Luiz Melo

Membros
  • Content Count

    1005
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by Luiz Melo

  1. E olhe que ele é um grosso meio ousado, viu? explora o cage, manda joelhada, rodado, chuta muito, derruba. Sempre foi muito arisco... Chão foda. Era um cara bem completo e variado. Mas, ainda assim, meio grosseiro. Eu achava o Barão muito físico pra divisão. Lembro do Faber parecendo um menino perto do cara, alem de estar sempre dois passos atrás: Diferença muito grande de explosão, punch, envergadura... acho que o que rolou é que, do nada, o pessoal apareceu muito grande. A coisa ficou mais equilibrada fisicamente, aí a grosseria ficou mais visível e pôde ser explorada. ( Veja o tamanho desse último cara que lutou com ele. Tem atleta de 1,80 nos galos ) Também o quesito perda de respeito : depois de ser nocauteado duas vezes, contra qualquer um, nem aquela segurada natural de estudo permanece: Nego já entra rasgando e na falta de educação kk . Com o Cody já ta rolando algo parecido.
  2. Isso mesmo. É incoveniente e doloroso lidar sozinho com o fracasso A tendência da galera é sempre atribuir a fase ruim a algo . A verdade é que o Barão tem um teto; uma cota de talento e eficiência que n harmoniza bem com o nível da galera de hoje. Tanto é que ele n está lutando mal. O lance é que ele foi superado mesmo. Mesmo repaginando o jogo - imergindo no karatê, tendo bons parceiros de treino à disposição, focando e tudo mais, não seria estranho se as derrotas continuassem. É bem provável que a raiz do problema esteja no teto que ele possui e não em fatores externos. O nível aumentou repentinamente e o cara ficou pra trás.
  3. Exatamente. Vamos lá : É uma luta com apelo natural - Brasil x Argentina. Trata-se de alguém muito maior - em feitos - que Till e Thompson - sendo que os dois veem de derrota. RDA já disputou cinturão interino, vem de vitória e é um top 5. É um atleta mais fraco fisicamente e talvez ele pense tratar-se de uma luta menos dura. Absolutamente plausível a pedida: Ta cavando uma rivalidade e se mostrando. Não entendo a birra do pessoal.
  4. Luiz Melo

    Anderson não passará por cirurgia

    Concordo. Só tem o Theodoru mesmo pra aliviar: inofensivo em pé, gás de fumante e corredor. Todo resto é luta ruim.
  5. Luiz Melo

    Anderson não passará por cirurgia

    Obs : São questões gerais; n são direcionadas a algo que vc disse especificamente - e tbm n acredito que vc veja o caso da forma que descrevi no post. A pergunta é: se fosse o Conor caindo numa situação igual, a complacência e a humanidade ao tratar sobre o caso seriam as mesmas ? Outro ponto : a inexistência de um tipo de conduta/ comportamento no passado não invalida o aparecimento dessa conduta no presente. Essa relação causal entre passado e presente n existe. Uma acontecimento no presente n deixa de ser legítimo pq nunca foi visto no passado. Se fosse assim n existiria réu primário. Caras de 40 anos e sem histórico n roubariam ou matariam. Ou seja, ele pode nunca ter arregado antes e ter arregado agora. N há nada que impeça. Minha opinião : Eu não acho que tenha sido arregada. Ele sentiu o chute e n conseguiu dar sequência ao combate. O ponto é que, foi um chute de um cara que nunca foi conhecido pelos low kicks- não foi um chute violento, não pegou no joelho. Caras como Barboza precisaram de dezenas de chutes baixos pra detonar atletas que pegaram a luta de última hora. Como pegou mal, ele deu uma senhora valorizada. Na hora mandou essa do joelho, sendo que n pegou no joelho, e na sequência se ajoelhou diante do oponente. E aí? como a galera chama quando alguém sente um golpe que n deveria sentir -que atleta nenhum sentiu na mesma escala - e que pra justificar inventa uma lesão e finge não poder andar ? Pelo todo, é plausível entender como uma arregada.
  6. Luiz Melo

    Anderson não passará por cirurgia

    Tinha rompido os ligamentos e se ajoelhou na sequência. Fez exame e nada nos ligamentos... intactos. No mínimo estranho. Ele acusou o chute e desistiu, isso sim. Pode ser entendido como uma arregada. Nunca vi no UFC alguém cair dessa forma com um chute baixo. E nem foi um Barry, Barbosa ou Larkin da vida... Pegou mal.
  7. Luiz Melo

    Max Holloway x Frankie Edgar UFC 240

    Então, Nego... a gente se bica muito por conta disso... kkk Eu te entendo perfeitamente e concordo: é impossível que alguém mantenha 12, 15 anos de alto rendimento sem nenhum tipo prejuízo no final da carreira. Isso é um fato. Mas o ponto é que não é um fenômeno que acontece sozinho. E cada caso é um caso. Aldo não é o Minotouro. Edgar n é BJ. Os caras estão bem. É visível o aumento de nível dos atletas. Concorda? A galera de hoje é melhor e mais forte que antes. E aí vem a dúvida : o cara perdeu por n mais "performar " no mesmo ritmo de antes ou pq os atletas que surgiram são bem melhores/maiores que os do tempo de seu auge ? Será que o Max não é muito melhor que aquele Maynard? Khabib não é bem mais sinistro que o Bendo ? Não acha que o Cannonier é mais duro em pé e menos abalável que um Okami ou Griffin da vida ? Cá entre nós: O Sonnen se entregou pq errou uma cotovelada giratória, cara - é um dos caras mais frouxos da história. Da pra comparar o Adesanya com o Franklin ? O Coté com o Gastelum? Então, não acho que seja bem por aí. Por isso eu não vou saber dizer o que pesou mais pra derrota. Na verdade é impossível dizer. É muito improvável que em 10 anos não surja alguém com um jogo ruim pra o campeão. É o processo natural da coisa. Anderson surgiu pra pegar o bastão do Franklin. " - Ah, mas o Aldo piorou bastante o cardio" O cara ta na fase mais forte da vida - compare o Aldo da luta com o Hominick com esse de agora. Com essa musculatura n tem gás que resista . Mas veja q nem tudo é prejuízo: o punch aumentou bastante. O Aldo de antes não nocauteava ninguém. Acho que o apego à ideia de de auge e declínio na tentativa de justificar a derrota, quase sempre , faz com que a pessoa veja declínio em tudo, mesmo quando não cabe. Por ex: O Edgar tava bem demais. Tava dando atraso no Ortega e foi pego. Normal. Voltou antes do tempo e tirou o Cub pra nada em pé. Veio mais veloz que nunca. Aldo ganhou um round, não foi surrado. Levou alguns socos, acertou outros. Perdeu pq é do jogo. Eu não abandono a ideia de que Edgar pode perder pra o Max simplesmente por ser um atleta inferior.
  8. E o mais estranho é que na sequência ele foi lá e se ajoelhou em reverência. Estranho...
  9. A luta do momento : Anderson vs Theodorou. rsrs
  10. Luiz Melo

    [UFC 237] José Aldo vs. Alexander Volkanovski

    Eu entendo o q vc fala. Vc n deixa de estar certo. Mas tem o outro lado: acredito q criamos na nossa cabeça um ideal de derrota, e toda vez q o revés n aparece nestes termos tendemos a dar maior peso ao externo - e então, sem querer, minimizamos a legitimidade da vitória. A derrota perfeita é quando o cara da tudo de si, tenta de tudo, chega ser superior em alguns momentos mas é pego em um golpe, ou cansa , ou é superado no fim. Tipo Whitaker vs Romero. Cormier vs Jones. Etc Meu ponto é que isso é uma idealização nossa. Nem sempre a coisa terá essa aparência bonita e heróica. Vai ter um dia q n vai rolar, mesmo o camp tendo sido perfeito - o q n é o caso. E, como falei antes, quase sempre, quem da causa a apatia é o adversário. A gente cobra ação e tal, mas ngm melhor o de q atleta que ta ali pra julgar o que é oportuno e o q n é durante. O atleta as vezes n acha o tempo; nos primeiros socos ele percebe q o outro é mais veloz ou q tem respostas duras demais; erra os socos que tenta... Tudo isso vai alimentando o receio do cara, e aí surge a passividade. Eu entendo que na maioria das vezes é uma apatia provocada.
  11. Luiz Melo

    [UFC 237] José Aldo vs. Alexander Volkanovski

    Se vc for parar pra olhar, ele mais n chutou do que chutou no UFC. O motivo real nunca saberemos. Tem aquele lance da queda da moto q pode ter contribuído; o fato de ter mergulhado no boxe e de ter caído exatamente pelas mãos( de repente ele acha que tem obrigação de ganhar socando pra provar pra os fãs, pra os treinadores e pra si que aquilo foi atípico ) ; o gás . Difícil saber. Meu palpite é que, por tudo q aconteceu, - derrotas, treinos com o cubano-, ele passou a se auto pressionar e a querer mostrar serviço no boxe.
  12. Luiz Melo

    [UFC 237] José Aldo vs. Alexander Volkanovski

    Isso. Todos perdem. Faz parte da lógica da coisa. N sei pq se pensa que funciona diferente com os brasileiros ou com algum outro campeão. É como se existisse um compromisso de vitória que só seria quebrado pelo campeão onde vencedor entraria como elemento secundário. Acho uma viagem.
  13. Luiz Melo

    [UFC 237] José Aldo vs. Alexander Volkanovski

    E eu concordo, pow. Nunca neguei isso. O x da questão é o peso que se dá a cada elemento. Mesmo a cabeça estando boa, a vitória n é garantida. N depende só dele. As vezes o cara ta bem e a mão entra. Nem mesmo é garantido q o cara seja regular no tipo de performance. Até o Max já teve seus dias de apatia. Poirier, Cerrone, Michael Jhonson: todos. E aí que fatalmente caímos em questões de impossível resposta. ele perdeu pq a cabeça n estava boa ou pq ele foi/ é inferior ? Se a cabeça estivesse boa a vitória seria 100 % garantida? Se mesmo no melhor dos cenários a vitória n é garantida, n podemos atribuir a derrota exclusivamente ao psicológico. Podemos falar em contribuição. Mas em que nível ? O que mais afetou: a inferioridade ou a cabeça q n estava boa ? Ou seja, é impossível responsabilizar completamente algum fator pela derrota- ou mesmo atribuir mais peso a um que a outro. Sendo impossível definir pq alguém perdeu, eu prefiro me orientar pela vitória; tentar entender pq o vitorioso venceu. Por isso eu acho q essas falas cheias de certeza ( perdeu pq n é mais o mesmo ) soam como desculpa.
  14. Luiz Melo

    [UFC 237] José Aldo vs. Alexander Volkanovski

    Griffin. Obrigado aê hehe
  15. Luiz Melo

    [UFC 237] José Aldo vs. Alexander Volkanovski

    Cara, eu n sou hater. Jamais. Pra vc eu devo vibrar quando os caras perdem, ficar alegre. Jamais. É claro que eu sou mais simpático a quem é de meu país. Minha oposição é mais aos fãs do q aos atletas. Como falei, acho que derrota é do jogo. Nenhum jogo é eterno. É natural que grandes lendas percam - é inerente à disputa. Todos perdem. Com o tempo há um esgotamento do jogo - que tbm é esperado. Caras vacinados praquela abordagem surgem. Aparecem atletas maiores, mais ágeis e mais fortes. Tbm há algum grau de perda de performance que varia de atleta pra atleta , mas que nunca saberemos a sua parcela de contribuição pra derrota( ta junta de outras variáveis a ponto de ser impossível creditar o revés exclusiva ou majoritatiamente a algo) No final de tudo eu prefiro destacar o mérito de quem venceu. Acho injusto com o vitorioso concentrar o olhar em quem perdeu e buscar explicações pra o resultado que se afastam dos créditos do vencedor.
  16. Luiz Melo

    [UFC 237] José Aldo vs. Alexander Volkanovski

    Eu entendo o que vc fala e até concordo. Mas luta é isso aí mesmo, nem sempre o cara rende o a sempre rendeu. Franklin trocou porrada com o Rampage por 5 rounds e entrou bizarramente cagado contra o Anderson. Marreta contra o Mousassi. É assim mesmo, isso acontece.
  17. Luiz Melo

    [UFC 237] José Aldo vs. Alexander Volkanovski

    Cara, vc distribui piadinhas e ironias há tempos - mesmo qd n estou presente - e nunca me ofendi. Pelo contrário, tento contemporizar e nem dou muita bola. Tbm deturpa o q falo sempre que pode. Tanto é verdade que vc, espontanemente, se desculpou no privado. Em nenhum momento eu fui depreciativo na fala ou grosso com vc. Só discordei de sua abordagem - que tbm é altamente subjetiva e tenta lançar a palavra final sobre algo que na verdade n se sabe. O negócio é q vc torce demais pra os caras e sempre tenta relativizar a derrota inserindo algo externo. Eu n curto isso e vejo a derrota como algo natural do jogo . Todos perdem. Perdeu? Mérito do adversário. Mas, de qualquer forma, desculpa aí. Tu é gente fina. Sei que é um cara do bem.
  18. Luiz Melo

    [UFC 237] José Aldo vs. Alexander Volkanovski

    Mas a vitória n é garantida. São atletas diferentes. Mesmo que enfrentasse o Mendes ou Edgar novamente, n deveríamos esperar que uma luta exercesse influência sobre a outra. Ex: Max pode perfeitamente perder pra o Aldo e n vou deduzir q ele n é mais o mesmo. Luta é incerteza total. Voltando: o fator psicológico tbm entra em cena: Edgar e o Mendes já haviam perdido antes. Ainda que os jogos e os biotipos dos três sejam semelhantes acho que encarar alguém que vc já venceu, naturalmente, contribui pra uma maaior confiança num próximo encontro. O australiano vem invicto, nocauteou o Mendes, aguenta porrada, n da pra esperar que o comportamento do Aldo seja igual.
  19. Luiz Melo

    [UFC 237] José Aldo vs. Alexander Volkanovski

    Pq n encontrou a distância, n pq ele n tava bem. Pegou um cara baixinho o muito ágil e ele n conseguiu achar o tempo. No terceiro cansou e achou q tava vencendo, por isso n fez nada.
  20. Luiz Melo

    [UFC 237] José Aldo vs. Alexander Volkanovski

    Isso de apatia- ou as variações de comportamento e postura do lutador num combte - tem muito mais a ver com o contexto e com o tipo de adversário em questão que qualquer outra coisa. N é algo que só se explica somente a partir do cara que n correspondeu: se ele n correspondeu é pq o contexto foi menos favorável. Simples. Moicano, por ex, provavelmente soava " mais frágil" e menos ameaçador nas respostas, dando mais segurança e confiança pra o outro atacar. Um cara eseguio e com menos pegada. É natural que um atleta mais arisco cresça e fique mais à vontade lidando com alguém assim. E ele tbm foi comedido naquela oportunidade. Soltou poucos golpes. Foi certeiro quando lançou mas n deixou de ser cauteloso. E se vc pegar o primeiro round da segunda luta com o Edgar verá o mesmo comedimento. Aldo foi pego em vários low kicks e alguns socos( nada muito danoso) e só reagiu lá pra o fim do round - foi muito contundente e conseguiu virar o round. Então, se existe de fato essa apatia e respeito , n começaram agora... já é uma parada antiga. A diferença é que o australiano é muito serelepe rs, todo ligeirinho: mãos rápidas, boa distância, fechadinho. O brasileiro n conseguiu encontrar o timing pra encaixae um grande soco. O q faltou foi senso de urgência no terceiro round. A passividade no clinch eu atribuo ao cansaço, que claramente rolou. (Lembrando que o Dedé falou que ele tinha vencido os dois primeiros) Então eu n acho aplicável essa fala de tristeza, desmotivação e todo esse extra luta. Perdeu pq foi superado e ponto." Ontem" ele tava excelente pq o jogo do outro calhou, "hj "não e ele perdeu. Isso é do jogo.
  21. Acho que o cara que perde pra o Medeiros n tem material nem talento pra ser campeão. Ainda mais em uma das divisões mais cabulosas do evento. Acho exagero. Força ele tem. É agil e tal, agressivo, o queixo é bom ( embora a raça seja questionável) mas n é exímio em nada. Nem em pé nem no chão. É um cara duro, faz boas lutas, até acredito que possa vencer alguns acima dele no rankinh e tal mas o vejo como atleta do pelotão do meio.
  22. Só que os outros são brutos e tem punch. Ele n tem boa envergadura nem punch. Sem contar que se trata de caras bem fortes e mais parrudos - o que faz com seja ocupado mais lugar no espaço e pouca envergadura seja compensada. Por ex: os 1.77 do Khabib n encontraram problema algum pra encarar os 1.86 do Conor.
  23. Acredito que a coisa continuaria complicada pq dificilmente se ganha algo de músculo consolidado em 6 ou 8 meses de preparação. É muito pouco tempo pra uma diferença significativa. Por outro lado, temos outros caras que tbm n contaram com um preparo mais bem programado e ainda assim se saíram muitíssimo bem: Whitaker, Conor, " Cormier", Marreta, Gastelum. Acho que o problema se encontra parricularmente no Holloway: ele é bem esguio e tem uma relação altura/envergadura que juntos explicam a ausência de punch bruto mesmo nos penas. Acredito que o biotipo dele seja o menos indicado pra esse tipo de empreitada : envergadura de T-Rex, pouco punch e baixa muscularidade. Ngm da nata nos leves pode se dar ao luxo de n ter punch algum. Veja o fim do Pettis. Ainda mais, n ter punch, n ser explosivo e ter das piores envergaduras da divisão. Podemos fazer um paralelo com o Ferguson, q n é nenhum pegador, tem alguma semelhança no jogo ( volume - gás ) mas que tem bizarros 1.94 de envergadura; enquanto o Max tem 1.75. Essa diferença altera completamente a dinâmica da luta em pé, o controle de distância e etc. Os lutadores citados - que subiram e se deram bem - , todos tem boa envergadura, ou são fortes fisicamente - alguns t rex, mas atarracados e de muito punch como Cormier e Gastelum. Acho que a subida calha pra esse tipo de atleta. Caras como Thompson, Till e Max sofreriam demais caso subíssem. É necessário um quê de brutalidade pra se impor. Quem n tem isso como traço do jogo, mesmo que minimamente, n pode subir jamais.
  24. Luiz Melo

    [UFC 236] Kelvin Gastelum x Israel Adesanya - Luta Completa

    Eu vejo dessa forma tbm. N que o Anderson n tenha sido foda. Mas acredito que ele tenha feito parecer mais do q era de fato. Firula engana bastante. Transmite uma falsa ideia de domínio e controle. Tanto que as pessoas juram que o Weidman estava perdido na primeira luta mesmo n tendo recebido um único bom soco ao mesmo tempo em que encaixou vários duríssimos. Por isso que tento limpar a firula e o desfecho e olhar a técnica. Essa n engana. A pessoa pode ter sido bem sucedida por uma felicidade extrema, mesmo sendo menos técnica q outra. O circunstancial tbm conta. Até o Charles ja teve seu lance genial em pé. Rodriguez e etc. No caso do Anderson, qd era pra ele arrasar, pintar e bordar, lutando com grapplers medianos pra ruins em pé, exatamente pq a firula n colou e o grande momento n apareceu, ele n teve grandes performances nem arrasou. Vejo o Anderson como um cara com muitas firulas, com certa carência, ciente das carências, mas com um senso de opurtinidade foda pra capitalizar o momento chave. Falo em senso de oportunidade e n em time pq, pra mim, o time é regular, aparece sempre, n depende de firula pra acontecer. O contragolpe do Conor sempre aparece- n em um caso de sucesso máximo - q é, ao meu ver, uma forma equivocada de medir destreza. A iniciativa do golpe está sempre lá e é isso aue importa. N precisa fazer mil danças pra encontrar esse momento. Tbm n aparece só pra acabar com a luta com um único golpe. Mesmo perdendo o time está lá. As duas lutas com o Diaz deram maior dimensão de seu talento do q todas as outras em que venceu rápido nos penas. Sinceramente, eu desconfio da superioridade- nos níveis em que pintam - de quem que pauta muito em firulas e depende de momento chave. Rory n precisou disso pra tirar vários pra nada. Mousassi n precisou. Woodley. TJ , Lawler, Aldo, RDA , Barão, Conor, AJ, Jones, Miocic, Cornier, Cigano, Velasquez Gaethje, MJ, Max, Thompson, Masvidal: Os caras simplesmente construem vitórias lutando, sendo efetivos e regulares no combate, e n por terem capitalizado um momento ou por tentarem induzir a todo custo o adversário a uma situação pra só assim vencer. Eles vão lá e constantemente acertam- e apanham tbm. O " jogo das circunstâncias "é meritório, é inteligente, mas tbm enxergo como revelador de " uma n superioridade." É como se na ausência dessas situações n existisse algo sólido por trás... n sei... N vi uma luta em que o Anderson venceu alguém como o Moussi venceu o Rory. Pra mim isso diz muito. No último sábado Poirier foi lá e venceu na moral, acertando incontáveis socos, se dispondo a lutar. Apanhando e batendo. É nessa superioridade que acredito. Essas de circunstâncias eu sou negador mesmo. Sou desconfiado com esse jogo aí. Isso Vale pra o Michael Page e pra Anderson. Pra o Lyoto tbm. Apesar de o achar maos técnico e regular q o Aranha.