Koral

Membros
  • Total de itens

    521
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre Koral

  • Data de Nascimento 08/19/1971

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Rio de Janeiro
  1. Whittaker merece o título venceu o 02 e 01 do ranking com propriedade.
  2. Taí um cara que sou admirador,simples, inteligente gente boa e um excelente lutador. Infelizmente Demian deve sua estrada mais difícil ao nosso querido Spider que tentou humilhá-lo naquela disputa de cinturão, assim como fez com o THales.
  3. Mostrou mais uma vez que é o Anderson Silva, total desrespeito com os demais lutadores do evento.
  4. Depois de fazer um forte desabafo contra o Ultimate e contra Dana White, a quem chamou várias vezes de "Todo Poderoso", Anderson Silva deu mais um indício que ainda está magoado com os rumos tomados recentemente pela principal organização de MMA do mundo. Em seu perfil em uma rede social, o Spider interagiu com os fãs que comentavam sobre um vídeo que havia acabado de postar e, nas mensagens, sugeria que fosse solicitado de volta o dinheiro do ingresso do UFC Rio 8. - Você tem todo o direito de buscar seu dinheiro de volta do seu ingresso. Aliás, todos que são meus fãs deveriam fazer o mesmo - postou Anderson Silva. Assim que foi anunciada a oitava edição do UFC no Rio de Janeiro, dia 3 de junho, Anderson Silva logo teve seu nome ventilado e, posteriormente, confirmado para estrelar o card. A luta do Spider seria contra o jovem Kelvin Gastelum, que havia derrotado Vitor Belfort, recentemente, em Fortaleza. Porém, o lutador americano foi pego no antidoping e o ex-campeão peso-médio passou a viver com a indefinição sobre seu próximo adversário na Cidade Maravilhosa. Com o passar dos dias, mesmo com Anderson Silva pedindo uma luta pelo cinturão interino da categoria até 84kg contra o cubano Yoel Romero, o UFC não encontrou um rival para o brasileiro. Depois do desabafo contra Dana White, que horas depois anunciou que havia desistido da luta Georges St-Pierre x Michael Bisping, que, teoricamente, estava "travando" a categoria dos pesos-médios, o Spider encerrou oficialmente seu camp no Rio de Janeiro. Mas, antes de voltar para Los Angeles, o ex-campeão teve tempo para dar mais uma "alfinetada" na organização. Cabe ressaltar que o próprio UFC já havia anunciado, no comunicado oficial de que Anderson Silva estava fora do evento no Rio de Janeiro, dia 3 de junho, que os fãs que quisessem, poderiam solicitar o reembolso do ingresso.
  5. Dana falou a verdade, tem mais é que se aposentar, as últimas lutas do Spider foram ridículas, o tempo já passou e a derrocada começou com a bordoada no queixo do Weidman.
  6. Não acho que Dana seja um lixo, o cara transformou uma briga de ringue no maior evento de lutas do mundo, emprega diversas pessoas no mundo e só está querendo que a empresa sobreviva no mundo capitalista.
  7. Acho que nem precisaria do famoso trash talking, mas alguns lutadores se mostraram pouco ambiciosos e limitados em defender seu título na divisão entre eles o Aldo, Spider, GSP e Jones. O cara para fazer história e dinheiro tem que ter um diferencial e o Irlandês além de ser um excelente lutador possui a coragem que muitos não tiveram.
  8. O homem que mudou a história do UFC. Mostrou ao mundo mercenário de Dana White o verdadeiro valor do dinheiro. Nunca houve ninguém como Conor McGregor… "Onde está o meu segundo cinturão? Eu rendo 4,2 bilhões de dólares a vocês e vocês não me dão a porra do meu cinturão? Acabei de ganhar e vocês já querem tirá-lo de mim. "Eles (todos os lutadores dos penas e dos leves do UFC) não estão no meu nível. É melhor vocês melhorarem de tamanho, peso ou o que for, porque senão eu vou acabar com vocês todos. "Eddie é um guerreiro, mas não deveria estar aqui comigo. "Obrigado (torcedores) por virem, eu amo todos vocês. "Passei muito tempo falando mal de muita gente. "Ridicularizei muita gente aqui, mas gostaria de pedir desculpas... "A absolutamente ninguém..." Conor McGregor é o maior lutador da história do UFC. De MMA de todos os tempos. Não pelo estilo, pelo talento. Houve inúmeros mais completos. Só que nenhum deles chegou perto de explorar todo o potencial de marketing do maior eventos de lutas de combates do planeta. Ninguém chegou a seus pés. Anderson Silva, Jon Jones, Fedor Emelianenko, George Saint-Pierre, Chuck Liddell, Royce Gracie, Randy Couture, BJ Penn, Vitor Belfort, Minotauro, José Aldo, Mark Coleman, Vanderlei Silva. Todos fantásticos dentro do octógono. Mas, fora do ringue de oito lados, ingênuos, homens das cavernas, incapazes de enxergar todo o dinheiro e audiência mundial envolvidos no que fazem. Otimizar o confronto básico entre dois homens, dispondo apenas da força do seus braços, pernas e técnica, na disputa primitiva, onde só há espaço para um. A teoria da evolução das espécies de Charles Darwin levado ao extremo. Dana White não beija o chão onde Connor pisa por acaso. Esse homem de 28 anos de arrogância pura é a encarnação do sonho do presidente do UFC. Ele mistura os dois continentes que interessam. McGregor é europeu, irlandês. Filho da colônia fundamental nos Estados Unidos. Seu mantra em toda entrevista é certeiro. "Show me the money! Show me the money!" "Me mostre o dinheiro. Me mostre o dinheiro", grita, ensandecido, quando Dana White oferece qualquer luta. O norte-americano, consumidor do pay-per-view, onde as lutas são mostradas, associa o dinheiro aos 'escolhidos'. Não é por acaso que o presidente eleito dos Estados Unidos, o bilionário Donald Trump, foi um dos maiores incentivadores do UFC nos seus cassinos. Ele reverencia os vencedores, os que justificam as grandes quantias depois de nocautear, deixar na lona seus adversários. Conor McGregor tem 28 anos e apenas 10 lutas no UFC. Mas seu patrimônio é de 40 milhões de dólares, cerca de R$ 135 milhões. Muito mais lucrativo do que as lutas e os prêmios de melhor performance da noite (ganhou cinco vezes), o grosso do dinheiro vindo do UFC está no pay-per-view. É disparado quem o maior vendedor da história das lutas no octógono. O patrocinador oficial do UFC, a Reebok, fez questão de fechar com o irlandês. O valor é um segredo de estado. Mas a ligação irrita os outros lutadores. McGregor não se importa. Pelo contrário. Ele quer muito mais do UFC. Já brigou com a organização do evento. Ameaçou aposentadoria e não esteve no card do UFC 200. O motivo era a exigência de uma bolsa maior para a revanche com Nate Diaz. Mas Dana White não se importou. O presidente o queria ontem em Nova York, no Madison Square Garden. O lutador mais rentável na primeira vez que o circo do UFC desembarcava na cidade mais desejada. A que por décadas esteve fechada para o MMA. Por força dos mafiosos do boxe, ligados aos políticos locais. Eles lutaram até não poder mais. Tiveram de se render. A cidade que nunca dorme não poderia mais desprezar os milhões de dólares que o UFC atrai. Por isso a disputa de três cinturões. Com a luta principal para Conor. O que ele fez com Eddie Alvarez foi algo incrível. Demonstrou que toda a sua arrogâncias, suas provocações dignas da luta livre, se justificavam. Dominou do início ao nocaute fulminante no segundo round. Encheu de orgulho os irlandeses, os filhos de irlandeses, os netos de irlandeses, os bisnetos de irlandeses que lotavam o Madison. Foi apoteótico. Conquistou o cinturão dos leves. Já tem o dos penas. Nunca ninguém teve os dois cinturões ao mesmo tempo no UFC. Jamais. E os mostrava sorrindo ao mundo. Ele sabe que seu toque de Midas já chegou até o norte-americano Floyd Mayweather. Doze vezes campeão mundial em cinco categorias diferentes. Lutador de boxe que anunciou o fim de sua carreira de forma invicta. 49 lutas, 49 vitórias. Floyd disse que só voltaria ao boxe para enfrentar uma pessoa no planeta. Sim, Conor. A bolsa que Floyd exigiria seria de 100 milhões de dólares. Disse que o irlandês receberia 7 milhões de dólares. McGregor aceita o combate. Mas riu do dinheiro. "Eu ouvi Mayweather falando sobre essa luta. Não fui eu quem começou os rumores. Ele começou. Li que ele pensa em ganhar US$ 100 milhões, e eu ficaria com US$ 7 milhões. Por esse valor eu nem começo a conversar. Onde está todo o dinheiro que ele diz que faz? US$ 7 milhões é uma piada. "Se ele fala de US$ 100 milhões, eu também falo em US$ 100 milhões. Tenho 27 anos (depois completou 28 anos) e estou caminhando para um contrato de US$ 100 milhões. Aos 27 anos de idade Floyd Mayweather estava no card preliminar das lutas de Oscar de la Hoya. É só comparar. Ele está ficando velho agora. Eu tenho o tamanho, o alcance, a altura... tudo isso a meu favor. "Eu tenho a juventude a meu favor. Ele precisa de mim, eu não preciso dele. A verdade é essa. Contra quem mais ele vai lutar? De repente a bolsa dele cai de US$ 100 milhões para US$ 15 milhões. É por isso que ele precisa de mim. Se ele quiser conversar, vamos conversar. Mas quem está no controle sou eu." Na resposta, Conor entrega o que muitos estão repetindo. O UFC está oferecendo um contrato de 100 milhões de dólares, cerca de R$ 339 milhões, para mais lutas. 20 deseja a organização. Dez quer o lutador. Dana White quer que o irlandês renuncie a um dos cinturões. Não pode manter um mesmo lutador campeão de duas categorias. É mais provável que renuncie a dos penas, e deixe José Aldo sem a desejada revanche. O irlandês confessa que tem dificuldade em perder tanto peso. José Aldo ficou muito para trás. Conor McGregor o usou como queria. Como trampolim. Em 13 segundos acabou com a invencibilidade de dez anos do brasileiro. Depois duas lutas com Nate Diaz. E a consagração contra Eddie Alvarez. Suas declarações após a luta resumem quem é este homem, que o pai não queria lutando. Sonhava que fosse um encanador em Dublin. Mas Conor mudou seu destino. E quer muito mais. "Há algumas bombas que queria soltar. Um dos anúncios é que serei pai no começo do ano que vem. Estou cagando nas calças, não sei o que terei de fazer, porque não quero trazer meu filho ao mundo no meio disso tudo, não quero que isso vire um daqueles reality shows de celebridade, odeio isso! "Não quero fazer minha família passar por isso. Quero que esse bebê seja muito feliz, vou tirar um tempo e ver como vai ser. Eles precisam vir falar comigo. Os novos proprietários não vieram falar comigo desde que a companhia foi vendida, e, como um homem de negócios, eu conquistei algo. "Quem é o dono da companhia agora? Há pessoas que compraram parcelas, cadê minha parte? Cadê minha participação? Eles precisam vir até mim. Estou formando uma família, com um filho a caminho, quero ser proprietário, conquistei isso. Quero a parte que mereço!" E merece mesmo. Nunca houve ninguém como Conor McGregor. O homem que ensina marketing e o valor do dinheiro ao UFC. O irlandês é o maior de todos. Merece ser chamado de "Notorius"... Fonte: http://esportes.r7.com/blogs/cosme-rimoli/o-homem-que-mudou-a-historia-do-ufc-mostrou-ao-mundo-mercenario-de-dana-white-o-verdadeiro-valor-do-dinheiro-nunca-houve-ninguem-como-conor-mcgregor-13112016/
  9. Ja vai tarde, lutador de resultado. Perderia de novo para o Mcgregor.
  10. Como uma esposa esperta, o UFC faz McGregor achar que está no comando O irlandês é útil enquanto divide com a companhia o ônus de ter atitudes impopulares. Quem não entende o mecanismo do jogo fica para trás, e José Aldo não soube jogar Não importa quanto você ache que é injusto José Aldo não ter sua sonhada revanche contra Conor McGregor e até anuncie a aposentadoria enquanto o irlandês faz lutas e mais lutas que só servem para que ele aumente o seu nome e se firme como o maior vendedor de pacotes de pay-per-view da história do UFC. Também não importa se Aldo vai se aposentar ou se McGregor vai ou não ser campeão de duas ou três categorias diferentes. O que interessa, hoje, também não é só dinheiro. UFC e Conor McGregor estão de mãos dadas, e os dois se ajudam. Isso, sim, importa. E vou explicar o porquê. Dana White e os antigos ou novos donos do UFC não são bobos. Não são ingênuos ou, muito menos, pressionáveis. Se os irmãos Fertitta eram donos de cassinos (no plural, cassinos mesmo), os novos donos do UFC são responsáveis pela WME-IMG, o braço do entretenimento de um conglomerado de empresas (Silver Lake, KKR Group, MSD Capital e MSD Partners) cujo valor estimado gira em torno de (respire fundo...) US$ 100 bilhões. Isso mesmo. Com todo os zeros possíveis. Para esse pessoal, que pagou US$ 4,2 bilhões ao comprar parte do UFC, dinheiro não é problema. Posto isso, voltemos ao relacionamento UFC-Conor McGregor. O que, na sua opinião, é melhor: você ser visto como o total responsável por decisões impopulares esportivamente, ou dividir com alguém o peso das cobranças? Eu não pensaria duas vezes para decidir, e aparentemente Dana White também não pensou. Pensem comigo: Conor McGregor possui a melhor personalidade possível para promover lutas. É inteligente, folgado, rápido e muito bom lutador. Ele diz que vai fazer e faz. Além disso, é esperto. Sabe o seu valor e cobra caro para jogar o jogo. E, acima de tudo, não se importa em soar impopular. Ele entendeu as regras da empresa que o emprega e as segue à risca. Faz o que tem que ser feito, e é beneficiado por isso. Só para fazer uma comparação, José Aldo, que luta como poucos, promove mal seus eventos. Não dá valor a falar inglês bem, não desafia adversários de forma incisiva, é arredio com a imprensa e pouco sai do roteiro "humildade e respeito". Não evoluiu no ponto de vista da promoção, e acabou ficando para trás. Simples assim. O UFC percebeu isso logo cedo, e no melhor espírito dos jogadores de pôquer (ou de boa parte das esposas do planeta), decidiu dar a cartada de mestre: fazer McGregor acreditar que ele manda no jogo, como aquele marido fanfarrão que diz que "quem manda aqui sou eu!", e no fim acaba indo ao cinema ver uma comédia romântica, ou dispensa aquela pelada da quinta-feira pra ir a uma festinha infantil. O irlandês pede o que quer, e o UFC atende. Subserviência? A meu ver, de forma alguma. Controle. A empresa praticamente não corre riscos com McGregor. Se ele faz uma "marquee fight" - aquelas lutas que aparecem em todos os letreiros em letras garrafais - o lucro é imenso. Se ele faz uma luta valendo cinturão, também. Percebem? O risco é todo de McGregor. Ele coloca o dele na reta no octógono. Se vence, o valor que embolsa é - por baixo - 50 vezes menor que o arrecadado pelo UFC. Se perde, o UFC paga bem menos, a torcida contra vibra por terem calado sua boca, mas ele embolsa uma grana preta do mesmo jeito. Por que, então, Dana White e seus blue caps iriam peitar o irlandês, ou assumirem sozinhos a imagem de "ditadores de regras"? Para correr o risco de ver seu "golden boy" não se queimar nem um pouco com a opinião pública, sendo visto como apenas um "obedecedor de ordens", arriscar matar um de seus maiores atrativos, que é a arrogância teatral e, na primeira oportunidade que tivesse, arrumar um outro evento que pague sua multa rescisória? Isso sim seria um tiro no pé. Imaginem a cena: Na penúltima ou última luta do seu contrato, McGregor chega com Scott Coker no escritório de Dana White na sede do UFC para uma reunião e, sem dizer uma palavra, estala os dedos e o chefão do Bellator despeja no chão um baú de dinheiro. Multa paga, lutador liberado. Na mesma hora, Coker dispara um tweet dizendo o seguinte: "McGregor x Sonnen". Pesadelo maior para o careca mais famoso do MMA não há, acreditem. Portanto, enquanto o UFC conseguir fazer McGregor achar que manda, ele fará isso. O irlandês continuará falando muito, peitando todo mundo, enchendo os bolsos e se sentindo cada vez mais confortável para desafiar rivais que elevem o seu nome, promovendo eventos que farão com que tanto ele quanto o UFC façam o máximo de dinheiro possível. E o UFC continua sendo visto como refém de um mimadinho que usa a sua força para ganhar o que quer, e não como o patrão déspota que impõe suas decisões. Não se enganem, o jogo é exatamente esse. UFC e McGregor se completam e se ajudam mutuamente. E quem não gostar que esperneie. Do outro lado da tela, McGregor e Dana White darão boas gargalhadas bebendo um bom vinho e contando cada vez mais verdinhas. http://sportv.globo.com/site/combate/opiniao/noticia/2016/09/como-uma-esposa-esperta-o-ufc-faz-mcgregor-achar-que-esta-no-comando.html Para mim uma análise perfeita.
  11. Esse Aldo é um chato e deveria dar graças a Deus, ia tomar outro KO do Irlandês maluco.
  12. Sinceramente, Aldo deveria dar graças a Deus, ia tomar outro KO do Irlandês maluco.
  13. Valeu careca, salvou o Aldo de tomar mais um KO.
  14. Sei não, mas Werdum me parece ter uma personalidade estilo "Aranha".