Eder Jofre55

Moderador
  • Total de itens

    3,025
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

2 Seguidores

Sobre Eder Jofre55

Profile Information

  • Gender
    Not Telling
  1. Lutadores passam sem problemas na pesagem em Austin e já fazem encaradas Sem pesagem cerimonial, os 24 lutadores escalados para UFC no Texas emendam encaradas Combate.com Na manhã deste sábado, em Austin, todos os 24 lutadores escalados para o card de domingo do UFC no Texas passaram sem problemas pela pesagem oficial. Como o evento não contará com a pesagem cerimonial à noite, eles fizeram as encaradas logo na sequência. Donald Cerrone e Yancy Medeiros pesaram, respectivamente, 76,9kg e 77,3kg no duelo pelo peso-meio-médio (até 77,6kg). Três brasileiros estarão em ação no domingo. Francisco Massaranduba ficou no limite do peso-leve, com 70,8kg. Seu adversário, James Vick, pesou 300g a menos. Pelo meio-médio, Thiago Pitbull bateu 77,3kg, enquanto seu rival Curtis Millender ficou no limite com 77,6kg. Por fim, Carlos Diego Ferreira pesou 70,5kg entre os leves. Jared Gordon, com 70,8kg, atingiu o limite da divisão. O Combate transmite o UFC Austin no domingo, a partir de 19h20 (horário de Brasília) ao vivo, na íntegra e com exclusividade. O Combate.com transmite as duas primeiras lutas do card preliminar em vídeo e acompanha o restante do evento em Tempo Real. Confira os pesos de todos os atletas: CARD PRINCIPAL Peso-meio-médio (até 77,6kg): Donald Cerrone (76,9kg) x Yancy Medeiros (77,3kg) Peso-pesado (até 120,7kg): Derrick Lewis (119,7kg) x Marcin Tybura (112kg) Peso-leve (até 70,8kg): James Vick (70,5kg) x Francisco Massaranduba (70,8kg) Peso-meio-médio (até 77,6kg): Thiago Pitbull (77,3kg) x Curtis Millender (77,6kg) Peso-pena (até 66,2kg): Steven Peterson (66kg) x Brandon Davis (66,2kg) Peso-leve (até 70,8kg): Sage Northcutt (70,5kg) x Thibault Gouti (70,5kg) CARD PRELIMINAR Peso-leve (até 70,8kg): Jared Gordon (70,8kg) x Carlos Diego Ferreira (70,5kg) Peso-meio-médio (até 77,6kg): Geoff Neal (77,6kg) x Brian Camozzi (77,6kg) Peso-mosca (até 57,2kg): Roberto Sanchez (57,1kg) x Joby Sanchez (56,7kg) Peso-galo (até 61,7kg): Sarah Moras (61,5kg) x Lucie Pudilova (61kg) Peso-meio-médio (até 77,6kg): Joshua Burkman (77,3kg) x Alex Morono (77,3kg) Peso-médio (até 84,4kg): Oskar Piechota (84,1kg) x Tim Williams (83,9kg) * Todos os atletas contaram com uma libra (0,454kg) de tolerância na pesagem
  2. Kelvin Gastelum pede por duelo com Ronaldo ‘Jacaré’ no Rio de Janeiro Tobias Bunnenberger Após nocautear o ex-campeão dos pesos-médios (84 kg) Michael Bisping em novembro passado, Kelvin Gastelum esperava ter a sua chance de disputar o título da categoria, mas teve suas chances frustradas depois que Yoel Romero nocauteou Luke Rockhold no último sábado (10) e conquistou o direito de lutar pelo cinturão. Agora, o americano pede por um adversário que lhe aproxime do title-shot e parece já saber exatamente quem quer enfrentar em sua próxima luta. Durante uma entrevista no programa de podcast ‘Five Rounds’ do canal ‘ESPN’, Gastelum não pensou duas vezes ao apontar que gostaria de enfrentar Ronaldo ‘Jacaré’ em uma luta no Rio de Janeiro. Na opinião do americano, uma vitória em cima do brasileiro o colocaria bem próximo de uma disputa de cinturão. Contudo, o lutador ainda tem um pé atrás com a Comissão Atlética Brasileira. “Eu adoraria lutar no Rio e, obviamente, uma luta contra o Jacaré me coloca onde quero chegar. Tenho medo daquela comissão. Não sei o que pensar sobre aquela comissão”, declarou. Gastelum veio ao Brasil em março de 2017 para enfrentar Vitor Belfort em Fortaleza. Após vencer o brasileiro por nocaute técnico, o americano viu o resultado do combate ser alterado para no contest depois que ele testou positivo em um exame antidoping para metabólicos da maconha.
  3. Michael Bisping provoca Chris Weidman sobre pedido por disputa de cinturão Diego Ribas Antes mesmo da luta principal no UFC 221 – evento ocorrido nesse sábado (10), em Perth (Austrália) – entre Yoel Romero e Luke Rockhold acontecer, um ex-campeão dos pesos-médios (84 kg) já vinha pedindo por uma oportunidade para disputar o cinturão. Para Chris Weidman, o próximo a enfrentar Robert Whittaker deveria ser ele mesmo. Contudo, essa opinião não parece ser unânime. Em suas últimas quatro lutas, o americano foi nocauteado em três oportunidades, o que, ao menos para Michael Bisping, é motivo suficiente para considerar o que Weidman declarou como “hilário”. Em entrevista ao seu próprio podcast ‘Believe You Me’, o inglês garantiu que o ex-campeão não cumpre os requisitos para ser o próximo desafiante de Whittaker. “Sabe o que é engraçado? Chris Weidman. Ele está falando que deveria ser o próximo em uma disputa de cinturão. Acho hilário isso. Não quero ser um filho da p*** com Chris Weidman, mas você foi nocauteado em três das suas últimas quatro lutas. Não acho que isso te classifica para uma disputa de cinturão”, provocou o inglês. No quarto lugar do ranking oficial dos médios, Weidman não foi considerado para a primeira defesa de cinturão de Whittaker. Logo depois do nocaute aplicado por Romero no UFC 221, Dana White revelou os seus planos para que o cubano dispute o título com o atual campeão. O que deve acontecer assim que o australiano estiver curado de uma grave infecção.
  4. ‘Jacaré’ condena atitude de Romero no UFC 221: “Não bateu o peso porque não quis” Diego Ribas Realizado no último final de semana, o card do UFC 221 contou com a disputa entre Luke Rockhold e Yoel Romero, válida pelo cinturão interino dos pesos-médios (84 kg), como atração principal da noite. No entanto, como o cubano não bateu o peso correto, sua vitória não lhe rendeu o título, embora seu nome, mesmo assim, tenha sido confirmado como o de próximo desafiante ao posto hoje ocupado por Robert Whittaker. E isso ainda dá o que falar. Número dois do ranking oficial do UFC, o brasileiro Ronaldo ‘Jacaré’, que está atrás apenas de Romero e de Whittaker, atual campeão interino, condenou a postura do cubano durante a pesagem oficial. Em sua análise, o wrestler não cortou as pouco mais de três libras excedentes de propósito para chegar na hora do combate com mais energia e poder de fogo. “Ele não bateu o peso porque não quis. Sou lutador e sei. Se você vir o Rockhold, dá para ver que ele sofreu muito para bater o peso. Tem que bater o peso. Um cara do porte do Romero pode ser chamado duas semanas antes que ele bate o peso. O Luke estava seco, seco, e bateu. O Romero estava bem, disse que ia para a sauna bater o peso, mas não foi. Ele mentiu”, narrou durante conversa com a Ag. Fight. A insatisfação de Jacaré quanto ao âmbito esportivo pode ganhar coro junto a outros atletas. Afinal, em duelos válidos por algum cinturão não contam com uma libra de tolerância, e é sabido que as últimas gramas cortadas logo antes da pesagem são as mais difíceis e dolorosas para o corpo do atleta. Ao não passar por esse processo e iniciar sua reidratação já mais pesado do que deveria, Romero teve seu caminho aliviado no dia anterior ao combate. “Tenho certeza que o Luke daria todo o dinheiro da bolsa dele para poder pesar 1,5 kg acima em luta valendo cinturão. Eu daria. Faz muita diferença. O stress que o Rockhold teve… Ele não bateu o peso porque sabia que se ganhasse ele lutaria com o campeão mesmo assim. Me coloquei no lugar do Luke e fiquei frustrado”, garantiu. Vale lembrar, no entanto, que Romero foi chamado de última hora para a competição para substituir o lesionado Whittaker, campeão linear que se retirou do card quatro semanas antes do confronto. Este período, apesar de não ser o ideal para que os atletas se preparem para um combate, seria, na visão de Jacaré, mais do que o suficiente para que o cubano, que nunca havia falhado na balança até então, cortasse o peso necessário. “Eu não tenho amizade com nenhum dos dois, mas me coloquei no lugar dele e fiquei chateado. É muito peso. O Luke estava seco, e ele é muito alto e forte para essa categoria. Como ele bateu e o baixinho não bateu? Não bateu porque não quis. Você olha e vê que ele estava inteiro. O Luke estava roco de tanto perder peso. Foi dar entrevista e parecia um fumante, todo quebrado”, finalizou.
  5. Bisping condena ‘momento romântico’ entre Romero e Rockhold no UFC 221; entenda Twetter Yoel Romero derrotou Luke Rockhold nesse sábado (10), na luta principal do UFC 221, na Austrália. Mas não foi o incrível nocaute que o cubano aplicou que impressionou Michael Bisping. O ex-campeão dos médios (84 kg) criticou a postura do ‘Soldado de Deus’ após a sua vitória, quando o vencedor abraçou, consolou e até beijou o seu adversário. Para o inglês, essa atitude foi abusiva e deveria ter sido evitada pela arbitragem. Em entrevista ao seu próprio podcast ‘Believe You Me’, o ex-campeão da categoria ironizou afirmando que o americano foi assediado pelo seu rival. Além disso, Bisping opinou que a situação poderia ter saído do controle se Rockhold não entendesse que havia sido nocauteado e começasse a golpear o cubano, como se o confronto ainda estivesse acontecendo. “Não sinto prazer em ver alguém sendo nocauteado daquela forma, não vejo. Ele foi nocauteado e parecia devastado, completamente destruído. Para ficar ainda pior, Romero, o cara que o nocauteou, fica na cara dele, o pressionando na grade com os seus braços e o impedindo de sair. Rockhold literalmente não podia ir para lugar nenhum. E ele declarou o seu amor: ‘Amo você, Luke, amo você’. Não tem nada demais em beijar um homem na bochecha. Mas acho que assim que você acaba de nocautear alguém, depois que você acaba com os sonhos dele de se tornar campeão mundial, as marcas são visíveis. Tem sangue no rosto, ele provavelmente perdeu células do cérebro e não sabe que p*** está acontecendo. Prensar o cara no octógono e tentar dar uns amassos com ele é um pouco demais”, criticou o inglês. “Preciso dizer que nessas circunstâncias, e não estou tentando polemizar com os árbitros, mas feliz dia dos namorados. É quase um dos casais que se formam por aí. Preciso dizer: eles (árbitros) não deveriam permitir isso no futuro. Pensa comigo. Sei que quando fui nocauteado não tinha ideia do que estava acontecendo. Você não tem a mínima ideia da p*** que acabou de acontecer e você está tentando se recompor. E, de repente, o cara que acabou de te nocautear está com os braços envolta de você e está te assediando no octógono. #MeToo [‘eu também’, em inglês, referência a campanha contra assédio sexual feita pelas atrizes de Hollywood]. Nada impede que Rockhold dê uma cotovelada nele, ou o soque, porque ele pode achar que a luta ainda está acontecendo. Quem sabe? Não acho que eles deveriam permitir isso, especialmente o Romero. Foi demais”, concluiu. Por ter ficado acima do limite da categoria, Romero perdeu a oportunidade de se tornar o campeão interino da categoria. Apesar disso, Dana White revelou que o cubano seria o próximo da fila para enfrentar Robert Whittaker em uma disputa de título, assim que o australiano se recuperasse de uma infecção.
  6. Ex-campeão do Bellator, Will Brooks é demitido do UFC após três derrotas Diego Ribas Chegou ao fim a curta trajetória de Will Brooks no maior torneio de MMA do mundo. Após chegar com grande expectativa ao Ultimate, o americano não emplacou, acumulou três derrotas seguidas e ele mesmo tratou de anunciar a sua demissão do UFC. No entanto, apesar de deixar o torneio mais importante do planeta, Brooks tem motivos para ficar entusiasmado com o futuro da sua carreira. Isso porque o ex-campeão do Bellator assinou contrato com o Professional Fighters League (PFL), e disputará um torneio na divisão dos leves (70 kg) que tem como premiação a quantia de 1 milhão de dólares (cerca de R$ 3,21 milhões). “Estou extremamente empolgado e pronto para fazer parte da PFL e o seu renascimento. O ‘timing’ é perfeito, porque eu também estou em um processo de renascimento. Como sempre, eu vou representar essa organização tão profissionalmente quanto eu posso. Estou ansioso para ser parte importante no crescimento da PFL nesse esporte”, anunciou o americano, antes de falar da sua passagem pelo Ultimate. “Infelizmente, minha performance foi abaixo no UFC e eu não atingi os objetivos que tinha nesta oportunidade. Não me arrependo de nada. Peguei a chance que eu queria. O lutador dentro de mim está muito desapontado comigo mesmo por deixar as coisas acontecerem assim. O capítulo no UFC está encerrado por enquanto. Gostaria de agradecer ao pessoal do UFC por me tratar tão bem durante o meu período. Desde o primeiro dia fui bem tratado e com respeito. Aprecio muito isso”. Will Brooks chegou ao UFC carregando consigo um cartel impressionante de 17 vitórias e apenas uma derrota até então. Além disso, o americano vinha com o peso de ter sido um campeão dominante no Bellator. Mas, após uma estreia com o pé direito e com vitória diante de Ross Pearson, o atleta acumulou derrotas para Alex ‘Caubói’, Charles ‘Do Bronx’ e Nik Lentz.
  7. Tranquilo ,eu coloquei na segundona direto por achar que seja um tema que se encaixa melhor nessa sessão ,posso estar errado também ,acho que podemos deixar por aqui mesmo visto que está despertando interesse e tem sua relevância ,mesmo eu achando isso uma bizarrice ,daqui a pouco vão ter que criar três gêneros no mma , masculino ,feminino e flex ,rs. Vou excluir o meu e manter o seu ,que já conta com comentários e ainda tem links para outras matérias relacionadas , forte abraço!
  8. Matéria já foi postada ,na segundona!
  9. Gustafsson surpreende e desafia Rockhold: “Venha para os caras grandes” Twetter Sem lutar desde maio do ano passado, parece que Alexander Gustafsson cansou de esperar por alguma novidade vinda do UFC e resolveu concentrar a sua energia em arrumar um oponente. O número um do ranking dos meio-pesados (93 kg) utilizou a sua conta no Instagram para fazer um desafio surpreendente. Gustafsson publicou uma imagem da sua luta contra Daniel Cormier, ocorrida em outubro de 2015 e vencida pelo americano, para desafiar um antigo parceiro de treinos do campeão. O sueco agora mira encarar Luke Rockhold, ex-dono do título dos médios (84 kg) e que no último fim de semana foi nocauteado por Luke Rockhold no UFC 221. “Luke Rockhold, o seu companheiro de equipe está mantendo refém o MEU lugar na divisão e você pensa que só tem lutas fáceis nos meio-pesados. Se você acha que o Romero bate duro, então espere até você vir aos caras grandes. Quero o Daniel Cormier e nocautear você vai me manter aquecido neste meio tempo. Tome cuidado ao vir para minha categoria, porque eu estarei em frente a porta esperando”, escreveu o sueco. Antes de encarar o cubano, Rockhold chegou a revelar que considerava a possibilidade de subir para os meio-pesados no futuro de sua carreira. Talvez o revés possa fazer o americano apressar o seu planejamento, e, aparentemente, ele já teria alguém interessado em recepcioná-lo.
  10. Frankie Edgar se diz aliviado por Brian Ortega ter aceitado enfrentá-lo no UFC 222 Ex-campeão peso-leve, que enfrentaria o campeão Max Holloway pelo cinturão dos penas até este se lesionar nos treinos e ter de deixar o card do evento, elogia o novo rival: "Vai para a luta sem medo" Combate.com Aliviado. Assim pode ser descrito o estado de espírito de Frankie Edgar ao ser confirmado no card do UFC 222 após a saída do campeão, Max Holloway, que o enfrentaria pelo cinturão da categoria na luta principal do evento. A confirmação de Brian Ortega como substituto de Holloway deixou o ex-campeão peso-leve da organização feliz, principalmente por não desperdiçar todo o camp de treinamentos que fez para o torneio. - Eu fiquei muito irritado. Nós deveríamos ter lutado em dezembro, mas eu me lesionei. E agora, quando iríamos nos enfrentar, ele se lesionou. É muito azar. Mas é assim que as coisas são. Fiquei meio deprimido, meio baqueado, mas já passou. O que eu mais queria era permanecer no card. Estou louco para lutar, faz muito tempo que não luto - desde maio, e não queria mais esperar. O tempo não para. Fiz vários camps de preparação e não lutei para mostrar que eu treinei. Só quero subir lá e lutar, pois só assim serei pago. Felizmente deu tudo certo. Vou lutar, só que contra Ortega - disse o veterano em entrevista ao programa "MMA Hour". Edgar não mediu elogios ao novo adversário, atual número três do ranking da categoria, e que está invicto nas 14 lutas que fez na carreira, com 13 vitórias e uma luta sem resultado, e vem de cinco vitórias consecutivas. - Brian Ortega vai para a luta, busca vencer de verdade. Ele é o número três do ranking, logo atrás de mim, e não tem medo de sair na mão contra os melhores. Também tem uma guarda muito forte e um jiu-jítsu muito perigoso. É um adversário duro, e tenho muito respeito por ele ter aceitado essa luta em cima da hora. Acho que ele renovou o contrato, pode me ultrapassar no ranking... Tem várias coisas que o motivaram a aceitar essa luta. Essa é a luta que faz mais sentido na categoria atualmente. Para o lutador, a mudança de adversário não foi tão ruim para ele, pois, na sua opinião, Holloway e Ortega têm semelhanças que podem ser aproveitadas. - Holloway também não é moleza, tem um jogo de chão muito forte, e tem um tipo físico similar ao de Ortega. Não foi uma mudança assim tão grande, e tenho técnicos como Ricardo Cachorrão e Mark Henry ajustado o que é necessário durante a luta. Estou muito confiante na minha preparação e no trabalhos que esses caras vêm fazendo. Aos 36 anos de idade, e vendo se aproximar o fim do seu auge como lutador, Edgar acredita que, mesmo sendo o cinturão um objetivo constante em sua carreira, sua prioridade também passou a ser estar em atividade, não ficando muito tempo sem lutar - e ganhar dinheiro. - Não estou dizendo que o cinturão perdeu o seu valor. Para mim, ele ainda vale muito e sempre será o meu objetivo até o fim da carreira. Mas é preciso lutar. Nós somos lutadores profissionais, lutamos por dinheiro, e só sou pago quando luto. Não é como o basquete ou o beisebol, que são esportes nos quais os atletas recebem um salário fixo. Eu só ganho quando subo no octógono, então tenho que entrar lá e garantir o meu. A verdade é que eu fico mais orgulhoso quando venço uma luta que as pessoas acham que eu não conseguiria vencer. Não penso em arruinar os planos de ninguém, mas sim em garantir que os meus se realizem. Não ligo se sou favorito ou azarão, se sou mais velho ou mais novo. O objetivo é sempre o mesmo, ir lá e vencer. UFC 222 3 de março de 2018, em Las Vegas (EUA) CARD PRINCIPAL: Peso-pena: Cris Cyborg x Yana Kunitskaya Peso-pena: Frankie Edgar x Brian Ortega Peso-galo: Sean O'Malley x Andre Soukhamthath Peso-pesado: Stefan Struve x Andrei Arlovski Peso-galo: Cat Zingano x Ketlen Vieira CARD PRELIMINAR: Peso-palha: Ashley Yoder x Mackenzie Dern Peso-leve: Beneil Dariush x Bobby Green Peso-galo: John Dodson x Pedro Munhoz Peso-médio: CB Dollaway x Hector Lombard Peso-meio-médio: Mike Pyle x Zak Ottow Peso-galo: Bryan Caraway x Cody Stamann Peso-meio-pesado: Jordan Johnson x Adam Milstead
  11. Rashad Evans aconselha Tyron Woodley sobre rixa com Dana: "Não dá para vencer" Ex-campeão peso-meio-pesado do UFC se declara "Woodley original" e diz que discussões com presidente do evento lhe custaram anos de sua carreira Combate,com O atual campeão peso-meio-médio (até 77kg) do UFC, Tyron Woodley, se encontra no meio de uma rixa com o presidente da companhia, Dana White, que perdura desde sua segunda defesa de cinturão, em março de 2017. O dirigente critica as atuações do lutador e, na semana passada, usou um palavrão para negar que uma negociação estivesse em curso para realizar uma luta entre Woodley e Nate Diaz. O campeão, por sua vez, reclama do tratamento recebido do patrão e da falta de promoção de seu nome. Amigo de Woodley, o ex-campeão dos pesos-meio-pesados (até 93kg) Rashad Evans vê na situação algo muito familiar. O próprio lutador já teve problemas parecidos com a direção da companhia. - Alguns dos fãs talvez não saibam, mas fui o Tyron Woodley original na minha relação com Dana. Eu entendo o que ele está sentindo, mas ele vai aprender o que eu aprendi. Isso me lembra de algo que me disseram quando eu me casei: "Você quer estar certo, ou quer ser feliz?" Porque, se você estiver certo, você não estará feliz. A esta altura, não dá para ele vencer, porque ele luta no UFC. Dana é o presidente do UFC, não dá para ele vencer. Sinta-se como você quiser se sentir, mas você tem que saber que, sempre que a conversa for sobre algo que Dana disse, nem responda - declarou Evans, em entrevista ao programa "The MMA Hour", do site "MMA Fighting". Segundo "Suga" Rashad, suas próprias discussões com Dana White a respeito de adversários e contratos lhe custaram anos de sua carreira. O ego o atrapalhou, e o custo foi maior do que ele gostaria que fosse. O peso-meio-pesado tentou repassar esta sabedoria ao amigo, mas Woodley não o escutou. - Eu falei com ele, mas o problema de falar com alguém sobre algo que você passou, eles não entendem até eles passarem pela mesma coisa. Eu posso dizer pra ele, mas são coisas pelas quais ele mesmo precisa passar. Ele precisa perguntar a si mesmo, "Quanta energia eu vou dedicar a isso?" O que você ganha por estar certo contra Dana White? Nada, você perde muita coisa. Estando certo ou errado, você perde. Por que sequer brincar com isso se você quer ser lutador, especialmente quando duas das suas fontes de receita estão ligadas a coisas que ele controla? - argumentou Evans.
  12. Mark Hunt confirma que deixará UFC, mas descarta aposentadoria Diego Ribas Mark Hunt foi derrotado por decisão unânime dos juízes laterais naquela que deve ter sido uma de suas últimas apresentações no UFC. O neozelandês não resistiu às quedas aplicadas por Curtis Blaydes no co-main event da edição 221 do show, que aconteceu nesse sábado (10), em Perth (Austrália), e deixou o octógono com um revés. Apesar disso, o peso-pesado garantiu que ainda não é o seu fim como atleta de MMA. Aos 43 anos, o neozelandês não está pronto para pendurar as suas luvas. Pelo menos, não agora. Em entrevista ao site ‘MMA Junkie’, Hunt revelou que a sua trajetória no UFC está perto do fim, mas que depois de fazer as lutas que ainda restam em seu contrato, o peso-pesado espera fazer mais algumas apresentações em outra organização de MMA antes de encerrar a sua carreira de vez. “Sou lembrado todos os dias que sou o lutador mais velho do universo. Tinha três lutas sobrando com o UFC porque não tive uma boa conversa com eles quando muitas coisas aconteceram. Todos sabem que estou processando o UFC. Eles me chamaram de mesquinho. Sobrevivi a era PRIDE, quando todos se dopavam. Estou aqui agora e eles estão tentando me ignorar”, assegurou o veterano. “Depois dessas duas lutas com o UFC, gostaria de lutar em outra organização mais três vezes e me aposentar. Pendurar as luvas. Quero ir lá, na minha melhor forma e competir. Sinto que posso competir com esses jovens, mesmo eles tendo metade da minha idade”. Profissional de MMA há quase 14 anos, Hunt acumula 13 vitórias, 12 derrotas, um empate e um confronto sem resultado. O australiano teve uma oportunidade de se tornar o campeão dos pesados do UFC, em novembro de 2014, mas acabou nocauteado por Fabrício Werdum na ocasião.
  13. Dos Anjos ironiza e sugere que Woodley enfrente Justin Bieber Twetter Atual número dois no ranking oficial do meio-médios (77 kg), Rafael dos Anjos vem fazendo de tudo para ganhar atenção do campeão Tyron Woodley e finalmente conquistar a sua chance de disputar o título da categoria. Para isso, o brasileiro não tem poupado ironias e provocações destinadas ao americano. E mais uma dela foi feita neste sábado (10). Através de sua conta no Instagram, o ex-campeão dos leves (70 kg) publicou uma montagem de um pôster onde Woodley aparece lado a lado com o cantor canadense Justin Bieber. Na legenda, Dos Anjos sugere que o campeão enfrente o astro pop, já que sua procura é por lutas financeiramente atrativas. “Woodley, se você quer uma luta por dinheiro, por que não o Justin Bieber? Ele tem muitos seguidores e fama, seria bom para o seu legado. Seria ideal para o legado de um comediante que está correndo de mim igual o diabo foge da cruz”, escreveu o brasileiro, em mensagem metade em inglês e metade em português. Apesar de Woodley já ter deixado claro que gostaria de encarar outro atleta como Nate Diaz ou até mesmo Georges St. Pierre, Dana White, presidente do UFC, garantiu que o próximo da fila é Rafael dos Anjos. Resta saber se o americano vai topar o desafio…
  14. Rockhold x Romero expõe drama da divisão dos médios do UFC; entenda Florian Sädler Neste sábado (10), Luke Rockhold e Yoel Romero voltam ao octógono para uma disputa que vale o cinturão interino dos pesos-médios (84 kg) na luta principal do UFC 221 – evento que acontecerá em Perth (Austrália). Contudo, o retrospecto das últimas atuações dos lutadores na maior organização de MMA do mundo torna esse casamento questionável. Especialmente quando se trata de um título em jogo. A última vez que Romero foi visto em ação foi julho passado, justamente em uma disputa de cinturão interino contra o atual campeão da categoria. O cubano foi derrotado por decisão unânime dos juízes laterais e viu Robert Whittaker receber o título das mãos de Dana White. Cerca de seis meses depois, o atleta já é escalado para um novo combate de igual importância para a divisão. A situação ficou ainda pior nessa sexta, quando Romero não bateu o peso da sua categoria e não poderá sequer ser declarado campeão interino, caso vença. Apesar de Rockhold já ter ocupado o posto mais alto da divisão, ele acabou nocauteado por Michael Bisping no primeiro round em sua única tentativa de defesa e deu adeus ao cinturão. Sem voltar ao octógono por 15 meses, o ex-campeão dos médios finalizou David Branch e foi escalado para ser o novo desafiante ao título – originalmente contra Whittaker pelo título linear. Em meio a confusão que se encontra a divisão, a breve participação de Georges St-Pierre também merece destaque. O canadense voltou ao UFC depois de quase quatro anos afastado e finalizou Bisping no confronto que valia o cinturão linear. No entanto, ‘GSP’ nunca teve a intenção de se manter ativo com 84 kg e flertava com a hipótese de retornar para o seu peso de origem, a categoria dos meio-médios (77 kg). De um lado o carateca queria descer de peso e do outro Dana White o pressionava para unificar os médios, sem sucesso. Menos de um mês depois da sua conquista, St-Pierre vagou o cinturão linear por motivos de saúde, o que automaticamente promoveu Whittaker sem que uma unificação fosse realizada. No entanto, o australiano não pôde realizar nenhuma defesa. Devido a uma grave infecção, o atual campeão precisou se retirar do card para o qual estava originalmente escalado para realizar o tratamento – e não deu uma previsão de quando poderia voltar. E mesmo com essa confusa dança das cadeiras, outro fato não pode ser esquecido: jovens lutadores não conseguem predominar nessa divisão majoritariamente composta por veteranos. A média de idade dos médios se torna evidente ao se analisar que os maiores nomes da categoria – com exceção do campeão – beiram os 40 anos, ao mesmo tempo que poucos responsáveis por uma renovação surgem periodicamente. Além disso, a maioria dessas lendas do esporte, que encabeçam o ranking oficial, também evitam se encontrar no octógono e priorizam pela escolha de adversários. Desta forma, o duelo que será protagonizado por Rockhold e Romero na Austrália será determinante para ditar o futuro da categoria. Afinal, o vencedor deverá encarar Whittaker na sequência para ditar quais serão os próximos passos que a divisão deverá seguir, e a postura adotada pelo dono do título influencia a divisão mais do que se imagina. Que venham novos tempos para os médios! O evento está previsto para começar às 21h30 (horário de Brasília) deste sábado. O combate pelo cinturão interino deve ser realizado por volta de 3h da madrugada de domingo.
  15. Lyoto Machida pede por luta com Bisping no UFC Rio: “Seria perfeito” Diogo Ribas Lyoto Machida parece disposto a não perder mais tempo em sua carreira. Aos 39 anos, o lutador, que voltou a vencer no octógono no sábado passado (3), no UFC Belém, já mira seu próximo desafio para um duelo que poderia muito bem ser realizado ainda neste primeiro semestre de 2018. Ritmo de combate que não é realizado desde meados de 2015. Como afirmou ainda no octógono logo após vencer Eryk Anders por decisão unânime, e quebrar a má fase de três derrotas seguidas, o carateca tem no britânico Michael Bisping o rival ideal. Também veterano e ex-campeão, o atleta poderia garantir o show ideal para o próximo passo de sua carreira, seja ele no palco o UFC julgasse melhor – embora a cidade do Rio de Janeiro ganhe a torcida de Lyoto. “Acho que essa luta que já poderia ter acontecido no passado, mas por fatores externos não permitiram que ela fosse casada. Acho que é um clássico, muitos querem ver e eu quero fazer. Ele também. O cenário ideal… Eu não escolho território. Pode ser no Brasil, neutro ou na Inglaterra, assim está bom. Quero fazer um camp claro, estou me recuperando, tenho machucados pequenos”, narrou durante conversa com a reportagem da Ag. Fight. Com a base de oito semanas como ideal para a realização de um camp, o carateca teria ainda alguns dias de sobra para descansar não apenas o corpo mas a mente após o stress da preparação para o confronto realizado em Belém. Desta forma, o dia 12 de maio, data em que o evento monta seu circo na cidade do Rio de Janeiro, agrada. “Queria voltar agora em maio, está de bom tamanho. Se fosse no UFC Rio seria melhor ainda. Seria perfeito! Teria tempo ideal de preparação e de restabelecimento pós-luta. Sim, no mundo ideal Seria com o Bisping, no Rio. Até porque ele também se pronunciou do outro lado”, afirmou, se referindo à aprovação data para uma possível disputa pelo rival inglês, que se prepara para fazer sua última luta de MMA. Caso Michael Bisping não seja o próximo adversário a cruzar o caminho do carateca, o nome de Vitor Belfort também já aparece como um dos favoritos dos fãs. Afinal, os ex-campeões brasileiros têm quase a mesma idade, estilos diferentes e trariam para o cage um verdadeiro embate de lendas. Cenário que, embora não seja descartado, não parece agradar Machida. “Acho o Belfort um grande atleta, um ídolo do esporte, com uma carreira brilhante. Faz grandes lutas. Mas se puder fazer com o Bisping seria muito mais interessante. O Brasil precisa muito do Belfort também. Mas se for inevitável, eu não estou em posição de escolher. Desafiei o Bisping e ele aceitou. Não escolho adversário. O Belfort tem meu respeito. Se tiver que lutar, eu luto, mas não é escolha minha”, ponderou. Sem data para o seu retorno, Lyoto, assim como Belfort e Bisping aguardam a definição dos rumos do UFC nas próximas semanas. Aos 39 anos e dono de um cartel com 23 vitórias e oito derrotas, o carateca voltou a vencer após acumular três derrotas, período em que ainda ficou 18 meses suspenso pela USADA.