SgtBlackStar

Membros
  • Content Count

    517
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

0 Neutra

About SgtBlackStar

Recent Profile Visitors

1163 profile views
  1. Gostei das lutas sugeridas, seriam ótimas lutas mesmo.
  2. É guerra! Dana White culpa Covington por não fechar duelo contra Usman, no UFC 244 Dana White não aliviou Covington por falha em negociação de luta – Rigel Salazar A “guerra” entre UFC e Colby Covington teve mais um capítulo na última quinta-feira (19). Após o lutar acusar a organização de “negociar trabalho escravo”, foi a vez de Dana White não aliviar para o meio-médio. Durante a coletiva de imprensa do UFC 244, em Nova York (EUA), o presidente da organização culpou o americano pela falha da negociação do seu duelo contra Kamaru Usman, pelo título do peso meio-médio (77kg). Anteriormente existia a expectativa deste confronto ser o main event deste evento, no entanto, perdeu o lugar para Jorge Masvidal e Nate Diaz. “Colby Covington pode dizer o que quiser, mas buscamos grandes lutas. Vamos atrás dos caras e dizemos: ‘Este é o próximo. Esta é a data. Você quer a luta?’. Obviamente ele queria mais dinheiro para enfrentar o Usman”, disse. Dana White não tratou de aliviar Covington em nada. Para o mandatário da franquia, o americano tem “corrido” de lutas oferecidas a ele, por isso ainda não tem data para voltar a atuar. Na última vez que pisou no octógono, Colby derrotou Robbie Lawler, em agosto deste ano, por decisão unânime. “Essa é a segunda vez que ele faz isso (recusa lutas). Também falamos se ele não quisesse lutar contra o Usman, a gente fecharia um combate com o Tyron Woodley. E ele também recusou. Você quer lutar ou não. Quando Colby Covington estiver disposto a lutar, ele vai nos dizer”, afirmou. Covington já conquistou título interino meio-médios, quando derrotou Rafael Dos Anjos, em junho de 2018. Entretanto, teve este retirado por ter demorado a ficar apto para encarar Tyron Woodley, que na época, era o detentor do cinturão linear. ‘Chaos’ chegou ao UFC em 2014, com cartel invicto em cinco lutas. Ele emendou três triunfos até sofrer aquela que, até hoje, é a única derrota de sua carreira. No UFC 194, Colby foi finalizado com uma guilhotina por Warlley Alves. https://agfight.com.br/e-guerra-dana-white-culpa-covington-por-nao-fechar-duelo-contra-usman-no-ufc-244/
  3. Rodríguez e Stephens confirmam luta principal do UFC México; ‘Miss Simpatia’ não bate o peso Rodríguez é o principal lutador mexicano da atualidade – Reprodução/YouTube O UFC México está confirmado de cima a baixo. Os 24 atletas do card cumpriram sua obrigação nesta sexta (20), subiram à balança e, apesar de uma falha no peso, garantiram a realização dos 12 combates do sábado – entre eles o mais aguardado, pelos penas (66 kg), entre Yair Rodríguez e Jeremy Stephens, que marcaram 65,7 kg. Muito aplaudidos pela plateia que acompanhou a pesagem, os dois prometem fazer um duelo muito disputado em pé. A janela de duas horas começou com uma atleta da casa. Alexa Grasso, que enfrentará Carla Esparza no confronto coprincipal da noite, registrou 52,6 kg. Como de costume, os primeiros minutos foram marcados por uma grande leva de atletas indo se pesar. Desta vez, entretanto, o grupo dos que se apressaram foi ainda maior: passados 30 minutos, 21 deles já haviam passado pela balança. Entre estes lutadores, estava Bethe Correia, que, ao contrário de seu último compromisso, conseguiu ficar no limite da categoria feminina dos galos (61 kg), com 61,7 kg. Já Ariane ‘Sorriso’, que estreia no Ultimate contra Angela Hill, chamou a atenção por ficar bem abaixo do limite dos palhas (52 kg): ela registrou 50,8 kg. Os dois últimos a se pesarem foram brasileiros: Vanessa Melo, a ‘Miss Simpatia’, foi a única atleta do card a não conseguir bater o peso. Bastante desgastada, a lutadora registrou 63,5 kg – 1,8 kg acima do máximo permitido para combates do peso-galo que não valem cinturão. A situação, porém, é justificável pelo fato de que ela aceitou o confronto com apenas dez dias de antecedência, o que atrapalhou o corte de peso. Apesar da falha, o combate contra Irene Aldana foi confirmado, mediante – segundo o site ‘MMA Junkie’ – a cessão de 30% da bolsa da brasileira para a mexicana. O derradeiro lutador a chegar à rápida pesagem foi Vinícius ‘Mamute’, que, em busca do primeiro triunfo no Ultimate, marcou 93,4 kg para encarar Paul Craig – assim como ele, um especialista na luta de chão. O UFC México está agendado para começar às 18h deste sábado, com transmissão do canal ‘Combate’. Confira o resultado da pesagem do UFC México: Card principal Pena (66 kg) | Yair Rodríguez (65,7 kg) vs. Jeremy Stephens (65,7 kg) Palha feminino (52 kg) | Carla Esparza (52,2 kg) vs. Alexa Grasso (52,6 kg) Mosca (57 kg) | Brandon Moreno (56,2 kg) vs. Askar Askarov (57 kg) Galo feminino (61 kg) | Irene Aldana (61,2 kg) vs. Vanessa Melo (63,5 kg)* Pena (66 kg) | Martin Bravo (65,3 kg) vs. Steven Peterson (66,2 kg) Card preliminar Galo (61 kg) | José Alberto Quiñónez (60,8 kg) vs. Carlos Huachin (61,7 kg) Pena (66 kg) | Polo Reyes (65,7 kg) vs. Kyle Nelson (66,2 kg) Palha feminino (52 kg) | Ariane ‘Sorriso’ (50,8 kg) vs. Angela Hill (52,1 kg) Mosca (57 kg) | Sergio Pettis (56,2 kg) vs. Tyson Nam (57,2 kg) Meio-pesado (93 kg) | Vinicius ‘Mamute’ (93,4 kg) vs. Paul Craig (93,4 kg) Galo feminino (61 kg) | Sijara Eubanks (61,2 kg) vs. Bethe Correia (61,7 kg) Leve (70 kg) | Claudio Puelles (70,3 kg) vs. Marcos ‘Dhalsim’ (69,8 kg) * Não bateu o peso https://agfight.com.br/rodriguez-e-stephens-confirmam-luta-principal-do-ufc-mexico-miss-simpatia-nao-bate-o-peso/
  4. Dana White ignora pedido por Dublin e confirma retorno de McGregor para 2020 Conor McGregor fez sua última luta em outubro de 2019, em Las Vegas – Leandro Bernardes Nem mesmo Conor McGregor conseguiu mudar os planos de Dana White e da alta cúpula do UFC. Com evento arcado para o dia 14 de dezembro em Las Vegas (EUA), o catola recusou o pedido de ex-campeão irlandês para transferir o show para a cidade de Dublin. Além disso, o retorno de ‘The Notorious’ foi oficializado para a temporada 2020. Quem garantiu isso foi o próprio Dana White, logo após a realização da coletiva de imprensa em Nova York na última quinta-feira (19). Abordado pelo site ‘TMZ Sports’ o dirigente foi direto ao ponto e encerrou especulações sobre o retorno do irlandês. “Ele vai lutar no começo do ano que vem. Sim, ele quer Dublin, mas nós temos (Las) Vegas (risos)”, encerrou Dana, antes de analisaras opções para o futuro de Khabib Nurmagomedov. O atleta russo, campeão da categoria dos pesos-leves (70 kg) do UFC, é o atleta a ser batido no momento e nomes como Georges St-Pierre, Tony Ferguson e o do próprio Conor surgem como possibilidades para seu próximo desafio no octgóno. “Tony Ferguson é a luta que precisa acontecer. Tentamos fazer outras quatro vezes e espero que dessa vez dê certo. Mas essa é a luta a ser feita”, narrou o dirigente, que parece já ter um plano B em mente. “Tony teve oportunidades que ele recusou antes, e se não aceitar agora, eu estaria interessado em falar sobre GSP”, finalizou. https://agfight.com.br/dana-white-ignora-pedido-por-dublin-e-confirma-retorno-de-mcgregor-para-2020/
  5. ".... foi o fato de que eu não estava sequer focado para aquela luta, naquele momento ..." Essa do Yair lembrou muito o Royce....kkkkkk
  6. Yair Rodríguez lembra única derrota no UFC e admite falta de foco: “Me afetou” Yair Rodríguez viveu o melhor e o pior por ter sido uma das grandes revelações do UFC nos últimos tempos. Vencedor do ‘TUF Latin America’, em 2014, o mexicano chegou a cinco triunfos consecutivos no octógono, encabeçando cards com menos de 25 anos. Mas tudo isso parece tê-lo atrapalhado. O peso-pena (66 kg) afirmou que a derrota para Frankie Edgar, em maio de 2017, mostrou que ele não estava concentrado como antes e serviu de aprendizado para o futuro. Neste sábado (21), ‘Pantera’ encara Jeremy Stephens pelo UFC México. Será apenas a segunda luta dele após seu primeiro revés no Ultimate, mas Yair garante que aprendeu bastante desde então. Ele declarou ao site ‘MMA Fighting’ que a derrota por nocaute técnico no fim do segundo round o alertou para mudanças na maneira de encarar seus compromissos no octógono. “Me afetou. Eu sou um competidor. Sempre luto para vencer. Não fico confortável com a derrota. O que mais me afetou não foi fato de que eu não treinei para aquela luta, nada disso, foi o fato de que eu não estava sequer focado para aquela luta, naquele momento. Isso realmente me afetou na luta e depois da luta. Depois, eu refleti sobre isso, e percebi que aquilo foi algo que poderia acontecer a qualquer um de nós”, falou. “É um jogo 50%/50%, nosso esporte é difícil. É me aprontar, me concentrar mais. E foi algo que eu aprendi na minha última luta: peguei a luta em cima da hora, minha saúde não estava das melhores, meu treino não foi dos melhores, e mesmo assim eu fiz cinco rounds com Zumbi Coreano, que é um cara respeitado há muito tempo”, acrescentou. Rodríguez comentou também sua insatisfação com o fato de ter sido escalado para enfrentar Jeremy Stephens. Segundo o mexicano, entretanto, não se trata de algo pessoal ou de depreciar a qualidade do seu oponente. ‘Pantera’, sétimo colocado no ranking do UFC, alegou que esperava um adversário melhor colocado na listagem. “Não é que eu tenha algo contra Jeremy. Conheço ele de outros tempos, treinamos na mesma academia algumas semanas, é só que… Se eu vou lutar, e eu estou arriscando tudo de qualquer forma, eu gostaria de enfrentar um cara que estivesse acima de mim no ranking. Ele é o oitavo. Não é ruim. Mas se eu estou me arriscando, dando meu melhor, eu só quero um… Não um melhor adversário, mas um melhor número. Porque eu não (escolho), eu vou lutar de qualquer forma”, disse. Yair vem de um nocaute fulminante sobre Chan Sung Yung, o ‘Zumbi Coreano’. O duelo foi decidido por uma cotovelada invertida que encerrou o duelo no último segundo. Como profissional, o mexicano tem 11 triunfos e apenas duas derrotas. https://agfight.com.br/yair-rodriguez-lembra-unica-derrota-no-ufc-e-admite-falta-de-foco-me-afetou/
  7. Stephens faz previsão ‘sangrenta’ sobre luta principal do UFC México Stephens (D) tentará acabar com a sua sequência de derrotas – Rigel Salazar Yair Rodríguez, 26 anos e 13 lutas no cartel, e Jeremy Stephens, 33 anos e 44 combates na carreira, fazem um verdadeiro duelo de gerações na luta principal do UFC México, neste sábado (21), pelo peso-pena (66 kg). E, se depender das palavras do veterano, a revelação do Ultimate terá um verdadeiro choque de realidades. Em entrevista ao site ‘MMA Junkie’, ‘Lil’ Heathen’ afirmou que vai honrar sua ascendência mexicana com um nocaute marcante – e um tanto sangrento, em sua visão. Stephens vem de derrotas para José Aldo e Zabit Magomedsharipov, este último, um atleta contra quem Yair foi escalado duas vezes, mas que não chegou a enfrentar – primeiro por problemas contratuais e depois por uma lesão. Acusando o mexicano de covardia, Jeremy ironizou as posturas e a idade de Rodríguez. “É uma honra simplesmente lutar no México. Tenho raízes aqui. Minha filha é mexicana. Minha esposa é mexicana. Amo comida mexicana e, acima de tudo, amo o povo”, disse. “Ele é um garoto. Ele é um ‘chamaco’ e eu sou um homem”, disse, usando uma palavra informal em espanhol para ‘criança’. “Luto como um homem. Não fujo. Estou aqui para surrá-lo. Estou aqui para envergonhá-lo e superá-lo em cada passo do caminho”, completou. Rodríguez tem apenas uma derrota no UFC, para Frankie Edgar, em 2017. ‘Pantera’, inclusive, admitiu esta semana que o revés o abalou muito e o fez perceber sua falta de concentração e interesse na luta. Para Stephens, Yair vai ficar surpreso com o que vivenciará neste sábado. “Ele está com problemas. Vou bater a cabeça dele no chão e abri-la. Ele acha que Frankie Edgar inchou seu olho? Espere até eu cortá-lo. (…) O que é a nova geração? O que você vai me mostrar que eu nunca vi ou que Bruce Lee nunca mostrou em um filme? Que p**** você vai me mostrar que seja nova? Eu acabei de lutar contra um cara que é como você, que é melhor do que você e que você teve medo de lutar”, atacou. ‘Pantera’, conhecido por seus golpes plásticos, vem de um nocaute impressionante contra Chan Sung Jung, o Zumbi Coreano, em novembro do ano passado. Na ocasião, Yair decidiu uma luta que se encaminhava para uma equilibrada decisão dos juízes com uma cotovelada invertida que apagou o rival faltando um segundo para o encerramento do combate. http://agfight.com.br/stephens-faz-previsao-sangrenta-sobre-luta-principal-do-ufc-mexico-entenda/
  8. De contrato renovado com UFC, Demian destaca situação “inédita” em luta com Askren Demian Maia renovou contrato com o UFC para mais duas lutas – Leandro Bernardes Na maioria dos casos, o primeiro pensamento de um lutador que vai enfrentar Demian Maia, é: “Não posso ir para a luta de chão com ele”. No entanto, pela primeira vez em muitos anos de MMA, o brasileiro terá pela frente alguém que vá enfrentar o seu jiu-jitsu. No dia 26 de outubro, o veterano encara Ben Askren, que tem como sua especialidade também a luta agarrada, no duelo principal do UFC Singapura. Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, o meio-médio (77 kg), que acumula duas vitórias seguidas no UFC, ressaltou que este combate era o desafio que estava buscando na sua reta final de carreira. Em 27 triunfos em seu cartel, Demian conseguiu 13 por finalização, enquanto Ben Askren tem seis vitórias desta mesma maneira. “Não tinha pensado nessa luta ainda, mas ouvia muita gente falar dela. Quando o UFC ofereceu, achei um desafio interessante. Ele é um wrestler muito bom e nessa altura da minha carreira, seria legal essa luta. Vivi toda minha carreira praticamente enfrentando adversários que evitavam essa luta de solo comigo, então vai ser a primeira vez que tem alguém do mesmo estilo, com a característica parecida. Isso faz a luta ser bastante interessante”, disse. Este combate contra Ben Askren poderia ser o último no octógono do Ultimate, pois o brasileiro só tinha mais essa luta em seu contrato com a organização. No entanto, o faixa-preta de jiu-jitsu conseguiu uma extensão desse vínculo para mais dois compromissos. Após essas três apresentações, aí, sim, pendura as luvas. “Tenho planos que já estou começando a colocar em prática. No último ano dei muita atenção a isso. Um dos meus principais projetos, após parar de lutar MMA, são as afiliações (de academia), quero crescer, tornar uma proporção grande. Fazer documentários também, trabalhar com esse audiovisual falando da história da luta. Tenho minha academia em São Paulo, talvez faça um podcast, mas não sei se será voltado para a luta”, afirmou. Na última vez em que lutou, Ben Askren adotou uma postura provocativa contra Jorge Masvidal, alimentando o confronto. Entreanto, Demian Maia nunca entrou neste discurso de “trash talk”, sempre pregando o respeito ao adversário, o que deve mudar a linha de pensamento do americano. “Acredito que sim (ele venha mais tranquilo). Em Singapura (na promoção do evento) ele já estava bem tranquilo. Ele é um cara que fala, mas para isso funcionar e ter um marketing em cima, precisa do outro lado ter alguém que rebata. Não adianta fazer isso só de um lado, que acho que fica até ruim para a imagem. Ele sabe que comigo não será como o Masvidal”, contou. Atualmente, Demian Maia é o segundo lutador com mais finalizações da história do UFC, com dez, ao lado de Royce Gracie. O brasileiro só está atrás do compatriota Charles ‘Do Bronx’, que possui 13. Após sua aposentadoria, o lutador pretende seguir divulgando a arte suave pelo mundo, como uma espécie de “embaixador”. “Eu considero isso uma missão para mim, que vai perdurar depois que eu parar de lutar. E isso está muito ligado aos meus projetos pós-luta. Divulgar o jiu-jitsu brasileiro. Não é a toa que quero investir nisso agora pensando no futuro. Isso faz parte da minha missão”, finalizou. Demian Maia possui 27 vitórias e nove derrotas na carreira. O lutador está no UFC desde 2008, já tendo disputado o cinturão dos médios e meio-médios. Já Ben Askren tem 19 triunfos e um revés em seu cartel. O americano já foi campeão do ONE FC e Bellator, ambas nos meio-médios. https://agfight.com.br/de-contrato-renovado-com-ufc-demian-destaca-situacao-inedita-em-luta-com-askren/
  9. Miocic revela confusão entre Covington e sua esposa nos bastidores do UFC Stipe Miocic recuperou o cinturão dos pesos-pesados ao bater Caniel Cormier – Diego Ribas Stipe Miocic é o mais novo nome na lista de lutadores incomodados com a postura e as atitudes polêmicas de Colby Covington. Em entrevista à rádio ’77 WABC’, o detentor do cinturão peso-pesado do UFC afirmou que pretende ter uma “conversa” com o falastrão ‘Chaos’. De acordo com ele, o meio-médio (77 kg) provocou sua esposa na plateia durante o UFC 241, e, ainda que admita não saber exatamente o que foi dito, o campeão planeja descobrir o conteúdo em breve. Recentemente, até companheiros de equipe do meio-médio (77 kg), como Dustin Poirier e Jorge Masvidal, demonstraram insatisfação, indicando, inclusive, a possibilidade de um acerto de contas com o falastrão na academia da ‘American Top Team’. Por sua vez, Miocic declarou que não pretende iniciar uma briga fora do octógono, mas apenas esclarecer o episódio com Covington. “Estou meio que chateado com aquele garoto (Covington). Ele estava falando coisas para a minha esposa, depois da minha luta. Eu vou precisar ter uma conversa com ele sobre isso. Não estou tentanto iniciar nada aqui, estou apelas falando sobre (ter) uma conversa normal. Eu não vou lá e arrancar a cabeça dele. Apenas quero conversar com ele como uma pessoa normal”, declarou Stipe, antes de explicar o que sabe sobre o incidente. “Minha esposa estava andando em direção ao cage, e eu acho que ele disse algo para ela. E meu manager, sendo o homem que ele é, mandou ele calar a p*** da boca. Até hoje, meu manager não me disse o que ele (Covington) falou, mas vou descobrir. Eu sou muito bom, sou tipo FBI. Vou descobrir o que ele disse e vou até ele conversar sobre isso”, completou o campeão peso-pesado. Além das polêmicas e desafetos colecionados entre os colegas lutadores, Colby Covington vem criticando o UFC pelo fracasso nas negociações de uma disputa pelo cinturão dos meio-médios contra Kamaru Usman. O americano chegou a afirmar, inclusive, que o Ultimate negocia trabalho escravo. https://agfight.com.br/miocic-revela-confusao-entre-covington-e-sua-esposa-nos-bastidores-do-ufc-entenda/
  10. Gostei da visão dele quanto ao Thompson, acredito que será uma boa luta. E o Luque tem grandes chances.
  11. Vicente Luque espera “melhor versão” de Thompson e garante: “Tenho armas para bater de frente” O brasileiro emendou seis triunfos consecutivos no UFC – Marcel Alcântara Com uma sequência de seis vitórias seguidas no Ultimate, Vicente Luque vive seu principal momento na carreira. E quando a fase é boa, o desafio vem à altura. No dia 2 de novembro, no UFC 244, evento que será realizado em Nova York (EUA), o brasileiro encara Stephen Thompson, que já lutou duas vezes pelo cinturão dos meio-médios (77 kg). Como os dois lutadores têm estilo agressivo, a expectativa é alta para o confronto e o atleta tupiniquim está confiante que pode aumentar sua sequência positiva. Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, o meio-médio garantiu que não mudará seu estilo de luta, apesar de o seu rival também ser um especialista na trocação. Das 10 vitórias pelo Ultimate, Vicente nunca deixou nenhuma nas mãos dos jurados. Já Thompson tem sete nocautes em 14 compromissos na carreira. “Acredito que é um grande combate para o público. Pelo estilo de trocação, eu sou do muay thai, ele é do karatê, então será um desafio de estilos. Entendo que ele tem uma trocação boa, mas a questão é que não pode respeitar a trocação dele. Tenho armas para bater de frente. Ali já não vou dar a vantagem de não querer trocar. Muitas vezes quem luta com ele foge, e é esse momento que ele ataca melhor. Quando alguém ataca, ele usa o contra-ataque. O (Anthony) Pettis conseguiu, mas só depois de um tempo. O Darren Till também foi muito agressivo, e essa é a falha dele (Thompson)”, disse. Apesar de ambos os lutadores possuírem um estilo de combate parecido, a fase dos dois atualmente é distinta. Enquanto Vicente acumula triunfos, Thompson vem de duas derrotas seguidas. Se para outros atletas isso seria um motivo de alerta, já que tem o adversário de alto nível pressionado, para Luque é algo que vai aproveitar bastante. “Sei que ele vai chegar preparado. Vai querer vir com tudo. Ele ainda tem o sonho de voltar a disputar o cinturão, então não vai vacilar. Para mim isso é bom, porque quero enfrentar os melhores na sua melhor versão. E acredito que vou enfrentar a melhor versão do Thompson”, confia o brasileiro. Enfrentar um ex-desafiante ao título e um lutador melhor ranqueado é um feito inédito para Vicente no UFC. Atualmente na 14ª colocação do ranking dos meio-médios, ele diz não ligar para a pressão extra deste combate e sabe que uma vitória pode ser um trampolim para a parte de cima da listagem oficial da organização. “O meio-médio sempre foi uma categoria com muita gente de qualidade. Agora com essa troca de cinturão, todos estão de olho e com potencial para serem campeões. Tudo isso tem tornado a categoria a mais interessante do momento. É muito bom isso, mas também não é fácil, porque tem que fazer grandes lutas. Porém, quando vai conseguindo, vai subindo e todo mundo te vê mais. Agora você vê, no UFC 244 terá uma luta que não vale cinturão (entre Jorge Masvidal e Nate Diaz), com dois nomes da 77 kg. Isso é bom demais para a gente”, afirmou. Vicente Luque chegou no UFC em 2015 e até o momento tem 10 vitórias e duas derrotas. Já Stephen Thompson, que lutou pelo título da categoria em 2016 e 2017, diante de Tyron Woodley, com a primeira terminando empatada e sendo superado na segunda, tem nove triunfos e três reveses na organização. https://agfight.com.br/vicente-luque-espera-melhor-versao-de-thompson-e-garante-tenho-armas-para-bater-de-frente/
  12. Na bronca com UFC, Colby Covington dispara: “Eles negociam trabalho escravo” Colby Covington já é famoso por seus atos e declarações polêmicas – Diego Ribas Colby Covington está furioso e sem papas na língua. O americano teve a promessa que iria lutar pelo cinturão dos meio-médios (77 kg), mas ainda está no aguardo de fechar o combate diante do campeão Kamaru Usman. A expectativa era que este duelo encabeçasse o UFC 244, dia 2 de novembro, em Nova York. No entanto, o evento já terá Jorge Masvidal e Nate Diaz no main event. Conhecido por muitas polêmicas, o americano não poupou críticas ao UFC e à forma como a organização negocia com os lutadores. O meio-médio, que está invicto há sete combates, reivindica uma bolsa maior dentro da liga. “É assim que o UFC faz negócios: eles adotam táticas de intimidação. Eles negociam trabalho escravo. Eles não querem pagar nenhum dos lutadores, porque querem que todos sejam pobres, por isso sempre voltam e lutam o tempo todo, lutam seis vezes por ano”, disparou, em declaração ao site ‘BJPenn.com’. Colby Covington já foi campeão interino da categoria, quando derrotou Rafael Dos Anjos, em junho de 2018. No entanto, o presidente do Ultimate, Dana White, tirou-lhe o título meses depois por afirmar que o americano estava impossibilitado de atuar, graças a uma cirurgia. Na época, o detentor do cinturão linear da divisão era Tyron Woodley. “O UFC sempre faz promessas, elas me fizeram tantas promessas. Eles só usam você. Eu não vou mais ser idiota. Eles querem fazer negócios assim, então eles não vão conseguir nenhum negócio. É isso”, finalizou. ‘Chaos’ chegou ao UFC em 2014, com cartel invicto em cinco lutas. Ele emendou três triunfos até sofrer aquela que, até hoje, é a única derrota de sua carreira. No UFC 194, Colby foi finalizado com uma guilhotina por Warlley Alves. Apesar disso, depois do ocorrido, o brasileiro teve dificuldades para ascender no Ultimate, enquanto Covington chegou ao topo de sua categoria. https://agfight.com.br/na-bronca-com-ufc-colby-covington-dispara-eles-negociam-trabalho-escravo/
  13. Vc viu a luta @Daniel Mendoza? Não te vi comentar e sei que gosta de boxe.
  14. Werdum elogia renovação brasileira entre os pesados com Sakai: “Vai incomodar muita gente” Augusto Sakai vive grande momento no UFC, com três vitórias – Natassia del Fischer Durante os últimos anos, a categoria do peso-pesado do UFC sofre constantemente com a falta de renovação dos atletas brasileiros. Fabricio Werdum, Junior ‘Cigano’, Antonio ‘Pezão’, todos veteranos, eram os nomes mais conhecidos do grande público. No entanto, Augusto Sakai, que chegou à organização via ‘Contender Series Brasil’ em 2018, deu seu cartão de visitas, com três vitórias seguidas, sendo duas por nocaute. Um motivo de comemoração para os atletas da “velha guarda”. Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag.Fight, Fabrício Werdum elogiou bastante as atuações de Sakai no Ultimate. O ‘Vai Cavalo’, que conquistou o cinturão da categoria em 2015, sabe as dificuldades de se manter entre os melhores por muitos anos. “Essa renovação de peso-pesado é difícil, porque é complicado encontrar pesos-pesados que gostem de treinar bastante. Por isso a dificuldade é tanta. O peso-pesado não quer treinar, então é difícil aparecer o novo. Veja o Augusto (Sakai). Mostrou que está com a mão pesada, com vontade, dá pra ver. É um cara que é respeitoso. Gostei muito. E vai incomodar muita gente ainda. Claro, não dá para falar de ser campeão ainda. Ele deve ter isso na cabeça dele, mas, faltam, claro, várias lutas para ele merecer essa disputa um dia. Ele é um peso-pesado mesmo: tem o soco pesado e faz o que tem que fazer, que é sair com a vitória”, disse. Se a renovação brasileira está difícil na divisão, um “veterano” de Ultimate sempre tem seu nome mencionado na categoria mais pesada da organização. Trata-se de Jon Jones, o campeão dominante do peso-meio-pesado (93kg). Entretanto, “Bones” sempre deixou claro que não gostaria de subir de peso, mas nunca descartou essa hipótese completamente. “Com certeza, gostaria que o Jon Jones subisse para a categoria, sim. Eu sempre digo que o Jones é um peso-pesado. O Jon Jones fora de camp ou normal ali está com 105 kg, 108 kg. Ele é um cara do mesmo tamanho que eu, ele tem 1,93 m. Então, ele é um peso-pesado. Só que ele baixa para 93 kg. Ele é malandro de fazer isso aí. Eu não tenho essa condição de fazer o que ele faz. Mas é certo que ele vai incomodar muita gente ali, tá louco. Mas acho que ele vai ter algumas derrotas, sim. Não vai ser igual ao meio-pesado”, finalizou. https://agfight.com.br/werdum-elogia-renovacao-brasileira-entre-os-pesados-com-sakai-vai-incomodar-muita-gente/