero e Ronaldo Jacaré. Em entrevista ao “Believe You Me Podcast”, o campeão rebateu os críticos. “Eu vou ser muito cuidadoso com o que vou dizer aqui porque eu sei que todo mundo fala merda sobre mim e diz que amarelo, me criticam por ter lutado com o Dan Henderson, que evito os melhores desafiantes, etc. Não é isto que aconteceu, seus filhos da mãe. O UFC me ofereceu o Dan Henderson, eu fiz a luta e depois tive uma cirurgia no joelho. Duas cirurgias, na verdade”, explicou, “Eu sei que as pessoas falam merda dizendo que evito o Romero, mas não é o caso. Eu tive duas cirurgias, estou voltando aos treinos agora, mas ainda não consigo fazer um camp de treinamento”. Bisping aproveitou o assunto para falar sobre Germaine de Randamie, ex-campeã dos penas que perdeu seu título ao recusar defende-lo contra Cris Cyborg. O inglês diz que a situação dele e da holandesa são bem diferentes. “A questão sobre Germaine que sempre me irrita é que desde que ela venceu Holly Holm e conquistou o cinturão, ela disse no ringue ao Joe Rogan que não lutaria com a Cyborg porque tinha uma cirurgia na mão para fazer. Imediatamente depois da vitória ela estava no ringue, falando com Rogan, e amarelando pra principal desafiante dizendo que tinha uma cirurgia para fazer. Depois, na conferência de imprensa, ela disse que poderia fazer uma revanche com Holly Holm porque a luta foi muito apertada. Ou seja, ela precisa de uma cirurgia na mão ou não?”, questionou. http://portaldovaletudo.uol.com.br/bisping-descarta-fama-de-amarelao-e-critica-ex-campea-randamie/
  13. Fedor Emelianenko volta a ação neste sábado, no Bellator 180, em Nova York. Ele vai enfrentar Matt Mitrione em uma das principais atrações da noite. Considerado por muitos como o melhor lutador de todos os tempos, o russo rechaçou este rótulo em entrevista ao “The MMA Hour”. “Eu nunca me considerei o melhor”, disse, “Um lutador pode perder a qualquer momento. E há alguns lutadores, por exemplo, que estão defendendo alguma posição e que vão ser melhor do que eu em alguma técnica”. Entre tantos combates históricos que protagonizou, Fedor conta que não tem um duelo favorito, mas acaba cedendo ao apontar dois confrontos marcantes de sua carreira. “Todas as lutas foram interessantes por alguma razão, eu poderia achar alguma coisa em cada luta. Mas, uma luta que eu posso destacar seria a primeira com Minotauro Nogueira. E a luta com Mirko Cro Cop”. http://portaldovaletudo.uol.com.br/fedor-rechaca-posto-de-melhor-de-todos-os-tempos-nunca-me-considerei-o-melhor/
  14. O UFC desembarcou pela primeira vez no Brasil em outubro de 1998, mais precisamente no ginásio da Portuguesa, em São Paulo, com sua edição de número 17.5. Embora a maioria dos fãs lembre apenas da luta em que Vitor Belfort nocauteou Wanderlei Silva em incríveis 44 segundos, o evento teve um total de oito combates no card. Os protagonistas da luta de abertura do primeiro evento do UFC no Brasil foram os paulistas Cesar Marcussi e Paulo Santos. Marcussi levou a melhor com um nocaute técnico em aproximadamente 10 minutos de duelo – naquela época o round era de 15 minutos. Em bate-papo com o PVT, o primeiro lutador a vencer uma luta do Ultimate no país lembrou que foi escalado para lutar a duas horas do início do evento. “Na verdade quem lutaria era o Marcelo Cachorro Louco, mas ele acabou saindo do card. Como eu estava no hotel, me convidaram para lutar no evento. O detalhe é que me chamaram para lutar às 18h e a luta era às 20h!”, lembrou o lutador. “Meti a cara, não podia deixar passar uma oportunidade daquela. Apesar de tudo, foi um grande aprendizado para mim”. Na última edição do UFC no Brasil, que aconteceu no início deste mês no Rio de Janeiro, o atleta do card que recebeu a menor bolsa foi o inglês Jim Wallhead, que enfrentou o brasileiro Luan Chagas. Mesmo derrotado, ele embolsou cerca de US$ 12.500 (cerca de R$ 41.000). O valor é bem superior ao pago a Cesar Marcussi. “Naquela época o valor da bolsa para eu lutar foi de 5 mil dólares (cerca de R$ 16 mil nos dias atuais), mas na minha mão só chegaram mil dólares (cerca de R$ 3 mil nos dias atuais). Me disseram que foi por conta dos descontos de uma série de coisas. Como não sabia falar inglês, tive que engolir”, lamentou. Atualmente com 43 anos de idade e morando no município paranaense de Cascavel, Marcussi ainda disputa campeonatos de Jiu-Jítsu e afirma estar à disposição para lutar MMA. Seu cartel registrado no site Sherdog.com é de cinco lutas, com três vitórias e duas derrotas. “Não pude me dedicar exclusivamente ao MMA porque naquela época o esporte era incerto. Eu mesmo deixei passar duas ou três oportunidades de lutar no UFC outra vez por conta dessa incerteza. Eu tinha filho pequeno então optei pelo certo, que era meu emprego fazendo segurança pessoal. Não dava para subir no octógono sem nenhum preparo, chegar lá e perder”, explicou. “Hoje em dia eu vivo dando aulas de Jiu-Jítsu e competindo nos tatames. Caso apareça algum evento de MMA com uma proposta interessante, eu aceito lutar”. http://portaldovaletudo.uol.com.br/primeiro-lutador-vencer-em-uma-edicao-do-ufc-no-brasil-lembra-que-foi-escalado-para-lutar-duas-horas-do-evento/